Paraná registra menor índice de mortalidade infantil da história | Fábio Campana

Paraná registra menor índice de mortalidade infantil da história

19/05/2016 - Abertura do V Encontro Estadual Rede Mãe Paranaens

A Rede Mãe Paranaense completou quatro anos e se consolida como um dos principais programas já implantados na rede pública de saúde do Paraná. O sucesso da iniciativa se traduz em números. Com a rede, o Estado atingiu os menores índices de mortalidade infantil de sua história: 10,90 mortes para cada mil nascidos vivos, em 2015. Além disso, reduziu em 25,3% a mortalidade materna.

Em média, 160 mil crianças nascem por ano no Paraná, sendo que 62% dos nascimentos são atendidos na rede pública de saúde, e consequentemente estão vinculado à rede Mãe Paranaense.


Segundo o secretário Michele Caputo Neto (Saúde) mais do que bons números, a Rede Mãe Paranaense trouxe avanços na qualidade do atendimento a gestantes e bebês. “Pelo menos 407 vidas foram salvas graças as ações implementadas pelo Mãe Paranaense. São mortes maternas e infantis que foram evitadas, demonstrando que estamos no caminho certo”, ressaltou.

Inspirado no programa Mãe Curitibana, o Mãe Paranaense hoje ultrapassa divisas e serviu de base para a criação da Rede Cegonha, estratégia semelhante adotada pelo Ministério da Saúde. “Temos orgulho de ser exemplo para o país e isso se deve a excelência dos nossos profissionais de saúde que atuam na atenção materno-infantil”, explicou Caputo Neto.

Atualmente, 82% das gestantes paranaenses realizam o pré-natal com, no mínimo, sete consultas e 17 exames. Se necessário, há a garantia de atendimento multiprofissional em ambulatórios especializados, como o Centro Mãe Paranaense. Hoje, pelo menos 18 regiões mantêm estruturas que funcionam neste modelo.

“Capacitamos mais de 35 mil profissionais com o intuito de implantar um novo modelo de atendimento, focado no trabalho em rede e no estabelecimento de uma linha de cuidado. Isso fez com que alcançássemos bons resultados. Agora queremos avançar, reduzindo ainda mais o número de mortes evitáveis”, disse a secretária Fernanda Richa (Família e Desenvolvimento Social).

Com investimentos em estrutura física (obras e equipamentos), capacitação profissional e custeio dos serviços de saúde, a rede modificou a forma com que gestantes e bebês são atendidas na rede pública. Em quatro anos, mais de R$ 511 milhões já foram aplicados pelo Governo do Estado no setor.

(foto: Rogério Machado/ANPr)


2 comentários

  1. Helena
    segunda-feira, 23 de maio de 2016 – 12:07 hs

    O MST custeado pelo PT, APP e seus simpatizantes, impediram que o pessoal da saúde fosse fazer o treinamento para este programa do do PSDB PR fosse realizado. Eles só sabem destruir o que os outros fazem de bom para as pessoas, são do tipo quanto pior melhor para que eles possam criticar e pegar o poder, para quê??? Para servir de cabide de emprego para seus “súditos” e roubar à vontade.

  2. Carlinhos
    segunda-feira, 23 de maio de 2016 – 13:42 hs

    Só para lembrar a saúde e municipalizada, isto é, de competência dos municípios e não do governo estadual.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*