Brasil precisa de vacina contra o populismo fiscal, diz Temer | Fábio Campana

Brasil precisa de vacina contra o populismo fiscal, diz Temer

temer

Jornal GGN – Para conter as críticas à PEC dos gastos públicos e à Reforma na Previdência, Michel Temer disse que sem as mudanças, nem ele vai receber a aposentadoria e o Brasil vai à falência. Só que Temer já é aposentado pela procuradoria do Estado de São Paulo desde 1996. Ainda, defendeu que o país precisa de uma “vacina contra o populismo fiscal”.

“Daqui a seis, sete anos, quando eu aposentado for ao governo para receber o meu cartão, o governo não terá dinheiro para pagar”, disse, em evento da Revista Exame, para concluir: “em faze desses pressupostos das despesas públicas, em dado momento, não haverá mais dinheiro para pagar o aposentado”.

Segundo Temer, os “números não fecham” e, por isso, a proposta de reforma na previdência. Tentou convencer que as mudanças não irão afetar os direitos da população: “não vamos violar direitos adquiridos coisa nenhuma”. E o porém: “estamos construindo uma fórmula pela qual os direitos já consolidados possam ser mantidos, mas aqueles que não completaram o direito possam submeter-se a nova regras”.

O presidente disse, ainda, que o governo discutirá “amplamente” a reforma com os sindicatos. Mas, se eles “não concordarem, pelo menos asfaltaremos o terreno”.

Também reagiu às críticas contra a PEC que congela por 20 anos os gastos públicos, que afetará investimentos na saúde e na educação. Sem muitas aberturas para o diálogo, Temer apenas afirmou que sem a reforma fiscal, o Brasil vai à falência, levando ao aprofundamento da recessão, a dívida bruta chegando a 100% do PIB em 2024.

Temer também garantiu que a PEC que tramita no Congresso não vai prejudicar os mais pobres. “Haverá maior flexibilidade para utilização das receitas, preservando os recursos para saúde e educação. Quero que ouçam minhas palavras em letras garrafais. Essa é outra coisa que se divulga com impunidade. É uma falsidade que as pessoas acabam acreditando. Quer dizer que o governo atual é tão despropositado que ele só assumiu para acabar com direito dos trabalhadores e saúde e educação. Isso que se alardeia”, disse.

Insistindo, afirmou que “pode parecer uma PEC elitizada, mas não é. Se controlar os gastos públicos, há repercussões positivas em todos os senhores”, disse, dirigindo-se a uma plateia de jornalistas da grande imprensa, executivos e empresários.


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*