Estado investe R$ 119 mi na Rede Mãe Paranaense | Fábio Campana

Estado investe R$ 119 mi na Rede Mãe Paranaense

19/05/2016 - Abertura do V Encontro Estadual Rede Mãe Paranaens

O secretário Michele Caputo (Saúde) anunciou nesta quinta-feira, 19, que o Estado vai aplicar mais de R$ 119 milhões na estruturação e fortalecimento da Rede Mãe Paranaense em 2016. Entre os novos investimentos estão repasses de recursos adicionais para hospitais e maternidades de referência no atendimento a gestantes e bebês.

“Hoje temos a menor taxa de mortalidade infantil da história do Paraná e os índices de morte materna também caíram em 25,3%. Isso tudo significa que mais de 400 gestantes e recém-nascidos foram salvos graças a ação da Rede Mãe Paranaense”, destacou Michele Caputo.


A medida foi anunciada durante a solenidade de abertura do 5° Encontro Estadual da Rede Mãe Paranaense, que reúne cerca de 1,5 mil profissionais de saúde em Curitiba. O evento contou com a presença da secretária Fernanda Richa (Família e Desenvolvimento Social) e da vice-governadora Cida Borghetti.

Por meio do programa estadual de apoio aos hospitais públicos e filantrópicos, o Paraná vai ampliar os incentivos referentes à assistência materno-infantil em 180 hospitais e maternidades. O reajuste será implantado já neste mês de maio e beneficia todas as regiões do Estado.

Para os serviços de saúde de referência para o atendimento de gestações de alto risco, o repasse estadual sobe de R$ 80 mil para R$ 100 mil por mês. Um aumento de 25%. Também haverá reajuste no incentivo da chamada de qualificação do parto. O valor pago pela realização de partos de risco intermediário passa de R$ 270 para R$ 320 por procedimento. Já para partos de risco habitual, o valor aumenta de R$ 180 para R$ 200.

Além disso, o Estado vai destinar recursos para complementar o valor das diárias pagas por leitos de UTI neonatal do SUS. O objetivo é equiparar a remuneração dos hospitais com este tipo de estrutura no Paraná.

A diferença ocorre porque o governo federal habilitou apenas 30% do território paranaense na Rede Cegonha. “Hoje, enquanto hospitais da região de Curitiba, Londrina e Maringá recebem R$ 800 pela diária em leito de UTI neonatal, a rede hospitalar do restante do Estado recebe R$ 470. Trata-se de uma despesa extra que vamos bancar até que o Ministério da Saúde resolva essa desigualdade”, assegurou Michele Caputo.

(foto: Rogério Machado/ANPr)


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*