Contra o sistema político | Fábio Campana

Contra o sistema político

antonio-riserio

Antônio Risério

Comecemos pelo óbvio, indigitando o truque manjado. Toda vez que passamos na cara de um político profissional a afirmação “não nos representam”, o sujeito reage espertinho, dizendo que não devemos ser contra a política.

Pura malandragem retórica para retirar o foco de cima de si e dos seus, desviando-o para a dimensão geral da política – para assim defender com “nobreza” uma atividade central na vida humana. Mas não há nobreza alguma aí. O que há é a velha e célebre cara de pau de um bando de picaretas sem-vergonha.

Basta comparar. Quando desancamos médicos que lidam com o corpo humano como se este fosse mercadoria, o que acontece? Denunciamos médicos antiéticos, larápios, canalhas, etc., mas ninguém aparece para dizer que somos contra a medicina. Os políticos profissionais, que vivem da lábia e da engabelação, é que tentam fazer esse jogo trapaceiro.

Mas a questão da crise da representação política não vai ser rasurada do horizonte pela retórica trambiqueira desses caras. Desenha-se diante de nós, como nunca antes, a crise geral (definitiva?) do partidocratismo.

Gramsci viu bem, ao dizer que o partido político corre sempre o risco de substituir o movimento real da vida social pelo movimento interno da vida partidária. Com isso, o partido passa a representar principalmente seus próprios interesses – e não os interesses da maioria da população.

Imaginem aqui entre nós, num sistema político apodrecido que, quase de cabo a rabo, não conta sequer com partidos políticos, no sentido verdadeiro da expressão, mas com partidos meramente eleitorais, na acepção mais rasteira que isso possa ter.

Seja como for, a crise representacional parece hoje irreversível nas sociedades democráticas do mundo – e o Brasil não escapa disso. A cidadania está se constituindo atualmente como tendência à autorrepresentação.

Pessoas e segmentos sociais vêm encontrando meios de falar por si mesmos, sem precisar recorrer a mediações, dispositivos ou aparelhos representacionais. E, aqui, sublinhe-se a presença da internet.

Entre o espaço público e o espaço privado, a antiga e mais simples dicotomia de tempos atrás, floresceu o espaço virtual, onde o público e o privado se mesclam em entrelaçamentos promíscuos.

As pessoas passaram a articular suas informações e a ver a possibilidade real de coordenar suas ações. E o quadro é este: quando os políticos dão as costas à sociedade, nada mais lógico, natural e esperável que também a sociedade dê as costas aos políticos.


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*