'Quem nomeia e demite ministro é o presidente', diz Padilha sobre Geddel | Fábio Campana

‘Quem nomeia e demite ministro é o presidente’, diz Padilha sobre Geddel

-

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, afirmou nesta segunda-feira (21) que a atribuição de nomear ou demitir ministros de governo é do presidente da República, Michel Temer, e que não cabe a ele opinar sobre o assunto.

Após reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), o chamado “Conselhão”, no Palácio do Planalto, ele foi questionado por jornalistas sobre o episódio envolvendo o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, que culminou na demissão de Marcelo Calero do comando do Ministério da Cultura. As informações são do G1.

Na semana passada, em entrevista ao jornal “Folha de S.Paulo” e posteriormente em evento com artistas no Rio de Janeiro, Calero afirmou que teria sofrido pressão do titular da Secretaria de Governo para liberar um empreendimento imobiliário de alto luxo em Salvador no qual Geddel tinha comprado um apartamento.

Geddel admite a conversa, mas nega ter feito pressão sobre o ex-ministro da Cultura.

“Quem nomeia ministro e demite ministro é o presidente da República. Só tem uma pessoa que pode responder a essa pergunta. Ele é quem avalia as pessoas quando as convida para serem ministras e avalia o seu desempenho no curso”, declarou Padilha.

Mesmo questionado novamente, Padilha se negou a comentar o assunto de forma mais direta. “Mesmo que pensasse [alguma coisa], não poderia externar porque é uma questão presidencial. […] Fora daí, é achismo”, disse.

Ao fim do evento do Conselhão, o presidente Michel Temer não falou com jornalistas e, ao ser perguntado, quando passava por um corredor, sobre se iria demitir o ministro acenou negativamente com o dedo. Não ficou claro, porém, se o presidente respondia à pergunta ou se estava se recusando a falar sobre o assunto.

Procurada pelo G1, a assessoria da Presidência informou que deve se manifestar sobre o gesto.

Também nesta segunda, a maioria dos integrantes da Comissão de Ética Pública da Presidência votou favoravelmente à abertura de um processo para investigar a conduta de Geddel.

No entanto, um pedido de vista (mais tempo para analisar o caso) de um dos integrantes da comissão adiou a abertura oficial do procedimento investigatório.

Dos 7 integrantes da comissão, 5 votaram na reunião desta segunda-feira a favor de abrir o processo.

Crise dos estados
Durante a entrevista, Padilha também falou sobre o encontro, marcado para esta terça (22), entre governadores e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, na sede da pasta em Brasília para discutir a crise financeira dos estados.
Para Padilha, nenhuma medida concreta deve ser definida na reunião, mas propostas serão levadas e analisadas pelo Ministério da Fazenda.

“Haverá, por parte dos governadores, propostas ou proposta de cada um deles, que serão avaliadas então pela Fazenda para ver de que forma se pode ser parceiro. O ministro Meirelles tem deixado claro que o mais fácil é fazer com que se viabilize financiamentos diretamente para os estados. […] Não há premissas desde já lançadas na mesa”, falou.

Michel Temer não participará do encontro, mas o porta-voz da Presidência, Alexandre Parola, em declaração à imprensa na última sexta (18), ressaltou que ele se reunirá com os governadores posteriormente para tratar do assunto.


Um comentário

  1. LUIZ EDUARDO HUNZICKER
    segunda-feira, 21 de novembro de 2016 – 21:36 hs

    O Temer, você não tem vergonha e nem respeito pelo povo brasileiro ao manter este cabra safado no governo. Ora, faça-me o favor. So fala grosso e toma medidas contra o fraco povo humildes servidores públicos. Cagão. Bunda Mole. Cabação 2016.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*