Quem Dilma convence? | Fábio Campana

Quem Dilma convence?

índice

Editorial, Estadão

Se não consegue convencer nem o ministro que escolheu para a área de que o “desafio maior” para a política fiscal é assegurar o equilíbrio financeiro da Previdência Social, será pouco provável que a presidente Dilma Rousseff convença os congressistas e a sociedade de que está genuinamente preocupada com a questão e poderá encaminhar soluções apropriadas. No mesmo dia em que a presidente afirmou que “a reforma da Previdência é uma questão do Estado brasileiro”, seu ministro do Trabalho e Previdência Social, Miguel Rossetto, disse ao Estado não ver urgência na mudança das regras da aposentadoria. A atitude do ministro alimenta a descrença cada vez mais ampla na competência administrativa e na capacidade de liderança da presidente para propor e conseguir implementar as medidas necessárias para o País começar a sair da crise.

No discurso que pronunciou há dias na abertura da sessão legislativa do Congresso Nacional, Dilma disse que o grande problema que o Brasil e vários países enfrentam para alcançar a estabilidade fiscal no longo prazo é encontrar meios que preservem “a sustentabilidade da Previdência Social em um contexto de envelhecimento da população”. Caso medidas preventivas não sejam tomadas desde já, o problema se tornará, de fato, muito grave, como mostram projeções demográficas do próprio governo para as próximas décadas. O custo de resolvê-­lo no futuro certamente será muito maior do que o de adotar paulatinamente as medidas corretivas.

De 2014 para 2015, o déficit da Previdência Social cresceu cerca de 40%, tendo alcançado R$ 89,2 bilhões no fim do ano passado. A crise contribuiu para o crescimento do rombo, pois provocou uma redução sensível no emprego formal, que exige o recolhimento da contribuição previdenciária tanto pelo empregado como pelo empregador. Mas isso é só parte da explicação.

No ano passado, as despesas com a Previdência Social e os benefícios assistenciais corresponderam a 44% dos gastos primários do governo. Esse porcentual aumentará exponencialmente, alertou Dilma, se as regras atuais não forem adaptadas às mudanças do padrão demográfico brasileiro. Hoje, há em média um trabalhador ativo para um aposentado. Em 2050, a população em idade ativa não será muito diferente da atual, mas a população com mais de 65 anos terá crescido três vezes. Assim, para cada pessoa em idade ativa haverá três inativos.

Pesquisadores preveem que, se nada for feito, em pouco mais de 20 anos o custo das aposentadorias pode alcançar até um quarto de tudo o que o País conseguir produzir. Essa fatia será o dobro da de 2012, já alta demais.

Para tentar conter o pessimismo gerado pela incompetência e pelo imobilismo político e administrativo de seu governo, a presidente agora fala em reforma previdenciária. O Ministério da Fazenda tem o esboço da reforma, que, entre outras medidas, contém a fixação de idade mínima de aposentadoria e a eliminação de diferenças nas regras para os benefícios concedidos a homens e mulheres, a trabalhadores privados e funcionários públicos, a trabalhadores urbanos e rurais.

Mas o ministro Miguel Rossetto não parece interessado no assunto. Ele diz que não se pode conduzir “um debate de médio e de longo prazos” a partir de “problemas conjunturais”, como o aumento do desemprego. O problema, porém, não é de natureza conjuntural, mas claramente estrutural. A conjuntura apenas tornou mais urgente a discussão de mudanças que evitem o agravamento do problema no futuro.

É até surpreendente que, em seu pronunciamento diante dos congressistas, Dilma tenha observado que a reforma se destina a proporcionar “maior justiça entre as gerações atual e futura” e propiciar “um horizonte de estabilidade ao País”, denotando raro resquício de visão de longo prazo. Seu ministro, porém, vinculado aos chamados movimentos sociais atrelados ao PT, só tem olhos para o presente, rejeitando tudo que possa desagradar a sua turma.


14 comentários

  1. Sergio Silvestre
    segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016 – 15:02 hs

    Faz tempo que nossa maior midia saiu do ramo de informação exata para ser mexeriiqueira.

  2. JOHAN
    segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016 – 16:22 hs

    Caro FÁBIO, o governo da presidente DILMA A PERDULÁRIA hoje é conduzido econômica e politicamente pelos ministro Berzoini e Rossetto. Esses 02 meliantes membros da ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA PETISTA lá da origem, estão na raiz da BANCOOP, de sua quebra com repasses de recursos para a central da ORGANIZAÇÃO. Agora participando ativamente da condução do projeto político da ORGANIZAÇÃO, será cada vez mais difícil o país sair da situação onde encontra-se, pois faz parte do objetivo o consumo das reservas do país, como ocorre na VENEZUELA, onde mesmo como grande produtor de petróleo, hoje é importador de combustível dos EUA. Como a presidente DILMA A PERDULÁRIA, é conhecida dentro do grupo como a gerentona, não é capaz de dirigir um bar de praia, que dizer da economia do país. Qualquer proposta de mudança, que reoriente o país para sair dessa situação, a ORGANIZAÇÃO, suas lideranças, Instituto LULLA ODEBRECHT, os partidos capachos PMDB, PP, PSOL, PCdo B, REDE SUCEDÂNEO, e demais serão votos contrários e nada será encaminhado, até a exaustão total das energias do país. O objetivo principal é a manutenção do “status quo” e o aparelhamento total do estado em andamento. Atenciosamente.

