Sesp responde Assofepar | Fábio Campana

Sesp responde Assofepar

A Secretaria de Segurança Pública do Estado do Paraná respondeu a nota de repúdio da Associação dos Oficiais Policiais e Bombeiros Militares depois das prisões de policiais militares, na última sexta-feira, 13, em Londrina, suspeitos de cometer uma série de assassinatos em janeiro deste ano.

Confira a nota na íntegra da Sesp-PR

Sobre a “nota de repúdio” emitida pela Assofepar aos veículos de imprensa, a Secretaria da Segurança Pública (Sesp) informa que encaminhou ofício ao Comando Geral da Polícia Militar para que informe se houve abuso ou irregularidade de qualquer natureza durante o cumprimento dos mandados exarados pela Justiça em face de policiais militares – mandados estes cumpridos exclusivamente pela Polícia Militar. Bem como apresente relatório acerca de eventual vazamento de informações ou exposição dos presos à imprensa.


A Sesp soma-se à Assofepar nos argumentos expostos e ratifica a importância da Polícia Militar do Paraná no contexto da Segurança Pública e vai tomar todas as medidas exigidas para a garantia dos direitos fundamentais e do pleno exercício do direito de defesa e contraditório dos policiais militares.

Confira a nota na íntegra da Assofepar:

NOTA DE REPÚDIO
A Associação dos Oficiais Policiais e Bombeiros Militares do Estado do Paraná – ASSOFEPAR, por decisão dos seus Conselheiros, vem a público repudiar veementemente a forma desrespeitosa com que a Família Militar Estadual foi tratada no dia de ontem (13/05/16), por ocasião da prisão e condução coercitiva de Policiais Militares lotados na cidade de Londrina/PR.
Somos favoráveis à condução de investigações sérias e responsáveis, pautadas no interesse público e nas garantias constitucionais. Exigimos que a presunção de inocência, assim como o direito à ampla defesa e ao contraditório, sejam rigorosamente observados. Não podemos compactuar com o desrespeito aos Militares Estaduais, que se dedicam continuamente ao socorro da população paranaense, em todos os municípios deste Estado, muitas vezes com o sacrifício da própria vida.
Por interesses ainda não totalmente compreendidos, mas que denotam intenções voltadas à repercussão midiática, a ”operação policial” pareceu mais com um espetáculo circense. Profissionais e pessoas inocentes, perante os seus familiares, foram expostos a constrangimentos totalmente injustificados, descabidos e inaceitáveis.
Destacamos que os Militares Estaduais carregam nas costas a maior parcela da segurança pública deste Estado. Além das ações de Polícia Militar e Bombeiro, viabilizam os trabalhos da SESP, DIEP, GAECOS, Forças Tarefas e Assessorias, nos diversos órgãos e instituições.
A ASSOFEPAR, por meio do seu Departamento Jurídico e de Direitos Humanos, está acompanhando esse caso e tomando providências contra os abusos cometidos.
Conclamamos os Militares Estaduais, para que não sejam complacentes com ”encenações teatrais”, montadas para projetar pessoas e instituições, maculando a imagem da Corporação e de seus integrantes.
Esperamos resposta da SESP, sobre a sua participação neste infeliz episódio, bem como das medidas tomadas para evitar a prevalência de interesses escusos às custas da dignidade dos profissionais da segurança pública.
RESPEITO! É o mínimo que se espera!


2 comentários

  1. Xerpa
    terça-feira, 17 de maio de 2016 – 8:57 hs

    Repetidas vezes e estranhamente o sensacionalismo televisivo vem ocorrendo em Londrina, desrespeitando a presunção de inocência e privilegiando emissoras. Arrassam familias e causam constragimentos, muitas vezes sem causa.

  2. Veredito
    terça-feira, 17 de maio de 2016 – 9:47 hs

    É profundamente lamentável que isto ainda aconteça nos dias de hoje. Para mim, atitudes destes meios de comunicação não passam de uma clara demonstração da sua incapacidade profissional, e de falta de ética, para se comportar diante de um episódio desta natureza.É nisso que dá empregar gente amiga da familia no lugar de profissionais qualificados.Somo a tudo isso a falta de respeito pelo de sentimento das pessoas de bem.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*