'PT e MST criminalizam a reforma agrária no País' | Fábio Campana

‘PT e MST criminalizam a reforma agrária no País’

guto-elio-lupion

Os deputados Guto Silva (PSD), Elio Rusch (DEM) e Pedro Lupion (DEM) afirmaram nesta segunda-feira, 11, que o PT e o MST estão criminalizando a reforma agrária no país. Os três comentaram o conflito armado pelos sem-terra contra a Policia Militar na última quinta-feira, 7, em terras da Araupel, entre os municípios de Rio Bonito do Iguaçu e Quedas do Iguaçu.

Na região, mais de duas mil famílias invadiram uma área de 35 mil hectares e estão cobrando a desapropriação do espaço para fins de reforma agrária. O deputado Guto Silva defendeu a busca do diálogo para a resolução da situação, mas afirmou que o Estado não pode conviver com situações de afronta a constituição e ao direito a propriedade.

“É preciso colocar o dedo na ferida do MST. Não pode existir no país, um Estado dentro do Estado. Temos relatos do Ministério Público, afirmando que se houver algum crime dentro de um assentamento, não é possível de se averiguar. Isso é uma aberração constitucional. Além disso, para que não haja mais conflitos, é preciso fazer uma análise de como está sendo feita a reforma agrária, qual é o custo dela e quais são os critérios utilizados” disse.

O deputado Elio Rusch relembrou a CPI da reforma agrária, realizada na Assembleia em 2004, e trouxe dados do Tribunal de Contas da União que determinou a suspensão da seleção e assentamento de novos beneficiários da reforma agrária, por indícios de irregularidades nos processos de mais de 570 mil pessoas favorecidas pelo programa. “Eu pergunto aos nossos amigos parlamentares, será que foi coincidência o que aconteceu? Na quarta-feira nós tivemos a suspensão de novos assentamentos pelo TCU e na quinta-feira houve este incidente em Quedas do Iguaçu”, disse.

“Eu repudio a maneira como atua o MST. Condeno não só as ações do MST em Quedas do Iguaçu, mas também a destruição que eles fizeram em Santa Tereza do Oeste, na Aracruz e em tantas outras fazendas de diversos estados. Este movimento não tem respeito algum pelo direito à propriedade” afirmou o deputado.

O deputado Pedro Lupion adiantou mais informações da decisão do TCU que bloqueou o programa de reforma agrária do governo Dilma Rousseff (PT). “Nos dados apresentados pelo TCU mais de 1,1 mil beneficiários têm ligações com o PPT, mais de 5 mil beneficiários têm carro importado na garagem e nenhuma vocação para o trabalho na terra, além de 37 mil pessoas falecidas que ainda constam na lista dos que receberam propriedades” disse.

Lupion garantiu o apoio aos trabalhadores rurais e disse que é um dever do governo assegurar a manutenção da propriedade e da produção destes. “O Paraná é o Estado que ocupa hoje a segunda posição na produção de grãos do país e se não fosse a balança comercial gerada pelos nossos produtores paranaenses, nossa economia estaria ainda pior”, completou.


6 comentários

  1. Jesiel Silva
    terça-feira, 12 de abril de 2016 – 16:29 hs

    Parabéns aos Deputados, em especial ao Deputado Guto Silva pelo firme posicionamento!

  2. Zé Venancio
    terça-feira, 12 de abril de 2016 – 18:43 hs

    PRONTO!
    ESTÁ DADA A LICENÇA PARA O EXTERMÍNIO DE TÃO EXECRÁVEL RAÇA…
    HITLER NÃO PODERIA TER FEITO MELHOR!
    UM BOM PARTIDO, FORMADO SÓ POR GENTE JOVEM, SEM NENHUM REACIONÁRIO, ESTE DEM…

  3. agricultor
    terça-feira, 12 de abril de 2016 – 22:47 hs

    Em Nota oficial -Morte de trabalhadores rurais em Quedas do Iguacu-
    o Incra comenta que foram assassinados. Afirmacao incompetente e ex- temporânea a complicar a Policia Militar.

  4. Karamba
    quarta-feira, 13 de abril de 2016 – 9:35 hs

    Enquanto os integrantes do MST agirem como marginais (à margem da lei), serão tratados como tal. Carteirinha de sem terra não é colete a prova de balas. Os PM fizeram bem em mandar bala de volta nessa corja.

  5. Camila
    quarta-feira, 13 de abril de 2016 – 10:02 hs

    O que ninguém comenta é que a terra não é da Araupel… Então, como o MST pode ter invadido a área da Araupel???

  6. Zé Venancio
    quarta-feira, 13 de abril de 2016 – 11:14 hs

    De acordo com o colega aí de cima, MST é igual a praga em lavoura, erva daninha mesmo.
    Joga-se veneno, e mata-se, pronto resolvido!
    Agora então, com Temer e Cunha no poder então…
    Aí é que veremos a “pujança” da agricultura do Paraná sem a presença de pragas e roedores da safra, como o caso do MST.
    Melhor do que isto, só mesmo Auschwitz Birkenau, Sobibór, Treblinka, Flossenburg, etc.
    onde o pessoal “novo” e sem bronca com a justiça (KKKKK!) que vai assumir o país, pode eliminar a praga MST e tranquilizar os grileiros. . .

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*