Em Curitiba, vereadores querem aumento salarial | Fábio Campana

Em Curitiba, vereadores querem aumento salarial

camara-curitiba

A Câmara de Vereadores de Curitiba retomou ontem os trabalhos em um ano decisivo, em que a maioria dos vereadores vai buscar a reeleição para o cargo. E ao mesmo tempo, terão ainda a missão de definir os salários dos que serão eleitos em outubro, e tomam posse em fevereiro de 2017. Tarefa essa que deve suscitar muita polêmica, já que ocorre em um momento de grave crise política e econômica, e de pressão popular pelo corte de gastos nos legislativos. As informações são de Ivan Santos no Bem Paraná.

Por lei, cabe aos vereadores definirem, no último ano de mandato, os vencimentos dos parlamentares eleitos para a legislatura seguinte. Pelo regimento interno, o valor deve ser fixado até 60 dias antes das eleições municipais, pela mesa diretora da Casa. Se depender dos discursos da cúpula, no primeiro dia de sessão, ontem, o aumento se limitará à reposição das perdas inflacionárias. O último reajuste aconteceu em abril do ano passado, e foi de 6,54%, elevando os salários dos parlamentares da Capital de R$ 14.226,30 para RS 15.156,70 mensais.

Considerando que a inflação acumulada medida pelo IPCA/IBGE de maio a dezembro de 2015 foi de 5,7%, e que as projeções dos economistas para a inflação de 2016 sejam de cerca de 7%, o reajuste dos salários dos futuros vereadores ficaria em cerca de 12,7%. Caso isso se confirme, os salários dos vereadores curitibanos subiria para pouco menos de R$ 17 mil mensais.

“A expectativa é de que apenas ocorram a correção da inflação. Não se aumenta e não se diminui”, garatiu ontem o presidente da Câmara, vereador Aílton Araújo (PSC). “A principio não terá aumento algum, apenas a correção da inflação”, reforçou o líder da bancada do prefeito Gustavo Fruet (PDT), vereador Paulo Salamuni (PV).

Os discursos cautelosos são motivados pela conjuntura desfavorável para qualquer aumento acima do mínimo previsto em lei. E maio do ano passado, o vereador Chico do Uberaba (PMN) causou polêmica ao afirmar, em discurso na tribuna da Casa, que os parlamentares “pagavam para trabalhar”. Diante da repercussão negativa das declarações, Uberaba voltou atrás e pediu desculpas, alegando ter sido mal interpretado.

Pouco tempo depois, movimentos populares se espalharam pelo Paraná, atingindo 28 municípios, exigindo a redução dos salários dos vereadores. A onda começou em julho, em Santo Antonio da Platina (Norte Pioneiro), onde a pressão dos eleitores não só reverteu a aprovação de um projeto que dobrava os salários dos parlamentares da cidade, elevando-os de R$ 3,5 mil para R$ 7,5 mil, como ainda viabilizou a redução para R$ 970 a partir de 2017.

A mobilização também atingiu Curitiba, onde atos organizados pelas redes sociais cobraram a redução dos salários dos parlamentares da Capital para R$ 1,5 mil – o equivalente ao salário de um professor municipal.

Décimo-terceiro

Em novembro, a direção da Casa entrou na Justiça para que os parlamentares passem a ter direito também ao décimo-terceiro salário. O pagamento do benefício foi determinado pelo Legislativo da Capital, em 2013, a partir de uma lei aprovada em 2011, mas o Tribunal de Contas suspendeu a decisão. A Câmara alega que deputados estaduais, federais e senadores recebem o benefício.


8 comentários

  1. FUI !!!
    terça-feira, 2 de fevereiro de 2016 – 14:42 hs

    Os vereadores precisam antes de mais nada demonstrar serviço
    à população. Já ganham demais para não fazerem nada !!!

  2. Politicamente incorreto
    terça-feira, 2 de fevereiro de 2016 – 15:42 hs

    Vamos ser sinceros! A cidade não precisa de vereadores para funcionar….faça-me o favor….

  3. TADEU ROCHA
    terça-feira, 2 de fevereiro de 2016 – 16:12 hs

    agora seu PASTOR, ontem queria saber do prefeito sobre aumento das tarifas, hoje já quer aumento de salário, que vergonha em vereador.

  4. zé povinho
    terça-feira, 2 de fevereiro de 2016 – 19:20 hs

    Pedir e reivindicar não é pecado, pecado é se reajustar do jeito que eles querem, aí sim é pecado.

  5. Alarico Borges
    terça-feira, 2 de fevereiro de 2016 – 21:18 hs

    Até Eu que sou mais bobinho quero aumentar meu $$$$$$.esses canalhas só gastam!

  6. rodrigues
    terça-feira, 2 de fevereiro de 2016 – 23:38 hs

    São um bando de picaretas, que só pensam em si, diante de uma crise monumental de credibilidade.

  7. José Moreira Pacheco
    quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016 – 11:02 hs

    Na matéria publicada, tive a impressão que o autor defende o aumento. Ora ora, vocês não acham que os vereadores já ganham muito para defender propostas sem nenhum benefício público? Dar nome de rua, mudança de nome, isso é coisa primária. O salário dessa classe deve ser REDUZIDO a bem da prestação do serviço público, da população, da transparência, da ética e moral. Se pensam estar ganhando pouco desiste da função, tenho certeza que não vai faltar pessoas dignas para executar tal função e, melhor, sem ganhar um centavo.

  8. ESQUESITO
    quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016 – 11:38 hs

    SALÁRIO MÍNIMO PARA ELES.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*