Distante e indiferente | Fábio Campana

Distante e indiferente

733308

Ruy Castro

Em 15 dias fora do país e lendo diariamente os jornais locais, nenhuma notícia sobre o Brasil. Eu não precisava de manchetes. Uma notinha na página 18 ou uma simples linha que fosse, qualquer coisa me satisfaria. Mas nem isso. Era como se o público de Lisboa, Londres e Dublin vivesse muito bem sem saber das piruetas de Lula, Dilma Rousseff, Michel Temer, Aécio Neves, José Sarney, Romero Jucá, Renan Calheiros, Eduardo Cunha e outros protagonistas dos nossos destinos.

É verdade que os leitores daquelas cidades tinham mais do que se ocupar. Em Lisboa, começava a aguardada temporada anual dos caracóis e sardinhas, para gáudio dos restaurantes junto às docas – eu próprio me refestelei num deles, comendo com as mãos e me lambuzando. Em Londres, festejavam-se os 90 anos da rainha Elizabeth, justificando que os mais indescritíveis chapéus femininos saíssem às ruas. E, em Dublin, dava-se o Bloomsday, o dia dedicado ao escritor James Joyce, uma das glórias literárias dos irlandeses.

Impossível para o distante e indiferente Brasil competir com esses eventos no noticiário. Nem o fato de ser um país gigantesco e vivendo uma crise política e econômica sem precedentes, com suas tripas explodindo e excretando corrupção, parecia fazê-lo merecedor de espaço.

Para piorar, pipocaram assuntos novos e de relevância internacional: a chacina em Orlando, Flórida, combinando terrorismo, homofobia e venda de armas; a reta final do referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia; e o assassinato da deputada Jo Cox por um racista nacionalista britânico. Diante disso, só sairíamos no jornal se algo totalmente absurdo acontecesse.

Pois no último dia, sábado, aconteceu. O Brasil voltou ao noticiário porque, de repente, Rio e São Paulo registraram temperaturas de – quanto? – 10 ou 11 graus.


2 comentários

  1. PIXULEQUINHO
    quarta-feira, 22 de junho de 2016 – 11:17 hs

    .
    É QUE NÃO HÁ NOVIDADE NO BRASIL. É SEMPRE A MESMA COISA. CORRUPÇÃO … CORRUPÇÃO … CORRUPÇÃO … CORRUPÇÃO … CORRUPÇÃO … CORRUPÇÃO … CORRUPÇÃO … CORRUPÇÃO … DISSO ELES JÁ ESTÃO CARECAS DE SABER.

  2. Doutor Prolegômeno
    quarta-feira, 22 de junho de 2016 – 11:30 hs

    O Brasil é um país irrelevante. Graças a seus políticos e seus eleitores continuaremos nesta senda de nulidade, um destino manifesto da América latrina.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*