Municípios do Paraná têm gestão fiscal 20% melhor do que a média brasileira | Fábio Campana

Municípios do Paraná têm gestão fiscal 20% melhor do que a média brasileira

beto-richa-prefeitos

Os municípios do Paraná têm uma gestão fiscal 20% melhor do que a brasileira. É o que revelam os dados do Índice Firjan de Gestão Fiscal (IFGF) da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro, levantamento que comparou a situação fiscal de 4.688 municípios brasileiros, onde vivem 89,4% da população.

O índice tem como base dados oficiais de 2015, declarados pelas próprias prefeituras à Secretaria do Tesouro Nacional (STN). O índice leva em conta indicadores de receita, custo da dívida, capacidade de investimento, liquidez e gastos com pessoal dos municípios. O IFGF estabelece uma pontuação que varia de 0 a 1, sendo que quanto mais próximo de 1 melhor a situação fiscal. No Brasil, a pontuação média foi de 0,4432 no ano passado. No Paraná, o índice ficou em 0,5315.

“Os resultados são bastante satisfatórios. Indicam que os municípios paranaenses estão aperfeiçoando os mecanismos de gestão, sobretudo no que diz respeito à responsabilidade fiscal”, disse o governador Beto Richa. “A gestão eficiente, neste momento desafiador, de prolongada recessão, é muito importante para que as prefeituras possam manter a qualidade dos serviços públicos oferecidos à população”, ele acrescentou.

ORTIGUEIRA – O Estado tem 78 municípios na lista dos que têm melhor condição fiscal do País, incluindo Ortigueira, na região dos Campos Gerais, considerada a cidade com o melhor resultado do Brasil.

No ano passado, o Paraná subiu duas posições no ranking da Firjan. Em 2014, o Estado era o sexto colocado em municípios com melhor condição fiscal. Em 2015, passou para a quarta posição, atrás de Mato Grosso, Espírito Santo e Santa Catarina. No Paraná, a Firjan analisou 370 municípios.

Richa destaca que “a estreita parceria entre o Estado e os municípios, trabalhando de mãos dadas, também teve seu papel” no bom desempenho demonstrado pelas prefeituras paranaenses no levantamento da Firjan.

(foto: Ricardo Almeida/ANPr)


Um comentário

  1. medonho
    terça-feira, 11 de outubro de 2016 – 16:34 hs

    Este é um tipo de notícia que nos agrada, o respeito com os recursos públicos.

    Acreditamos que tem de melhorar ainda mais, 20% é pouco poderia ser 100%. É preciso investir nos processos internos, VEJAM O CASO DE CURITIBA se entrar com o mesmo ASSUNTO, 3 vezes terá o tempo de resposta TRIPLICADO. ISTO É UM ABSURDO e representa gastos desnecessário, a resposta deveria estar na TELA,VISTO QUE JÁ EXISTE PARECER, JULGAMENTO DAQUELE ASSUNTO….QUANTO SE PERDEM POR REPETIÇÕES
    DE ALGO QUE JÁ FOI EXAUSTIVAMENTE ANALISADO.

    FALTA PADRONIZAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO
    GENTE VAMOS MELHORAR ISTO, PARA QUE SOBRE RECURSOS PARA OUTRAS FINALIDADES ESSENCIAIS, EDUCAÇÃO, SAUDE, BENFEITORIAS, LAZER ETC.

    camara e prefeito consomem 300 milhões ano enquanto que SERVIÇOS OBRAS, MANUTENÇÃO NÃO CHEGAM A 700 MILHÕES. curitiba é a cidade do desperdício de recursos…Esperamos que o FUTURO prefeito faça uma REENGENHARIA DE PROCESSOS E TODOS OS CONTRATOS DE SERVIÇOS…..

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*