  3. zé povinho
    segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016 – 19:09 hs

    Realmente a crise baixou o topete da dra. Dilma, agora até o ministro do Trabalho e da Previdência Social não dão a mínima importância ao que a chefa pensa. Se fosse há alguns anos atrás o ministro em questão estaria levando puxão de orelhas em público. O que uma boa crise não faz.

  4. segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016 – 19:57 hs

    Isto é o que dar a presidência de uma Nação a uma pessoa analfabeta de pai e mãe para comandar um país. Escapamos dos nove dedos mas não escapamos dessa senhora. Luz no fundo ?Nem de farolete.

  5. Do Interior....
    segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016 – 21:10 hs

    A esquerda é formada de derrotados e incompetentes na vida. De alguma forma, não conseguiram ter sucesso e, por isso, o esquerdismo político vende ilusões futuras, nunca alcançadas.

    Destroem o presente para um futuro inexistente. E assim vão manipulando gente que os defende e em que neles votam, distribuindo benesses para manterem-se no poder.

    Quando, por fim, não conseguem se manter no voto, continuam com o discurso de “golpe” para, assim, justificar o emprego ditatorial e manterem-se no poder (vide Venezuela, Cuba, etc)

    O conselhão de Dilma, p.ex. foi um simulacro de um poder paralelo (como ocorreu na venezuela). Ninguém se atentou a isso.

    O PT deve sair do poder o quanto antes.

  6. CLOVIS PENA -Remoção de presos
    terça-feira, 9 de fevereiro de 2016 – 6:18 hs

    Recente remoção de presos, liberando espaços na carceragem de Santa Candida, causa diarreias e crises renais em investigados da lava jato…..

  7. FUI !!!
    terça-feira, 9 de fevereiro de 2016 – 6:20 hs

    A situação da Dilma é de uma pessoa que está Presidente e nada
    mais. Causou a burrada imensa e hoje ninguem mais acredita nesta
    anta. Precisa sair urgente.

  8. CLOVIS PENA -Por muito menos..
    terça-feira, 9 de fevereiro de 2016 – 10:06 hs

    Bastou uma gravação de um filho de um preso na lava jato e Delcidio Amaral foi e está preso.
    Ocorre que nas proximidades de frondosas araucárias vemos soltos, denunciados formalmente com provas testemunhais e outras mais.
    .
    Segredos que já não mais são segredos.

  9. JOHAN
    terça-feira, 9 de fevereiro de 2016 – 10:29 hs

    Caro FÁBIO, o CARNAVAL acabou. O BRASIL volta a funcionar. E por falar em funcionar o BRASIL está prestes a SOFRER um golpe INSTITUCIONAL patrocinado pelos SUPREMOS MINISTROS do STF. Os ditos cujos estão interferindo com tamanha vontade na CÂMARA FEDERAL que os infantes deputados calça-curta estão sendo desprestigiados a ponto de não mais poderem exercer suas atividades democráticas, ou seja eleger seus próprios representantes nas devidas comissões. Cada vez mais se faz necessário o IMPEACHMENT da DILMA A PERDULÁRIA, pois o Brasil é uma sociedade muito maior que essa reles representação que aí está presente. Atenciosamente.

  10. Sergio Silvestre
    quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016 – 12:14 hs

    Puxa vida ,acabou o carnaval e você JOHAN continua sendo um idiota,muda esse bolero de ravel para ficar suportável cara.

  11. Strapasson
    quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016 – 12:41 hs

    Você tem um repertório de assuntos muito diversificado, não é mesmo, Sergio Silvestre?

    Defender PT! Defender PT! Defender os “cumpanheros”. Ora, vai procurar o que fazer, cara!

    Quando o Lulla for preso, pede para o Moro deixar você ficar fazendo companhia para ele. Assim o Brasil se livra de dois delinquentes (não posso usar a palavra correta, será barrada!): Lulla como criminoso e você como cúmplice, porque o defende.

  12. Sergio Silvestre
    quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016 – 14:13 hs

    Strapasson,com 8 anos já fazia atalhos de matemática e deixava meus professores boquiabertos.,escrevo,faço poesias,e comento aqui e acola,o que me admira é a falta de imaginação e assunto de vocês,eu tenho uma frase que cabe bem pra voces assim”OS HUMANOS NASCEM 98%IDIOTAS E 2% SADICOS”eu sou um desses sadicos,por que me divirto muito com seus QIS abaixo da média.rsrsrsrs

  13. Strapasson
    quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016 – 18:24 hs

    Ok! SS você é o máximo. Máximo em defender ladrões, criminosos, bandidos de todas as laias… “Usa” seus “2% sádicos” para isto. Credo!

    Fique bem. Com a sua turma.

    A minha é outra: Sergio Moro, Deltan Dallagnhol, a PF da banda boa, procuradores da Lava Jato, etc, etc.

  14. SOLANGE LOPÉS
    quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016 – 23:15 hs

    Para resolver o problema da Previdencia Social, só falta a anta sentada decretar que todos os homens terão que fazer vasectomia e as mulheres em idade fértil fazer laqueadura.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*