Traiano inaugura a 'Sala Arnaldo Busato' no espaço anexo do plenário | Fábio Campana

Traiano inaugura a ‘Sala Arnaldo Busato’ no espaço anexo do plenário

Ademar Traiano inaugura a sala Arnaldo Busado

“É uma homenagem pequena pelo muito que ele representou para o Paraná, mas é um símbolo de que seu legado nunca será esquecido”. Com palavras emocionadas, o presidente da Assembleia, deputado Ademar Traiano inaugurou ontem (21), a sala Arnaldo Busato, que é como será denominado, a partir de agora, o espaço anexo ao plenário onde os deputados se reúnem para articulações políticas, são realizadas reuniões de comissões técnicas e são recepcionadas autoridades que visitam o Legislativo.

O descerramento da placa teve a presença da viúva do deputado Arnaldo Busato, dona Rosi, e de seus filhos. Dona Rosi e o filho Arnaldo Faivre Busato Júnior, agradeceram na tribuna sobre a homenagem e destacaram o legado do deputado, que foi deputado estadual, federal e secretário de Saúde. A mulher e o filho recordaram a preocupação de Busato com os mais humildes, era um homem que se preocupava com o povo e sua casa estava sempre aberta para aqueles que vinham a Curitiba tratar da saúde.

A iniciativa da homenagem foi da Mesa Executiva e do deputado Claudio Palozi (PSC). Busato foi uma das mais importantes lideranças políticas do Paraná nas décadas de 1960 e 1970, chegou a ter seu nome várias vezes cogitado para a disputa do governo estadual em função das excelentes gestões que realizou à frente da Secretaria de Estado da Saúde nos governos de Paulo Pimentel e de Jaime Canet Júnior e de um carisma incomum, que o transformou num verdadeiro campeão de votos.

Nascido em Jaú (SP), formou-se em Medicina pela Universidade Federal do Paraná em 1957, estabelecendo-se em seguida no município de Clevelândia, no Oeste do Estado, onde foi professor no Colégio São Luís e na Escola Normal Madre Maria dos Apóstolos e exerceu a medicina, tornando-se diretor-clínico do Hospital e Maternidade São Sebastião e médico-chefe da Universidade Sanitária. Indicado sucessor político do sogro, Cândido Machado de Oliveira, líder regional do antigo Partido Democrata Cristão, elegeu-se deputado estadual com a quinta maior votação da eleição de 1962.

Na Assembleia Legislativa presidiu e integrou várias comissões técnicas. Com a extinção dos partidos políticos pelo Ato Institucional nº 2, de 27 de outubro de 1965, e posterior implantação do bipartidarismo, filiou-se à Aliança Renovadora Nacional (Arena), pela qual se reelegeu para a Assembleia com a maior votação daquele ano. Licenciou-se em 1968 para assumir a Secretaria de Estado da Saúde e, no ano seguinte, respondeu pela Secretaria do Trabalho e Assistência Social.

Em 1970 foi o deputado paranaense mais votado para a Câmara Federal, com 42 mil votos. Era o candidato mais cotado para a disputa ao Senado mas, por motivo de saúde, abdicou da indicação. Na Câmara também integrou e presidiu comissões técnicas, entre elas a Comissão Especial de Reforma da Constituição. Em 1974 voltou a ser cogitado para voos mais ambiciosos, desta feita para o Governo do Estado. Mais uma vez a saúde fragilizada o levou a recusar o convite dos correligionários. Reelegeu-se deputado federal. Licenciou-se para ocupar, de 1975 a 1978, a Secretaria de Estado da Saúde, onde realizou importantes campanhas imunizatórias e ações de grande repercussão na área.

Em 1978 seu nome foi novamente lembrado para a disputa majoritária, mas a saúde – sempre a saúde – o fez optar pela disputa à Câmara Federal. Mais uma vez mostrou-se um campeão de votos, obtendo 118 mil. Em 1979, com a saúde já bastante abalada, ainda ajudou a criar o Partido Democrático Social (PDS). Depois de uma das mais brilhantes carreiras políticas do Estado, perdeu a luta de mais de oito anos contra o câncer e morreu em Curitiba no dia 1º de março de 1980, com apenas 45 anos.

(foto: Nani Gois/Alep)


2 comentários

  1. Valmor Lemainski - Cascavel
    quarta-feira, 22 de junho de 2016 – 9:19 hs

    Muito mais que um político, uma pessoa singular. Deu me deu o privilégio de conhecê-lo. Cascavel deve muito a ele. Mericidíssima homenagem.

  2. quarta-feira, 22 de junho de 2016 – 10:56 hs

    Justa homenagem. Com os agradecimentos de toda a família para a mesa executiva e ao autor da proposição, Deputado Cláudio Palozi.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*