Comandante do Exército prega respeito à Constituição | Fábio Campana

Comandante do Exército prega respeito à Constituição

exercito
Em mais uma edição do programa “Comandante responde”, do qual participa periodicamente no canal oficial do Exército no YouTube, o comandante da Força, general Eduardo Villas Bôas, abordou na quarta-feira a crise política brasileira. O general afirmou ainda que uma eventual atitude do Exército só ocorreria “absolutamente respaldada” pela Constituição e pelas leis complementares do país. Destacou ainda que a Força só tomará qualquer atitude se for acionada por um dos Três Poderes.

— Estamos vivendo e sofrendo as consequências desta crise que tem três componentes: político, econômico e ético e moral, e os três estão interligados. O Exército é uma instituição de Estado, e nos momentos de crise as instituições sólidas acabam se tornando referência para a sociedade como um todo. A ela miram e dela aguardam atitudes que sinalizem como sair da crise — disse Villas Bôas, que acrescentou:

— Contudo, nós vamos pautar nossa atuação em três pilares básicos. Contribuir para a manutenção da estabilidade, já que ela é condição essencial para que as instituições, em nome da sociedade, encontrem os caminhos que permitam sairmos desta crise séria que estamos vivendo. Segundo, é a legalidade: toda e qualquer atitude nossa será absolutamente respaldada no que os dispositivos legais estabelecem, desde a Constituição até as leis complementares, e sempre condicionada ao acionamento de um dos Poderes da República. E o terceiro aspecto é a legitimidade que nos é proporcionada pela credibilidade que a sociedade brasileira nos atribui.

O general fez uma análise otimista da situação, e disse acreditar que “é questão de tempo” para o Brasil sair da crise e voltar a crescer:

— Temos certeza de que o Brasil terá condições de reverter essa situação e reencontrar seu caminho de desenvolvimento. Temos que colocar como foco novamente a questão nacional. O Brasil tem que restabelecer a ideologia de desenvolvimento, porque o Brasil não tem outra alternativa que não se transformar num país forte — concluiu Villas Bôas.


4 comentários

  1. CRISTOVÃO
    sábado, 26 de março de 2016 – 8:54 hs

    Acreditava nas Forças Aramadas mas estou começando a desconfiar que também estão mais para o outro lado, só irão tomar atitude se um dos Três Poderes solicitar, como todos os poderes estão nas mãos dos PETRALAS a coisa já era, estão comprados também, OS BANDEIRAS VERDES AMARELAS SÃO PACTOS, enquanto os VERMELHOS apoiados pelo clero corrupto badernam e DESAFIAM AS FORÇAS ARMADAS , insinuando em fazer EXÉRCITOS, só o verdadeiro Deus, não o Deus inventado pelos homens poderão nos salvar

  2. JOHAN
    sábado, 26 de março de 2016 – 9:48 hs

    Caro FÁBIO, com muita coerência e tranquilidade o general afirmou que o EB defende a estabilidade, legalidade e legitimidade. Isso tranquiliza a nação brasileira, pois afirma que está sempre alerta na defesa da sociedade. O EB não pode permitir-se iludir e aceitar o engodo patrocinado por elementos ventriloquos, que desejam incendiar o país e colocar seus exércitos na rua contra os brasileiros, pensando apenas no seu próprio bem estar e manutenção do status quo. Isso é uma ignominia. Obrigado pela declaração e pela disposição em colocar o EB a favor da sociedade. Atenciosamente. ,

  3. Gerson Martins
    sábado, 26 de março de 2016 – 14:24 hs

    Senhores,

    No tempo que ainda tinha militares com aquilo…., essa situação de roubalheira já teria acabado e as coisas estariam no seu lugar, alias, cada um no seu devido lugar.

    Mas infelizmente estão com o pires na mão pedindo esmola para a Dilma.

    Que saudades do João Figueiredo, Geisel, Médici e outros de saco roxo.

  4. Olho vivo
    sábado, 26 de março de 2016 – 21:41 hs

    FROUXO E COVARDE,ENVERGONHA A FARDA QUE VESTE,ESSE VERME É PTRAIA DE CARTEIRINHA.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*