Em conversa gravada, Temer disse a Calero ter sido 'inconveniente' | Fábio Campana

Em conversa gravada, Temer disse a Calero ter sido ‘inconveniente’

Em conversa gravada, o presidente Michel Temer disse ter sido “inconveniente” com o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero ao insistir para que ele permanecesse no cargo.

A transcrição da conversa entre Temer e Calero, ocorrida no último dia 18, foi divulgada nesta terça-feira (29) pela Globonews.

“Quero pedir minha demissão e quero que o sr. aceite, por gentileza, porque eu não me vejo mais com… condições e espaço de estar no governo”, disse Calero. As informações são da Folha de S. Paulo.

Temer afirmou: “se é sua decisão, tem que respeitar. Ontem, acho que até fui um pouco inconveniente, né? Insistindo muito para você… para você permanecer. Confesso que não vejo razão pra isso, mas você terá as suas razões.”

As conversas foram gravadas pelo próprio Calero e entregues à Polícia Federal. Temer reclamou publicamente sobre o fato de ter sido gravado.

Não há menção direta ao caso do prédio embargado pelo Iphan, em Salvador, em que o ex-ministro Geddel Vieira Lima havia comprado um apartamento.

SECRETÁRIO

No entanto, em outra conversa divulgada pela Globonews, o secretário de Assuntos Jurídicos da Casa Civil, Gustavo Rocha, fala com Calero sobre essa situação.

Rocha diz que vai dar entrada “com pedido protocolar” e que vai ingressar com “recurso lá no Iphan”.

“Eu até falei com o presidente, Gustavo, eu não quero me meter com essa história, não”, disse o então ministro.

Rocha diz: “O que ele [Temer] me falou pra falar era: ‘veja se ele encaminha, e não precisa fazer nada, encaminha pra AGU.'”

Em nota na última sexta-feira (25), Rocha, principal assessor jurídico da Presidência, disse ter apresentado a “sugestão de enviar o caso à AGU” (Advocacia Geral da União).

O secretário afirmou que tomou a iniciativa porque o órgão é competente para “dirimir conflitos” entre órgãos. Negou, porém, ter sido o “articulador de movimentações” para resolver o problema de Geddel.


3 comentários

  1. Doutor Prolegômeno
    terça-feira, 29 de novembro de 2016 – 16:44 hs

    Essa conversa de comadres somente demonstra o nível de beira de bueiro, de cloaca máxima, do debate político instalado no Brasil. Nada de relevante ou de revelador nas falações, apenas tititi burocrático, comum em qualquer repartição pública onde, em geral, se costuma falar muito e trabalhar muito pouco. O ex-ministro parece que tinha um bom tempo ocioso, a perder com gravações e fofocas, antes de pedir demissão.

  2. Veredito
    terça-feira, 29 de novembro de 2016 – 20:20 hs

    Este Calero não merecia estar num governo que busca limpar a losa e recuperar a credibilidade junto da opinião pública. este ex era muito pequeno e medíocre para estar ao lado do presidente Temer.Já foi tarde. O que ele gravou que incrimina o presidente?Nada,absolutamente nada.

  3. Sergio Silvestre
    quarta-feira, 30 de novembro de 2016 – 13:35 hs

    Meu Deus que eu escuto e leio de uns imbecis”esse governo veio para limpar a lousa”veio para limpar seu bolso idiota.,

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*