Somos todos cobaias | Fábio Campana

Somos todos cobaias

ratoeira1
Mary Zaidan

Diante dos jogos olímpicos no Rio, com mais de 300 horas de transmissão de TV por dia, novas delações no âmbito da Lava-Jato, também diárias, e proximidade do julgamento do impeachment de Dilma Rousseff, a atenção para as eleições que acontecem daqui a exatos 49 dias é próxima de zero. O calendário chega atropelando o eleitor e os candidatos, cobaias da lei que reduziu o tempo de campanha, criou regras sem regulamentá-las e extinguiu o financiamento privado.

Amanhã é o último dia para registro de candidatos. Na terça-feira, as campanhas podem começar — oficialmente. O horário eleitoral dito gratuito, que, mesmo reduzido para 35 dias deve consumir mais de R$ 560 milhões dos impostos pagos pelo cidadão para ressarcir as emissoras de rádio e TV, começa no dia 26, um dia depois da data marcada para o início do julgamento do impeachment.

O eleitor terá pouquíssimo tempo para conhecer minimamente aqueles que postulam administrar a sua cidade e representá-lo na Câmara Municipal. E os candidatos, tanto majoritários como proporcionais, passam a depender quase que exclusivamente do Fundo Partidário – recurso público repassado mensalmente aos partidos de acordo com o peso da legenda. Ou de uma nova modelagem de caixa dois, para o qual não há limite de criatividade, como demonstrou o mensalão e os escândalos na Petrobras e Cia.

O Fundo Partidário, com dotação de mais de R$ 800 milhões neste ano, é altíssimo para o bolso do eleitor que, se perguntado fosse, teria outras prioridades. Mas não passa de trocados na conta das campanhas.

Em 2012, o PT declarou gastos de R$ 67,9 milhões para eleger o prefeito Fernando Haddad. Muito menos do que os R$ 55,3 milhões que o PT recebeu do Fundo de janeiro a julho deste ano, que, em tese, teriam de bancar campanhas de todos os candidatos a prefeito e vereador do partido no país. Corrigidos, os valores gastos por Haddad há quatro anos batem em R$ 90 milhões. Agora, ele diz que gastará no máximo R$ 10 milhões. Só não explica como.

Márcio Lacerda, prefeito de Belo Horizonte, gastou mais de R$ 27 milhões para se eleger em 2012, um milhão a menos do que a sua legenda, o PSB, recebeu do Fundo nos primeiros sete meses de 2016.

No PSDB e no PMDB a situação é semelhante. Recebem respectivamente R$ 6,7 milhões e R$ 6,5 milhões ao mês do Fundo, insuficientes para custear campanhas majoritárias em cidades de médio porte, quanto mais nas grandes. Só a do tucano José Serra custou, em 2012, R$ 33,5 milhões. E a do peemedebista Eduardo Paes, no Rio, R$ 25 milhões.

Sem patrocínio empresarial, o laboratório das eleições 2016 assegura vantagens aos ricos e famosos. Os primeiros podem custear as suas próprias campanhas, como já antecipou o milionário João Dória, candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo. E os da fama contam com a superexposição, a exemplo do também candidato Celso Russomano, comunicador de programa diário na TV, que leva a dona-de-casa direto para a urna.

Vale também captar dinheiro diretamente de pessoas físicas, algo que sempre foi permitido, mas que nunca ganhou corpo no Brasil. Até porque os pressupostos são confiança e crença do eleitor, commodities escassas no país.

Para a doação direta, imaginavam-se novidades, como a arrecadação de fundos via internet, fato que não passou pela cabeça dos congressistas que mudaram a lei. Provocado, o TSE não se pronunciou sobre a coleta digital de recursos e a questão continua em aberto.

No discurso, partidos e candidatos afirmam que as eleições de 2016 vão estabelecer novos paradigmas. Pode ser. Mas até então, a menos de dois meses do pleito, tudo é incógnita.

Ninguém disse como vai pagar nem o que custa barato, como panfleto, santinho, som, palanque, comício. Muito menos as produções de TV, caríssimas, mesmo deflacionadas pela crise e sem marqueteiros remunerados com dinheiro de propina.

Os mais de 144 milhões de brasileiros aptos a votar em 2 de outubro são protagonistas de um experimento. Suas reivindicações, como a do voto facultativo, registrada como prioritária no canal aberto pela Câmara dos Deputados, nem mesmo foram debatidas, quanto mais votadas.

Tem-se um modelo eleitoral de conveniência que com a proibição da doação privada finge inibir a roubalheira e a doação ilícita. E até gente séria finge acreditar.


2 comentários

  1. FUI !!!
    segunda-feira, 15 de agosto de 2016 – 6:51 hs

    Quem deixou os brasileiros praticamente apolíticos foram os pró-
    prios partidos como o PT e esta leva de ladrões que nos assalta-
    ram. O que nos interessa hoje é a reconstrução do Brasil depois
    que a Dilma for embora, o Lula for preso junto com a sua quadrilha
    e a Olimpíada acabar de vez. Chega de festa e chegou a hora de
    pensar em um novo país. Para corroborar com esta batalha o STF
    recebe de mãos abertas a nova Ministra Carmen Lucia. Seja bem
    vinda !!!!!! Tchau Lewandowski…

  2. EDUCAÇAO SAUDE E SEGURANCA.
    segunda-feira, 15 de agosto de 2016 – 20:22 hs

    É VERGONHOSO GASTAR r$560MILHOES PARA CAMPANHA DE FUTUROS CORRUPTOS E DEIXAR A SAÚDE,EDUCAÇÃO
    E SEGURANÇA SEM INVESTIMENTO ISSO PROVA O INTERESSE QUE SE TEM PELO ELEITOR, VERGONHA NACIONAL.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*