Lula vê escolha de Dilma como seu erro mais grave, diz Sarney em áudio | Fábio Campana

Lula vê escolha de Dilma como seu erro mais grave, diz Sarney em áudio

índice

Em um novo trecho da gravação de diálogos seus com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, o ex-senador José Sarney (PMDB-AP) afirma que Luiz Inácio Lula da Silva considera a escolha de Dilma Rousseff para sucedê-lo como seu “mais grave erro”. A transcrição do diálogo foi veiculada pela edição deste sábado (28) do “Jornal Hoje”, da TV Globo. A reportagem não reproduz o áudio, que é narrado pelo repórter. As informações são da Folha de S. Paulo.

Segundo o “Jornal Hoje”, a conversa foi gravada por Machado na casa de Sarney. O nome do ex-presidente Lula não é citado, mas a reportagem diz que fica claro, para os investigadores, que a conversa é sobre ele. No diálogo, Machado diz a Sarney: “Agora, tudo por omissão da dona Dilma”, em uma referência às investigações da Lava Jato que atingem o mundo político.

Sarney responde: “Ele chorando. O que eu ia contar era isso. Ele me disse que o único arrependimento que ele tem é ter eleito a Dilma. Único erro que ele cometeu. Foi o mais grave de todos.”

Em nota ao “Jornal Hoje”, o Instituto Lula informou que o petista já teve seus sigilos bancário e fiscal quebrados, analisados e divulgados. E que caberia aos autores das frases e gravações comentarem suas declarações privadas divulgadas ilegalmente.

À Folha, o instituto diz que “o vazamento ilegal das gravações é mais uma evidência de que, depois de investigar por mais de dois anos, o Ministério Público Federal não encontrou sequer um fiapo de prova contra Lula. Porque Lula sempre agiu dentro da lei”.

O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, responsável pela defesa de Sarney, diz que não comentará “fragmentos” de gravações. Ele afirma que só irá se manifestar assim que obtiver a cópia integral das gravações, solicitada à Justiça.

Machado, que fechou acordo de delação premiada com a Justiça, gravou conversas suas com caciques do PMDB e as entregou ao Ministério Público.

A revelação pela Folha do diálogo em que Romero Jucá sugeria um pacto para deter o avanço da Lava Jato levou à sua queda do Ministério do Planejamento.


Um comentário

  1. Olho vivo
    domingo, 29 de maio de 2016 – 18:25 hs

    A TÁ E OS ASSALTOS AOS COFRES PÚBLICOS COMETIDOS POR ELE E SUA QUADRILHA,COMO É QUE FICAM.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*