Ricardo Barros sabatinado pelos médicos | Fábio Campana

Ricardo Barros sabatinado pelos médicos

ricardobarros

Principal cotado para assumir o Ministério da Saúde de Michel Temer depois que fracassou a tentativa de emplacar o cirurgião Raul Cutait no posto, o deputado federal Ricardo Barros se reuniu neste domingo durante duas horas com a elite médica de São Paulo.

O PP busca o respaldo de nomes de peso da medicina para respaldar a indicação do parlamentar paranaense. Barros se reuniu com os médicos no Sírio Libanês, das 17h30 às 19h30.

O encontro foi organizado por Roberto Kalil e contou com a participação de Florentino Cardoso, presidente da Associação Médica Brasileira, do cirurgião Fabio Jatene, do oncologista Paulo Hoff e do ex-secretário de Saúde de São Paulo Giovani Cerri, entre outros. O secretário de Saúde do governo Geraldo Alckmin, David Uip, participou de uma parte da conversa por teleconferência.

Barros se apresentou como gestor, ressaltou o fato de ter sido relator do Orçamento no ano passado para dizer que sabe quais as prioridades de investimentos e levou alguns projetos de sua cidade, Maringá, considerados interessantes pelos médicos.

O deputado, que é engenheiro, disse que, se assumir, pretende se reunir periodicamente com grupos de médicos. Se prontificou a fazer reuniões temáticas a cada dez dias.

Barros também acatou a ideia de criar um grupo de WhatsApp com os médicos que estavam na reunião para colher ideias e sugestões.


9 comentários

  1. MAURO
    segunda-feira, 9 de maio de 2016 – 10:36 hs

    Segue o féretro, esse governo que nem chegou já vai tarde! Michel Temer é apenas transitório, até pelo tipo de Ministros que está selecionando, Ricardo Barros, é mais um politiqueiro que não sabe nada de saúde e sim de fazer política. Alguém deve ter esquecido que até dias atrás ele gerenciava o orçamento desse governo falido! Pobre povo brasileiro!

  2. Doutor Prolegômeno
    segunda-feira, 9 de maio de 2016 – 11:14 hs

    Esse ministério que está se desenhando é qualitativamente igual ao atual. Aparentemente, Temer não tem nada a temer. Vai dar valsa…

  3. Parreiras Rodrigues
    segunda-feira, 9 de maio de 2016 – 12:06 hs

    Um médico ou administrador hospitalar na (pasta) Saúde, um militar nas Forças Armadas, um educador na Educação, um empresário na Indústria e Comércio, por ai. Ebgenheiro na Saúde é simplesmente desvio de função e pronto. Pelo que se apresenta, continua tudo na lesma lerda. Fica, Dilma!

  4. Sergio Silvestre
    segunda-feira, 9 de maio de 2016 – 13:00 hs

    Me parece que o grau de periculosidade desse ministerio Temer(se o Maranhão deixar) vai ser um PCC de gravatas,cruz credo.

  5. Zé Ninguém
    segunda-feira, 9 de maio de 2016 – 13:45 hs

    Mas o cara não iria virar secretário do Betinho Banana? E o ministério da Agricultura ficou no passado?

  6. João Miramar
    segunda-feira, 9 de maio de 2016 – 14:06 hs

    Para desratizar a Organização Criminosa, que se registrou na Justiça Eleitoral, com o nome de PT, dá até para tolerar Temer. Melhor que houvesse um pedido límpido de perdão aos brasileiros, acompanhado de uma desintoxicação pelo convívio cúmplice com a mais corrupta gestão política que gangrenou o presente e o futuro de gerações.

    O PMDB ao lado do PP foram sócios do PT no Petrolão, em troca apoiaram o populismo arrivista que nos levou ao desastre que nos fez regredir pelo menos meio século do ponto de vista civilizatório.

    Tudo bem que a saída seja constitucional. O populismo, como experiência tropical do fascismo tem inspiração do bolivarianismo, que é golpista na essência.

    Mas tudo tem limites.

    Ricardo Barros – ou qualquer outro que não tenha o perfil de um Adib Jatene – é um acinte aos milhões de brasileiros condenados a morrer nas filas de hospitais ou das milhares de crianças que terão seus cérebros encolhidos pelo zica vírus.

    Se num momento excepcional como este, da brecha que se abre para expurgar o abjeto populismo que instituiu a corrupção como forma de gestão e a mentira elevada ao nível institucional, o Chefe de Governo, o Chefe de Estado, que assume não tem condições de romper com o fisiologismo parasitário então estamos condenados a ser um sub-povo, uma sub-nação.

    Se a convivência com o fisiologismo é inevitável, pelo menos nesta hora, pelo menos os brasileiros se livram do ódio como metodologia sociopolítica e antropológica.

    Estanca-se o processo- é o que se espera com o Chefão da OrCrim e seus comparsas presos – que levaria populismo manipulador e corrupto inexoravelmente ao fascismo genocida.

    Por que a história ensina que o populismo acaba em lágrimas ou em balaços.

    Então, festejemos nossas lágrimas…

  7. MARCOS
    segunda-feira, 9 de maio de 2016 – 14:19 hs

    ESTE CARGO TEM QUE SER PARA UM TÉCNICO E NÃO POLÍTICO!!!!
    VERGONHA ESTE PAÍS…..

  8. MARCOS
    segunda-feira, 9 de maio de 2016 – 14:20 hs

    TUDO ACERTADO $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

  9. Dude
    terça-feira, 10 de maio de 2016 – 1:33 hs

    Esse cara tava até o último minuto votando contra o impeachment e só mudou de lado porque a filhinha pediu – ou, o que é mais óbvio, porque viu que votar a favor era suicídio político.

    Pois bem, agora o paspalho está a ponto de ser nomeado ministro? Eu mereço.

    Aliás. .. Quem em sã consciência elege esse povo? O que essa família Barros-Borghetti já fez de relevante até hoje??

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*