Moody's rebaixa Brasil, que perde último 'selo de bom pagador' | Fábio Campana

Moody’s rebaixa Brasil, que perde último ‘selo
de bom pagador’

info - o globo

O Globo

RIO – A agência de classificação de risco Moody’s rebaixou nesta quarta-feira a nota de crédito do Brasil e retirou o grau de investimento do país, que perdeu o último “selo de bom pagador”. De uma só vez, a nota do país foi reduzida em dois degraus, passando de “Baa3” — último nível de grau de investimento — para “Ba2”. Com a decisão, o Brasil não conta mais com o aval de “bom pagador” de nenhuma das três principais agências de rating do mundo, já que Fitch e Standard & Poor’s já haviam tomado tal decisão no ano passado. A perspectiva da nota brasileira passou para negativa, indicando que pode haver novos cortes devido ao ambiente econômico e político desfavorável do país.

A decisão da Moody’s foi baseada na deterioração adicional dos indicadores de dívida do Brasil em um ambiente de baixo crescimento, com a dívida provavelmente excedendo 80% do Produto Interno Bruto (PIB) nos próximos três anos, e na “desafiadora dinâmica política, que continua dificultando os esforços de consolidação fiscal das autoridades e adiando reformas estruturais”.

A Moody’s havia colocado a nota do Brasil em revisão para rebaixamento no início de dezembro, alegando piora da trajetória fiscal e econômica e risco de paralisia política.

“Os acontecimentos macroeconômico e fiscal nos próximos anos devem produzir um perfil de crédito significativamente mais fraco. A dinâmica do crescimento vai permanecer fraca nos próximos anos aumentando a pressão sobre a política fiscal”, disse a Moody’s em comunicado.

O Ministério da Fazenda reagiu ao rebaixamento do Brasil pela agência de classificação de risco Moody’s por meio de uma nota em que afirma que está adotando medidas estruturais para reverter as incertezas do mercado em relação à trajetória da dívida pública e retomar a confiança dos agentes econômicos. Entre as ações, a Fazenda cita as propostas de reforma da Previdência, que será encaminhada ao Congresso até abril, e de fixação de um teto para os gastos públicos.

S&P e Fitch retiraram o grau de investimento do Brasil em 2015, sendo que a S&P voltou a cortar o rating brasileiro na quarta-feira passada, afastando o país ainda mais de seu “selo de bom pagador”. Com o corte do último dia 17, a nota de crédito da dívida do país passou de “BB+” para “BB”, com perspectiva negativa. O novo patamar, dois abaixo do grau de investimento, enquadrou o Brasil na mesma situação de países como Bolívia, Paraguai e Guatemala.

Segundo a Moody’s, a perspectiva negativa reflete a visão de que estão crescendo os riscos de uma recuperação ainda mais lenta, ou de que ocorram choques adicionais. Com isso, há incertezas sobre a magnitude da deterioração do perfil de dívida do Brasil.

‘CRESCIMENTO ANÊMICO’

A agência considera também que o progresso na consolidação fiscal será lento e que o crescimento econômico será anêmico nos próximos dois a três anos. O nível “Ba2”, afirma a Moody’s, incorpora a premissa de que o perfil de crédito se deteriorará nesse período.

“Já a a perspectiva negativa reflete a incerteza relacionada à interação entre política, economia e dinâmica financeira no Brasil e, em consequência, o potencial para materialização de choques adicionais, o que exerceria mais pressão negativa sobre o perfil de crédito soberano”, afirma a Moody’s.

A Moody’s também alerta que um novo corte pode ocorrer se a agência concluir que a deterioração nos indicadores fiscais e de dívida ultrapassarão seu cenário-base e que as autoridades brasileiras não serão capazes de alcançar a consolidação fiscal e encaminhar os desequilíbrios fiscais que impedem a reversão do aumento da dívida pública.

A agência considera que uma elevação da nota brasileira é “bastante improvável” no curto prazo devido à perspectiva negativa e à esperada deterioração nos indicadores de dívida. No entanto, reconhece que pressões positivas sobre o rating podem surgir se as autoridades forem capazes de ordenar os desequilíbrios estruturais que levaram a uma persistente deterioração fiscal e ao aumento da dívida soberana.

“Tal resultado provavelmente seria associado à aprovação de reformas estruturais para reduzir a rigidez orçamentária, indexação de receitas e crescimento obrigatório em várias categorias de despesas apesar do fraco desempenho da receita”, explica a agência.

A Moody’ diz ainda que a uma maior clareza sobre a possibilidade e a magnitude de passivos migrarem para o balanço patrimonial do país, mais provavelmente vindos da Petrobras, também poderia levá-la a estabilizar a perspectiva da nota do país.


8 comentários

  1. Sergio Silvestre
    quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016 – 13:02 hs

    Nossa o Brasil e a Solange perdeu o moods e o selo tudo num dia só rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsr

  2. Jair Pedro
    quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016 – 13:10 hs

    Tudo culpa das mentiras de FHC e das verdades incontestáveis da competentíssima Dilma e lula.

  3. Dionleno Silva
    quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016 – 14:01 hs

    We all live in Red Submarine, in Red Submarine.

  4. quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016 – 14:43 hs

    E vc.sergio, perdeu a vergonha na cara a muito tempo, nada que uma ripa de madeira não dê jeito !

  5. Cesar
    quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016 – 15:53 hs

    Tudo culpa dazelite internacional preconceituosa…

  6. Do Interior....
    quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016 – 16:42 hs

    SS. Não tem argumento … fica falando besteira…

  7. Juca
    quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016 – 17:07 hs

    O problema do SS Calça Frouxa são as cordas anais!

  8. quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016 – 15:11 hs

    Juca, acho que estão frouxas !

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*