Justiça Militar arquiva inquérito contra PMs por ação em protestos | Fábio Campana

Justiça Militar arquiva inquérito contra PMs por ação em protestos

da Folha de S. Paulo

A Justiça Militar do Paraná arquivou nesta terça-feira (22) um inquérito que apurava os supostos excessos cometidos por policiais militares durante um protesto de professores da rede pública estadual contra o governo Beto Richa (PSDB), em abril de 2015.

Os policiais estavam sendo investigados por suspeita de crime de lesão corporal e emprego abusivo de força durante a manifestação contra mudanças na previdência dos servidores em frente à Assembleia Legislativa.

A decisão foi dada após o promotor Misael Duarte Pimenta Neto, da Vara da Auditoria Militar em Curitiba, já ter solicitado o arquivamento do inquérito, em fevereiro, alegando que não havia elementos suficientes para individualizar a conduta dos policiais.

No despacho, o juiz Davi Pinto de Almeida lamentou o desfecho do caso, mas considerou que os agentes cumpriram seu dever ao impedir que os manifestantes invadissem a Assembleia, e que não há indícios de que eles tenham começado as agressões.


5 comentários

  1. quinta-feira, 24 de março de 2016 – 12:19 hs

    Só essa turminha tola e comunista de meia-tigela do sindicato da APP, que com certeza sob o argumento da derrocada que tiveram no protesto do ano passado no Centro Cívico irão se candidatar este ano a vereadores, prefeitos, etc, é que acreditava que elefante voa…

    Estava claro que perderiam essa disputa também perante a Justiça: a PM não deu início a ataque algum e a ninguém. Apenas estava lá cumprindo ordem, inclusive judicial do TJ, para não permitir a invasão da ALEP, como já haviam feito em fevereiro, deixando um prejuízo pra trás de mais de 56 mil reais,e que TODOS nós pagamos.

    Os bobinhos teleguiados do sindicato da APP foram se meter a corajosos, jogando grades de ferro e pedras nos bravos soldados, aí depois que se melecaram todos chegaram à conclusão que os policiais também são gente viva, que sofre, que tem dores igual a todos, e que tem reação, porque não iriam se manter como carneirinhos de presépio, apenas porque a turminha do mal tinha trazido para o protesto meia dúzia de professores vermelhos e alguns agitadores criminosos e contrabandistas (http://www.fabiocampana.com.br/2015/10/agitador-da-app-e-da-greve-dos-professores-e-preso-com-contrabando-de-armas-em-sao-paulo/).

    Na esfera judicial cível (esse julgamento aí é da justiça militar) o sindicato também vai ter de colocar o rabinho entre as pernas…

    Bebê eu bebo zim, mas num zô burro nem zego ô otário ic ic ic

  2. henry
    quinta-feira, 24 de março de 2016 – 12:46 hs

    FOI FEITO JUSTIÇA. QUEM DEVERIA SER PENALIZADO, SÃO OS corruPTos DO TAL SINDICATO: APpt sindicato

  3. Olho vivo
    quinta-feira, 24 de março de 2016 – 13:22 hs

    ENQUANTO NO PARANÁ SE FAZ JUSTIÇA,O TAL CHAVASCA DO STF AVACALHA COM ELA,ENVERGONHA O BRASIL PROTEGENDO BANDIDOS.

  4. Big Peter
    quinta-feira, 24 de março de 2016 – 15:08 hs

    Parabéns à Justiça Militar do PR. – Depois terão que ir atrás dos responsáveis pelos crimes cometidos contra o estado e a população, por aquele bando de comunistazinhos de boteco, cobrando-lhes ressarcimento dos prejuízos, e reparação pelos crimes cometidos.
    E a PM que se mexa, e busque também na justiça, reparos financeiros e morais contra a corporação, cometidos por essa canalha da AAPP.
    Cadeia é pouco pra essa gente.
    Ah, e não esqueçam também, do tal grupo RPC, que insuflou a massa o tempo todo, e até hoje refere-se à tentativa de invasão da Assembleia, como a “Guerra do Centro Civico”, tentando criar responsáveis dentro do governo estadual, e da PM. Vão pagar caro.

  5. Juca
    quinta-feira, 24 de março de 2016 – 16:35 hs

    Parabéns Promotor, Juiz e Polícia Militar!
    Polícia Militar que fez o serviço, Promotor que pediu o arquivamento e Juiz que arquivou o inquérito não cedendo à pressão vermelha, inclusive de certos setores garantistas e protecionistas do Ministério Público do Paraná!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*