Serra e FHC vão ao Uruguai para evitar que Venezuela lidere o Mercosul | Fábio Campana

Serra e FHC vão ao Uruguai para evitar
que Venezuela
lidere o Mercosul

serra_FHC_uruguai_reproducao_facebook_511

O ministro das Relações Exteriores, José Serra, e o ex-­presidente Fernando Henrique Cardoso reuniram­-se na manhã desta terça­-feira, 5, com o presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, e o chanceler uruguaio, Rodolfo Nin Novoa, em Montevidéu, para pedir “mais tempo” antes de o país, que atualmente preside o Mercosul, passar o posto para a Venezuela. As informações são de Lu Aiko Ota no Estadão.

Pela prática do bloco, a presidência deveria ser transmitida neste segundo semestre. E, pelo rodízio entre países­-membros, seria a vez de a Venezuela presidir o bloco. O Uruguai previa passar o comando aos venezuelanos no dia 12.

No entanto, Caracas é alvo de um pedido do Paraguai para aplicação da cláusula democrática, que poderia resultar em sua suspensão. O Uruguai, por seu lado, vinha reafirmando a intenção de transferir a presidência tal como preveem as regras do bloco.

O Brasil, segundo explicou Serra em entrevista após a reunião, busca uma posição intermediária. “Existe uma posição do Uruguai que
compreendemos, que se tem de respeitar as regras”, acrescentou Fernando Henrique, que viajou para Montevidéu como convidado do governo uruguaio.

O ministro das Relações Exteriores, José Serra, e o ex-­presidente Fernando Henrique Cardoso reuniram­-se na manhã desta terça­-feira, 5, com o presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, e o chanceler uruguaio, Rodolfo Nin Novoa, em Montevidéu, para pedir “mais tempo” antes de o país, que atualmente preside o Mercosul, passar o posto para a Venezuela. As informações são de Lu Aiko Ota no Estadão.

Pela prática do bloco, a presidência deveria ser transmitida neste segundo semestre. E, pelo rodízio entre países­-membros, seria a vez de a Venezuela presidir o bloco. O Uruguai previa passar o comando aos venezuelanos no dia 12.

No entanto, Caracas é alvo de um pedido do Paraguai para aplicação da cláusula democrática, que poderia resultar em sua suspensão. O Uruguai, por seu lado, vinha reafirmando a intenção de transferir a presidência tal como preveem as regras do bloco.

O Brasil, segundo explicou Serra em entrevista após a reunião, busca uma posição intermediária. “Existe uma posição do Uruguai que
compreendemos, que se tem de respeitar as regras”, acrescentou Fernando Henrique, que viajou para Montevidéu como convidado do governo uruguaio.


5 comentários

  1. Doutor Prolegômeno
    quarta-feira, 6 de julho de 2016 – 13:46 hs

    O Brasil tem que abandonar este clube de andrajosos e mendigos e associar-se aos grandes para crescer. O Mercosul é um clube de miseráveis que só serve aos interesses da Argentina, cuja indústria está obsoleta, e aos interesses das empresas automotivas. Além disso, serve aos interesses de políticos que gostam de mordomias e vinhos argentinos, como alguns paranaenses que se esbaldam à custa do erário em viagens milionárias à Punta del Este. Só Silvio Santos enriqueceu vendendo para os pobres.

  2. toninho
    quarta-feira, 6 de julho de 2016 – 14:23 hs

    O Fernando Henrique faz parte do Governo?

  3. jaferrer
    quarta-feira, 6 de julho de 2016 – 16:32 hs

    Quando o Paraguai destituiu dentro da lei o bispo pedófilo, os bolivarianos correram e suspenderam o país; agora, com todos os crimes cometidos e o caos instalado, o único país com governo retrógrado além da Venezuela no moribundo mercosul quer cantar de galo. O negócio é mostrar para o Uruguai que ele só existe no bloco com o apoio dos grandes e defender a expulsão sumária da Venezuela. De quebra é bom acabar logo de vez com esta mentira que é o mercosul.

  4. Antonio Carlos
    quarta-feira, 6 de julho de 2016 – 20:27 hs

    Mas porque não aplicar o que foi aplicado ao Paraguai à Venezuela? Os venezuelanos são melhores do que os paraguaios? O que valeu para um deve valer para outro.

  5. Helena
    quarta-feira, 6 de julho de 2016 – 23:56 hs

    Nem o Lula. Mas o Lula continua tal como se fosse do governo.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*