Confronto na Assembleia Legislativa do Rio | Fábio Campana

Confronto na Assembleia Legislativa do Rio

agenciaglobo

d’O Globo

Manifestantes derrubaram as duas linhas de grades de proteção da escadaria da Assembleia Legislativa (Alerj). A Casa começa hoje a votar o pacote de ajuste do governo estadual. A Polícia usa gás lacrimogêneo e spray de primenta para dispersar a multidão e monta uma barreira humana, formada por policias da tropa de choque, para impedir a invasão. Servidores carregram um manifestantes após a explosão de uma bomba de efeito moral.

Os PMs estão com capacetes e escudos. Manifestantes lançaram um rojão sobre eles. A Rua Primeiro de Março está interditada. Mais PMs do Batalhão de Choque e um veículo blindado estão no local para reforçar a segurança. Do lado de dentro, o cheiro do spray de pimenta invadiu o ambiente. Ao menos dois seguranças que estavam no portão principal passaram mal e foram retirados pelos bombeiros. Deputados também tiveram que deixar a sala da presidência às pressas.

No início da tarde, servidores do Sindsprev (Sindicato dos Trabalhadores em Saúde, Trabalho e Previdência Social do Estado do Rio de Janeiro) queimaram seus jalecos no meio da Avenida Presidente Antonio Carlos.

Pela manhã, cerca de 30 pessoas se envolveram em uma briga. Um homem subiu no carro de som pedindo para que abaixassem bandeiras de partido. Logo em seguida, servidores do Degase bateram em um homem que levantava uma bandeira do PSTU. Um dos agentes jogou spray de pimenta em meio à multidão.

Em razão da manifestação, a Rua Primeiro de Março está interditada. O trânsito está complicado na região. O bloqueio de tráfego é feito na pista lateral da Avenida Presidente Antônio Carlos, a partir da Avenida Franklin Rooselvelt. O desvio de veículos é feito pela Avenida Almirante Barroso. As melhores opções para os motoristas que se deslocam entre Centro e Zona Sul são os túneis Rebouças e Santa Bárbara.

Os PMs contarão ainda com o apoio de tropas da Força Nacional, solicitadas pelo governador Luiz Fernando Pezão ao presidente Michel Temer. Pezão afirmou não ter mais condições de garantir a ordem pública. Foi autorizada a presença de 500 homens da Força Nacional para ajudar a Polícia Militar a evitar distúrbios não só nos arredores da Alerj, mas também na região do Palácio Guanabara, em Laranjeiras. O efetivo permanecerá pelo menos 15 dias na cidade.

No pedido, o governador alegou “insuficiência de meios e esgotamento dos instrumentos destinados à preservação da ordem pública, da incolumidade das pessoas e do patrimônio” para solicitar o apoio da tropa federal.

— A situação é grave. Pezão está preocupado com a segurança de todos, inclusive a dele. O pedido do governador também é direcionado para a vigilância do Palácio Guanabara — disse uma autoridade, que pediu para não ser identificada.

Nesta terça, mais uma grade foi instalada em volta da Alerj, ao redor da cerca que começou a ser montada no sábado.

INVASÃO NA SEMANA PASSADA

Na semana passada, o plenário e gabinetes da Casa foram invadidos por manifestantes, o que levou Picciani a afirmar que a Polícia Militar falhou. Um grupo depredou a sala da vice-presidência, onde rasgou documentos e quebrou portas e móveis. Eles exigiam o arquivamento do pacote anticrise e a saída de Pezão do governo do estado.

Dois dias depois também houve confusão: um grupo de mascarados acendeu uma fogueira no meio da Avenida Presidente Antônio Carlos durante um outro protesto de servidores no Centro. Policiais que faziam a segurança do Palácio Tiradentes foram em direção aos manifestantes, que arremessaram pedras, garrafas e fogos de artifício. Os PMs responderam com spray de pimenta e bombas de gás lacrimogêneo.

Foto: Agência Globo


4 comentários

  1. TADEU ROCHA
    quarta-feira, 16 de novembro de 2016 – 14:10 hs

    ESSA TERRA MARAVILHOSA ESTA NESSA SITUAÇÃO, PERGUNTO E OS DEP. PERDERAM TAMBEM SEU MARAVILHO SALÁRIO DE 30 MIL, CLARO QUE NÃO , QUE VERGONHA PARA RIO NOSSO BRASIL,

  2. Doutor Prolegômeno
    quarta-feira, 16 de novembro de 2016 – 14:17 hs

    O dia em que o Rio faliu. Os estados que vejam essa situação porque grande parte deles, inclusive esta província cispaulista, estão simplesmente empurrando com a barriga e atrasando o detonador alguns anos. Tungar a poupança dos aposentados e pensionistas e outras piruetas e malabarismos fiscais podem até impressionar os incautos do picadeiro, mas, quem vai chorar serão os palhaços de sempre: o povo e os barnabés que irão se aposentar um dia e suas viúvas.

  3. Freddy Kruger
    quarta-feira, 16 de novembro de 2016 – 15:21 hs

    Eu já vi este mesmo filme aqui no Paraná !

  4. LUIZ EDUARDO HUNZICKER
    quinta-feira, 17 de novembro de 2016 – 0:11 hs

    Pezão, você merece ser enforcado em praça pública;

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*