Estudantes ocupam escola de Curitiba | Fábio Campana

Estudantes ocupam escola de Curitiba

estudantes_reforma

da Banda B

No quarto dia de mobilizações contra a reforma do ensino médio proposta pelo governo Michel Temer, já passam de vinte o número de escolas ocupadas por estudantes em Curitiba e região metropolitana. Nesta quinta-feira (6), o Colégio Estadual Jayme Canet, no bairro Xaxim, foi o primeiro da capital paranaense a aderir ao movimento. A maioria das ocupações acontece em São José dos Pinhais, com 19 escolas ocupadas.

À Banda B, uma representante do grêmio estudantil do Colégio Hebert de Souza, Damiris de Oliveira Alexandre, disse que os alunos não aceitam a reforma do ensino médio e só deixarão o espaço quando o governo Temer voltar atrás com a medida. “Essa reforma retira o direito dos estudantes de estudar de forma democrática. O governo quer transformar os colégios em verdadeiras fábricas de operários, sem possibilitar que tenhamos um pensamento crítico”, disse.

No fim da tarde desta quarta-feira, o governador Beto Richa afirmou que o estado do Paraná não terá qualquer mudança no ensino médio sem discussão. Em vídeo postado na rede social Facebook, Richa garantiu que todas as disciplinas oferecidas hoje serão mantidas e que o estado deve promover alterações próprias. “Desde já quero garantir que todas as disciplinas oferecidas hoje serão mantidas. É notório que o ensino médio precisa ser modernizado para atender nossos estudantes, então vamos juntos fazer a nossa reforma”, disse o governador.


13 comentários

  1. Nelson
    sexta-feira, 7 de outubro de 2016 – 7:59 hs

    O governador beto richa deu sua palavra! Eo que vale a palavra desse governador?

  2. Dionleno Silva
    sexta-feira, 7 de outubro de 2016 – 8:58 hs

    Entre os pontos o fim da obrigatoriedade do ensino de artes e ed. física é aceitável, afinal educação física em colégios estaduais não passam de horários de folga ou horários para jogarem bola ao invés de estudarem. E essas aulas de educação artística, só blá blá blá, ensinam artes e o que se aplica? Pichação e culto ao sertanejo universitário.

    Esses alunos de grÊmio estundantil antes de fazerem protestos deveriam primeiro no mínimo as letras do hino Nacional, Hino da Independência e da Bandeira, e paraem de achar que che guevara é exemplo de alguma coisa boa.

  3. jaferrer
    sexta-feira, 7 de outubro de 2016 – 8:58 hs

    O fato é que o ensino, médio principalmente, necessita com máxima urgência de modernização. Vivemos no século 21, com uma escola do século 19. Todos os países que avançaram na educação e cresceram, adotam o ensino flexível, com possibilidade de um ensino profissionalizante mais sério. É um mito dizer que todos devem ter ensino superior, os melhores países, os mais desenvolvidos, tem no profissional de ensino médio sua grande força, complementada pelos formados no ensino superior. Temos que decidir se queremos avançar em educação e, consequentemente, como país, ou viver no limbo ideológico.

  4. André luis
    sexta-feira, 7 de outubro de 2016 – 9:21 hs

    Uma covardia jogar essas crianças nessa situação esquerda nojenta e cobarde!!!

  5. R9
    sexta-feira, 7 de outubro de 2016 – 10:21 hs

    O que estão esperando para colocar a casa em ordem?
    Qualquer ameba sabe que essas “ocupações” são atos orquestrados pela pelegada da esquerda…..Até quando vão permitir essa baderna? Sem duvida alguma as varias paralisações que ocorreram no ano passado, promovidas pelos pelegos, não foram repostas como deveriam.
    É muita inocência achar que são alunos iluminados que lutam por melhor qualidade de ensino, nao passam de massa de manobra de “professores” “críticos” que fazem da sala de aula lugar de doutrinação marxista… Muitas dessas salas de aula nao tem nada de diferente do que ocorre na Coreia do Norte, Cuba e similares….Bando de safado.

  6. jose
    sexta-feira, 7 de outubro de 2016 – 11:27 hs

    Sabe qual a posição desta escola na avaliação do Enem 2015:

    5.418º lugar…

    Realmente eles precisam ocupar a escola e estudar…

  7. Sergio R.
    sexta-feira, 7 de outubro de 2016 – 12:07 hs

    Pergunte a cada estudante por que estão lá. Não para representante de grêmio estudantil, pois estes não querem nada com nada. Depois publique aqui, o que e como eles falaram. Só vai confirmar porque é preciso uma reforma urgente.

  8. Astor
    sexta-feira, 7 de outubro de 2016 – 13:12 hs

    A molecada não sabe nada.

  9. jose
    sexta-feira, 7 de outubro de 2016 – 14:55 hs

    Ops errei, a posição correta da escola na avaliação do MEC é 5838º lugar.

    Fonte: http://especiais.g1.globo.com/educacao/enem/2015/enem-2015-medias-por-escola/

  10. Juca
    sexta-feira, 7 de outubro de 2016 – 14:56 hs

    Essa molecada não quer mesmo estudar. E do jeito que está frouxo o ensino é como a molecada quer.

  11. indignado 1
    sexta-feira, 7 de outubro de 2016 – 15:12 hs

    A palavra do Lula, do Requião e dos pelegos CUT é que vale.

  12. Helena
    sexta-feira, 7 de outubro de 2016 – 16:19 hs

    Professores de esquerdas estão transformando os estudantes em vândalos, tais como eles os são, aliás não são professores, são ativistas de esquerda com uma credencial de professor utilizando uma instituição de ensino pública para ensinar o ódio e a separação de classes sociais. É lamentável! Será que os pais concordam com isto???

  13. De olho nas notícias!
    sábado, 8 de outubro de 2016 – 8:36 hs

    Assistindo uma entrevista com um dos “manifestantes”, que nem sabe a razão da ocupação, pois uma hora é pela reforma do ensino médio, outra é fora Temer, outra é pelos aumento salarial dos professores(?????), cheguei a conclusão que esses ditos “estudantes” são apenas instrumentos de um sindicato que se diz de professores, mas que não está nem aí para o ensino e formação dos jovens. Em algumas escolas os pais acompanham, o que lamentavelmente, já dá para prever como será o futuro dessas pessoas. É mais papo de defensor de corruptos perdedores de eleição.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*