Foz do Iguaçu terá centro integrado de segurança para atender a fronteira | Fábio Campana

Foz do Iguaçu terá centro integrado de segurança para atender a fronteira

índice

Na sexta-feira, 25, em Foz do Iguaçu, o secretário da Segurança Pública, Wagner Mesquita, e o prefeito Reni Pereira assinaram o protocolo de intenções que prevê a doação da segunda parte de um terreno da prefeitura, de quatro mil metros, para o Estado. A área será destinada para a construção do um Centro de Inteligência Integrado em Foz do Iguaçu.

“O objetivo é reunir forças de segurança dos municípios, do Estado e da União em prol do combate eficiente ao crime organizado”, disse o secretário. As agências de inteligência, principalmente de São Paulo e do Rio de Janeiro, serão convidadas. O centro vai funcionar 24 horas produzindo informações para o trabalho das polícias e terá gestão compartilhada com o governo federal.

Houve reuniões com a Secretaria Nacional de Segurança Pública para elaboração de um projeto para a obra. Com a assinatura do protocolo, a cessão do terreno terá de ser aprovada pela Câmara de Vereadores de Foz, para em seguida iniciar o projeto da obra. A construção deve ser feita por meio de uma PPP.

O prefeito Reni Pereira afirmou que vai encaminhar a proposta para os vereadores no início de março e que pedirá urgência na tramitação. “A partir do momento em que o imóvel estiver sob o poder da Secretaria da Segurança ela poderá apresentar o projeto de implantação do Centro de Inteligência Integrado”, disse o prefeito.

“O Brasil não tem nenhum centro integrado para que as agências policiais possam trabalhar de maneira integrada e coordenada, a exemplo dos países de primeiro mundo. Com o governo federal, vamos instituir aqui no Paraná este centro e teremos resultados imediatos tanto na área de inteligência como de operações”, disse Wagner Mesquita.

O projeto do centro prevê auditório, heliponto, alojamento, estacionamento e salas para setores de inteligência interagências, de situação para análise conjunta e consultas e auxílio para investigações, para condução de investigações policiais com medidas de quebra de sigilo (salas de análise), laboratório de análise de crimes de lavagem de dinheiro, núcleo de operações e núcleo de informática e tecnologia.

Também participaram do encontro, o subcomandante-geral da PM, coronel Arildo Luis Dias; o delegado-chefe da Divisão Policial do Interior (DPI), Valmir Soccio; o delegado da 6ª Subdivisão Policial de Foz do Iguaçu, Alexandre Macorin; o diretor-geral da Itaipu Binacional, Jorge Samek; o general de Brigada Paulo Roberto de Oliveira; o chefe da Casa Militar, coronel Adilson Castilho.


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*