Mais manobras contra a Lava Jato | Fábio Campana

Mais manobras contra a Lava Jato

Editorial, Folha de S.Paulo

Seria de espantar se inexistissem, na atual conjuntura, movimentações no sentido de diminuir os potenciais efeitos destrutivos da Lava Jato sobre as principais forças políticas do país.

Entretanto, dada a sensibilidade da população diante de qualquer medida que possa sugerir um arrefecimento da operação, os políticos sempre que possível evitarão ataques frontais às autoridades investigativas e seus procedimentos.

Tão discretos quanto suspeitos, alguns movimentos contra as ações do Ministério Público Federal têm-se verificado nos últimos meses.

O caso da chamada anistia para os crimes de caixa dois, barrado à última hora graças aos alarmes de alguns poucos deputados da Rede e do PSOL, ocupou as atenções há não muito tempo.

Nenhum líder político assumiu a responsabilidade pela proposta, que ia sendo aprovada, em clima de virtual sigilo, em uma sessão noturna da Câmara dos Deputados, realizada excepcionalmente numa segunda-feira.

A ideia de criar instrumentos contra abusos de autoridade, por certo merecedora de discussão diante dos ocasionais excessos cometidos pela Lava Jato ou por qualquer autoridade, foi por sua vez retomada no Senado, por seu presidente Renan Calheiros (PMDB-AL).

Embora se possa considerar saudável algum aprimoramento das leis nesse sentido, a circunstância de que o próprio Renan enfrenta mais de uma dezena de inquéritos será o bastante para tingir a proposta de uma densa suspeição.

Ainda que o tema admita detalhadas discussões técnicas —e talvez exatamente por isso—, só pode despertar desconfiança uma terceira tentativa de modificar os parâmetros legislativos nos quais se desenvolve a Lava Jato.

Na semana passada, tentou-se colocar em regime de urgência na Câmara o projeto nº 3.636, de 2015, que propõe mudanças na Lei Anticorrupção. Segundo os procuradores da Lava Jato, a medida traria alterações indesejáveis nos acordos de leniência —equivalente, para empresas, à delação premiada.

Estaria aberta a possibilidade para uma anistia a executivos envolvidos em corrupção, além de impedir-se o uso em outros processos das informações obtidas no acordo celebrado. Seria o enterro da Lava Jato, reagiram os participantes da força-tarefa.

Qualquer que fosse o conteúdo das iniciativas, sua tramitação em regime de urgência consistia por si só em elemento suspeito e inaceitável na manobra.

Foi interrompida; a própria base aliada divergiu sobre a questão. O que não significa que tenha desaparecido a vontade dos parlamentares de, diante do mais leve cochilo da sociedade, aprovar medidas capazes de livrá-los do cerco.


6 comentários

  1. cllarice
    segunda-feira, 14 de novembro de 2016 – 13:32 hs

    EXPERIMENTEM OS QUE TEM CULPAS NO CARTÓORIO DE TENTAR INIBIR O AVANÇO DA LAVA JATO.

    SABEM ESTES BANDIDOS QUE O BRASIL INTEIRO ESTÁ ATENTO A QUALQUER TENTATIVA DE COIBIR QUE A VERDADE VENHA A TONA.

    SE DEVEM , TEM DE SE EXPLICAR, AFINAL O BRASIL ESTA EM ESTADO DE PENÚRIA PELA GANANCIA DE UM GRUPO DE SAFADOS QUE NÃO PENSARAM DUAS VEZES QUANDO S APODERAVAM NO DINHEIRO PÚBLICO. AGORA , UNS JA ESTÃO AMARGANDO NA CADEIA, E OS OUTRO FAZENDO ARTIMANHAS PARA ESCAPAR DA CADEIA.

    TEMER , RENAN, E OUTROS….ESTAMOS DE OLHOS EM VOCES;

  2. Sergio Silvestre
    segunda-feira, 14 de novembro de 2016 – 13:40 hs

    Ninguem deve ser contra a lava-jato,mas o beatinho do Bacacheri,aquele do Power Point tem cara e jeito de um debilóide,em chamar a imprensa para mostrar aquele espetaculo grotesco,ele mostrou que é parcial,um imberbe contra o PT e o Lula,esse tipo de autoiridade é uma desgraça para a nação,não merece nem 10% do que ganha,.;

  3. JOHAN
    segunda-feira, 14 de novembro de 2016 – 15:54 hs

    Caro FÁBIO, essa OPERAÇÃO LAVA JATO deve continuar suas ações com objetivos claros de passar o Brasil a limpo, eliminando os corruptos, retirando do seio da sociedade sadia todos os políticos liderados pelo INIMIGO N° 1, DUENDE, MENTIROSO, ALCAGUETE LULLA ODEBRECHT. Com esse bandido lançado na penitenciária os demais babões cairão na sequência, parando nas masmarros. O Brasil livre dessa escumalha iniciará um procedimento de estabilização econômico-social, com geração de emprego e renda para os atuais 14,0 MM de desempregados, excluídos pela má gestão e roubalheira dos membros da ORGANIZAÇÃO. Atenciosamente. .

  4. jose
    segunda-feira, 14 de novembro de 2016 – 19:47 hs

    Esta na hora do povo ir para as ruas, dar umas sacudidas nos ratos do PT, que roubaram a nação, nesse safado do Renan safado, pilantra, enfim todos os canalhas envolvidos na lava jato.

  5. Reverendo
    segunda-feira, 14 de novembro de 2016 – 21:42 hs

    Prendendo Lula acabarão todos os problemas do Brasil e quem sabe do universo. Faz-me rir tamanha demagogia.

  6. EDVALDO
    terça-feira, 15 de novembro de 2016 – 9:52 hs

    Senhores Deputados Federais e Senadores: Vossas Excelências que agiram à sombra da lei, agora não resta outra alternativa a não ser prestar contas à justiça e ao povo brasileiro. Agora chega, não dá mais, temos que dar um basta à esta bandalheira toda que levou o Brasil ao fundo do poço. A sociedade brasileira deve apoiar a Polícia Federal, o Ministério Público e a Justiça, para que tudo seja investigado, esclarecido, e que cada um pague pelos erros que cometeu.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*