PF investiga o "crime perfeito" | Fábio Campana

PF investiga o “crime perfeito”

Marcelo Odebrecht Fotos Estadao e PT
A Operação Janus investiga o que o submundo da corrupção em Brasília chamava de “crime perfeito”. A suspeita é que Lula fechava acordos com ditadores, a maioria africanos, para o BNDES financiar grandes obras naqueles países, mediante juros ínfimos, longo prazo de carência e contratos secretos, sob a condição de serem entregues a empreiteira brasileira. No Brasil, mandava o BNDES financiar a obra. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Após o entendimento de Lula, o Brasil assinava acordos de cooperação com a ditadura atraída para o esquema, que contratava a Odebrecht.

O BNDES financiava a obra lá fora, mas pagava a Odebrecht no Brasil. Dinheiro público saído do Tesouro para a empreiteira, sem licitação.

Ditaduras não se deixam fiscalizar, nem os órgãos de controle do Brasil podiam auditar os contratos no BNDES, classificados de “secretos”.


3 comentários

  1. FUI !!!
    sábado, 21 de maio de 2016 – 12:49 hs

    Está na cara que o Lula fez infinitas viagens ao exterior visando
    a “captação” de obras no exterior e colocando o nosso dinheiro do
    BNDES a juros perdidos nas mãos dos países que concordavam
    com o PT. Crimes hediondos levando-se em conta que existem
    milhares de obras para serem executadas por aqui e a grande maio-
    ria dos brasileiros vivendo sem saúde e com fome. Estes caras
    precisam apodrecer na cadeia.

  2. sábado, 21 de maio de 2016 – 13:38 hs

    Essa Justiça acompanhada dessa imprensa ambos covardes tentam de tudo para tirar Lula da Presidência nas próximas eleições como são otários não conseguem provar nada e a única coisa que conseguem na realidade é levantar mais ainda o homem

  3. JOHAN
    sábado, 21 de maio de 2016 – 16:31 hs

    Caro FÁBIO, essa afirmação a sociedade já conhecia. Esperamos ver a comprovação das afirmações com fatos e provas, pois a lei já foi estuprada há mais de 14 anos. Atenciosamente.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*