Morte de adolescente em escola foi tragédia anunciada, diz Traiano | Fábio Campana

Morte de adolescente em escola foi tragédia anunciada, diz Traiano

traiano_alep2

“A morte do estudante de 16 anos em uma escola ocupada de Curitiba foi uma tragédia anunciada. É uma consequência trágica da falta de controle de movimentos que decidiram usar adolescentes como massa de manobra para atingir seus objetivos políticos, sem se importar com os perigos a que estavam expondo esses menores”.

A análise é do presidente da Assembleia, deputado Ademar Traiano (PSDB), ao ser questionado sobre a morte de um adolescente no Colégio Safel, no bairro de Santa Felicidade, em Curitiba, que está ocupado por estudantes, que se dizem contrários à proposta de reforma do ensino médio apresentada pelo governo federal, e estão sob o comando de movimentos estudantis liderados por partidos políticos de esquerda.

“Eu acho que é momento de dar um basta nisso. Não se pode imaginar que a escola, que deveria ser a continuação dos nossos lares, onde os nossos jovens vão para lapidar seus conhecimentos, sejam ocupadas por movimentos políticos que promovam ou permitam todo o tipo de excesso. Movimentos que, inconformados com a situação política, usem esses jovens para tentar atingir seus objetivos políticos. Eu espero que os comandantes desse movimento que culminou nessa tragédia possam ser responsabilizados exemplarmente”, prosseguiu Traiano.

“Esperamos que essa tragédia venha a servir de alerta, tanto para os invasores, quanto para os pais, que tem filhos sendo prejudicados com essa movimentação nas escolas e, como se viu agora, coloca os adolescentes em perigos de toda ordem. Temos informações que excessos de toda natureza estão ocorrendo nesses estabelecimentos, disse Traiano.

“Esse movimento de ocupação de escolas vem causando graves prejuízos aos estudantes. Os alunos estão sem aulas e podem não conseguir fazer o Enem. Isso tudo em nada preocupa os mentores da invasão, porque esse tipo de transtorno, parece ser justamente o que eles desejam. É o momento dos país, dos professores que são contra essas manifestações manifestem seu inconformismo com a situação”,

A família desse estudante externo toda a minha solidariedade neste momento de dor. Não queremos que novas tragédias venham a acontecer, por isso meu apelo aos pais que exerçam sua vigilância e cuidado com seus filhos. Faço um apelo para que os estudantes encerrem esse movimento”, concluiu Traiano.


5 comentários

  1. Dosel Jr.
    quarta-feira, 26 de outubro de 2016 – 9:20 hs

    E estes conselhos tutelares para que servem? E os pais que permitem que seus filhos participem destas invasões, mesmo sabendo que qualquer ato que um menor praticar o pai terá responsabilidade.
    Eles queriam um mártir, agora tem. A diferença é que este mártir saiu do meio deles e não devido a uma ação das autoridades policiais.

  2. Iara
    quarta-feira, 26 de outubro de 2016 – 9:21 hs

    Oi Fábio, o colégio já foi desocupado.

  3. Ex-funcionário
    quarta-feira, 26 de outubro de 2016 – 9:29 hs

    Traiano pare de falar asneiras como sempre. O que vc fez pra não acontecer? Vai dormir.

  4. Pardon
    quarta-feira, 26 de outubro de 2016 – 11:55 hs

    A tragédia é cotidiana nas escolas, falta de respeito aos professores, insegurança, participação insuficiente dos pais e sociedade, calamidade que se constata a olho nu. Vai senhor Traijano disfarçado de civium em escola de garotada 11 a 17 anos e arrepie os seus parcos cabelos…

  5. Wanisa Trova
    quinta-feira, 27 de outubro de 2016 – 14:59 hs

    É… Eu tentei! Juro que tentei! Juro que fiz o que pude para evitar a tragédia de ontem. Juro que usei todos os recursos que estavam ao meu dispor para evitar essa morte. Falei com a imprensa, falei com as autoridades, denunciei o que estava acontecendo dentro das escolas invadidas, inclusive o uso de drogas, e percebo que foi pouco o que fiz. Nesta noite fiquei pensando onde foi que errei? Onde que não me fiz entender? Qual foi a porta que faltou bater para evitar que a vida de um jovem fosse desperdiçada? Quebrei o silêncio, dei a cara a tapa, sofri represálias e ameaças, mas tudo teria valido a pena se o Lucas estivesse aqui entre nós, se uma família não estivesse hoje chorando. Então, onde foi que errei? Por que não pude evitar todo esse sofrimento aos paranaenses?Só consegui dormir ao perceber que a culpa dessa morte não é minha. A culpa dessa morte, os responsáveis por aquela calçada manchada de vermelho, pelo sorriso de um jovem nunca mais ser visto por sua mãe, é das pessoas que organizaram e apoiaram essa ridícula ocupação de escolas. Sim, a verdade é apenas essa! As pessoas que organizaram e apoiaram as invasões não são os assassinos, mas são os responsáveis por um assassinato! Os professores que doutrinaram crianças em nome de uma ideologia falida, os líderes estudantis que não percebiam serem idiotas úteis nas mãos de pessoas inescrupulosas, lideres sindicais que promoviam greves apenas para criarem fatos políticos e usando estudantes como massa de manobra, todos eles são responsáveis pelo fim do sorriso do Lucas. Só que para eles, para os esquerdopatas, uma morte não passa de uma baixa, apenas mais uma morte pela causa maior do socialismo. Sei perfeitamente que alguém vai alegar que foi um caso isolado, que foi uma briga entre dois drogados, que tanto assassino como assassinado são vítimas da sociedade. Mas será que ninguém vai percebe que são, sim, vítimas da sociedade? São vítimas de uma sociedade criada através da partidarização das escolas, de uma sociedade criada onde só teriam direitos e jamais deveres, de uma sociedade criada onde o Estado passou a ser mais importante do que a família, de uma sociedade onde o pensamento único e onde raciocinar diferente passou a ser um pecado mortal. São vítimas de uma sociedade onde trabalhar, conquistar coisas, ter sucesso e dinheiro pelo próprio esforço passou a ser sinônimo de vergonha! Uma sociedade lindíssima na mente dos socialistas, mas que aqui no mundo real é muito diferente. Sim, senhores deputados, em última análise a verdade nua e crua é essa: todos aqueles que por ação (no caso dos que trabalharam em prol dessa famigerada ocupação como APP, UNE, UPES, partidos de esquerda), ou por omissão (no caso dos que viram as ocupações acontecendo e não fizeram nada), tiveram algum grau de culpa na morte do Lucas. Quando comecei tudo isso aqui, quando quebrei o meu silêncio, eu só queria defender o direito dos meus amigos ao estudo, de voltarem para as salas de aula. Hoje venho aqui para exigir o direito deles pela vida!Que termine essa ridícula ocupação antes que outra desgraça aconteça! Neste momento mais uma pergunta me passa pela cabeça e creio não será respondida: Eu tentei evitar a morte do Lucas, eu fiz a minha parte, e vc?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*