Ricardo Barros no Ministério da Saúde | Fábio Campana

Ricardo Barros no
Ministério da Saúde

images
Ricardo Barros, do PP, será ministro. A dúvida era sobre o ministério que ele vai assumir. Foi o da Saúde, o da Integração, o das Ciades e o da Agricultura. Pois, pois, depois da dança e da contradança dos acertos com os aliados, Michel Temer definiu. Ricardo fica mesmo na Saúde. E diga-se, com o apoio da corporação dos médicos. A posse será logo pós a votação da admissibilidade do impeachment no Senado.


5 comentários

  1. Lenisa Albuquerque
    segunda-feira, 9 de maio de 2016 – 0:26 hs

    Acho ótimo, apesar dele não ser um médico é um grande articulador, tenho certeza que será um bom gestor. Abraços

  2. TADEU ROCHA
    segunda-feira, 9 de maio de 2016 – 9:02 hs

    ….LENISA EU CONCORDO COM VOCE, HOJE BLOG DO ESMAEL DIZ ASSIM…..PCDOB DEIXA GUSTAVO FRUET, VAI PARA TADEU VENERI, MUITO BOM , NOSSO PREFEITO NÃO QUER MAÇÃ PODRE, ESSE PARTIDO É PT ROXO, NÃO SEI COMO DEP, TADEU VENERI AINDA PENSA EM SER CANDIDATO A PREFEITO DE CTBA DEPOIS DE TODA ESSA VERGONHA, DO PARTIDO DELE.

  3. Tia do café
    segunda-feira, 9 de maio de 2016 – 9:02 hs

    Agora confirma o leitão vesgo ..fará a festa no comando desta pasta vai levar muitos maringaenses para mamar junto nesta nova empreitada …vamos lá
    Na teta política
    Esposa vice ,filha deputada ,irmão de novo prefeito ,primos e tios e cunhados e namorado da filha é ex prefeito de Maringa ..todos na teta eterna que já dura mais de 35 anos entre Maringa e Brasília vivem a vida do dinheiro público e grandes empresas e grandes negócios sobre o poder do leitão vesgo

  4. João Miramar
    segunda-feira, 9 de maio de 2016 – 9:48 hs

    Para desratizar a Organização Criminosa, que se fez chamar de PT, dá para tolerar Temer, embora ele e o seu PMDB tenham sido responsáveis por 80% dos votos dado à Dilma e referendado o caminho para o caos. Mas tudo tem limites, até mesmo na política terceiromundista. Ricardo Barros – ou qualquer outro que não tenha o perfil de um Adib Jatene – é um acinte aos milhões de brasileiros condenados a morrer nas filas de hospitais ou das milhares de crianças que terão seu cérebros encolhidos pelo zica vírus. Se num momento excepcional como este, da brecha que se abre para expurgar o abjeto populismo que instituiu a corrupção como forma de gestão e a mentira elevada ao nível institucional, o Chefe de Governo, o Chefe de Estado, que assume não tem condições de romper com o fisiologismo parasitário então estamos condenados a ser um sub-povo, uma sub-nação.

  5. Luiz lberto Beltrame
    sexta-feira, 13 de maio de 2016 – 20:55 hs

    Resposta ao senhor João Miramar :concordo com seu parágrafo final,realmente estamos condenados a ser um paizinho,grande no tamanho,pequeno no intelecto, e o seu comentário é uma clara prova disto.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*