TCU bloqueia R$ 2,1 bi de empreiteiras | Fábio Campana

TCU bloqueia R$ 2,1 bi de empreiteiras

tcu

As construtoras OAS e Odebrecht terão até R$ 2,1 bilhões em bens indisponibilizados para ressarcir a Petrobras pelo superfaturamento em obras na Refinaria Abreu e Lima (PE). Além das companhias, também terão bens pessoais bloqueados o ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli, Renato Duque, ex-diretor de serviços, Marcelo Odebrecht, o ex-presidente da empreiteira e atualmente preso, e mais cinco ex-funcionários das construtoras. A decisão foi tomada pelo o Tribunal de Contas da União (TCU) nessa quarta-feira (17). O órgão constatou a construção de duas unidades dessa refinaria, que custaram R$ 5,5 bilhões em preços da época, tiveram preços acima do mercado e direcionamento nas licitações. As companhias e os ex-diretores terão 60 dias para apresentar defesa sobre o caso. As informações são de Dimmi Amora na Folhapress/Folha de Londrina.

O processo foi aberto no ano passado, quando se imaginava um sobrepreço de R$ 1,1 bilhão. As investigações foram ampliadas nesse período e se chegou ao valor de R$ 1,4 bilhão, que atualizados chegam aos R$ 2,1 bilhões. Foi a primeira vez que o TCU bloqueou bens de empresas envolvidas na Operação Lava Jato.

O relator do processo, ministro Benjamin Zymler, disse ter ficado em dúvida sobre o bloqueio dos bens das empresas, temendo criar ainda mais problemas para a gestão delas. Mas ele disse ter ficado convencido de que isso não prejudicaria as companhias, já que não traria consequências diretas à sua gestão, visto que serão bloqueados bens imóveis, entre outros.

Nesse processo foram usados dados da Operação Lava Jato. Com eles, foi possível apurar preços de itens feitos especialmente para a Petrobras, que não têm referência no mercado e em geral o TCU não conseguia estimar se estavam superfaturados. Os valores que a Petrobras pagou, que tinham sido apresentados pelas empresas na licitação, são muitas vezes o dobro do valor que consta na nota fiscal das empresas, ou seja, o que realmente foi pago.

Essa foi a segunda vez que o ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli teve os bens bloqueados pelo TCU. A outra é no caso da compra da Refinaria de Pasadena (EUA), em que o tribunal de contas atribuiu a ele responsabilidade pelo prejuízo de US$ 792 bilhões na aquisição.

Nesse processo, os ex-diretores da Petrobras Renato Barusco e Paulo Roberto Costa também são responsabilizados pelos danos à empresa. Mas o relator do processo decidiu por não bloquear os bens desses acusados por eles terem feito acordos de delação premiada no âmbito da Operação Lava Jato.

(foto: internet)


Um comentário

  1. Doutor Prolegômeno
    quinta-feira, 18 de agosto de 2016 – 10:59 hs

    Empreiteiras corruptas e safardanas tem que falir. Pouco importa seu tamanho ou as consequências econômicas. A Enron nos EUA era uma das maiores companhias americanas. Faliu e seus diretores e controladores foram em cana dura. Sem conversa fiada. Sem tornozeleira eletrônica (que no Brasil nem funciona direito). Sem champanhe e caviar no conforto da prisão domiciliar, como aqui nesta república bananeira. Seus sócios tem que pagar cada centavo, ainda que isso os leve a morar debaixo do viaduto. Tudo cuja origem não seja de herança deve ser confiscado. Cana dura e miséria são as únicas penas eficazes para esses patifes.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*