Bumlai diz que fez empréstimo fraudulento para PT por medo de invasão de terras | Fábio Campana

Bumlai diz que fez empréstimo fraudulento para PT por medo de invasão de terras

bumlai

O empresário e pecuarista José Carlos Bumlai disse nesta segunda-feira ao juiz federal Sergio Moro que assinou um empréstimo fraudulento de cerca de 12 milhões de reais para o PT por medo de ser alvo de invasão de terras. Amigo do ex-presidente Lula, Bumlai foi o avalista de um empréstimo fictício junto ao Banco Schahin usado para pagar despesas eleitorais de 2004 e para repassar dinheiro de uma suposta chantagem feita pelo empresário Ronan Maria Pinto, em Santo André (SP). As informações são de Laryssa Borges na Veja.

Segundo os investigadores da Operação Lava Jato, o empresário integrou um esquema de corrupção envolvendo a contratação da Schahin pela Petrobras para operação do navio sonda Vitoria 10000. A transação só ocorreu após o pagamento de propina a dirigentes da Petrobras e ao PT. A exemplo do escândalo do mensalão, o pagamento de dinheiro sujo foi camuflado a partir da simulação de um empréstimo no valor de 12,17 milhões de reais do Banco Schahin, com a contratação indevida da Schahin pela Petrobras para operar o navio sonda Vitoria 10000 e na simulação do pagamento do suposto empréstimo com a entrega inexistente de embriões de gado.

“Eu cometi um grande erro. Levado pela minha situação à época, que era proprietário de 210 mil hectares de terra, tudo produtivo, o PT assumindo o governo federal, nós éramos um grande alvo para invasões. Não falei ‘não’ até por uma questão de receio, mas também achei que o empréstimo não ia sair”, disse ele ao juiz Sergio Moro. Em depoimento à Polícia Federal, Bumlai já havia admitido que o empréstimo era fictício.

Segundo a versão apresentada pelo pecuarista, que é réu na Operação Lava Jato, o pedido para a consolidação do empréstimo partiu do então tesoureiro do PT Delúbio Soares, embora o tema tenha sido tratado também pelo ex-tesoureiro do partido João Vaccari Neto e pelo lobista Fernando Baiano. “Quando eu cheguei no banco, o empréstimo já estava totalmente aprovado. Só precisava de um trouxa que nem eu para assinar e ficar responsável por ele”, relatou Bumlai. No depoimento, o empresário, que enfrenta um tratamento de câncer, pediu que o juiz Sergio Moro seja “misericordioso” com ele em seu julgamento.

(foto: Ueslei Marcelino/Reuters)


2 comentários

  1. vitor
    terça-feira, 31 de maio de 2016 – 17:15 hs

    DE BAIXÍSSIMA CREDIBILIDADE ESTA AFIRMAÇÃO. O PARCEIRO MOR TINHA
    TEVE E TEM DIÁLOGO COM A ESCUMALHA DO STEDILE.

  2. Helena
    terça-feira, 31 de maio de 2016 – 20:40 hs

    De certa forma foi coagido pelo medo do que o PT poderia reagir ao não, ou pretendia futuramente tirar algum proveito desse “favor”.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*