Traiano participa da reunião de Beto Richa com secretários | Fábio Campana

Traiano participa da reunião de Beto Richa com secretários


O presidente da Assembleia, deputado Ademar Traiano (PSDB), participou hoje (7) da reunião do governador Beto Richa com o secretariado no Palácio Iguaçu. O encontro, que reuniu todos os secretários e presidentes de empresas públicas do Estado, serviu para anunciar uma série de medidas importantes e deixou clara a boa situação financeira do Paraná com relação a outros Estados que se encontram em graves dificuldades.

Segundo Traiano, a situação diferenciada do nosso Estado “deve muito a ação da Assembleia, que aprovou – no início do ano – importantes medidas de ajuste fiscal”. Graças a elas, segundo o deputado, enquanto boa parte dos governos estaduais “tem dificuldades para honrar a folha de pagamentos o Paraná pode antecipar o décimo terceiro no final do ano e garantir um aumento de 10,8% agora em janeiro”.

Os salários dos servidores estaduais terão reajuste de cerca de 10,8%, a ser pago já na folha de janeiro. O ajuste é feito com base no acumulado do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2015. Além disso, em outubro do ano passado, o governo pagou reajuste de 3,45%. O ajuste foi confirmado pelo governador Beto Richa, durante reunião com o secretariado nesta quinta-feira (7), no Palácio Iguaçu, em Curitiba.

O orçamento estadual para 2016 prevê R$ 21,2 bilhões em despesas com pessoal e encargos, o que representa um aumento de 11% em relação ao aplicado no ano anterior. São R$ 2,1 bilhões a mais do que o gasto com pessoal em 2015. O aumento se deve aos reajustes salariais concedidos pelo governador Beto Richa, além de novas contratações para áreas prioritárias, como educação, segurança e saúde.

O governador Beto Richa afirmou ainda, que o orçamento do governo estadual para 2016 será aberto pela primeira vez já no dia 11 de janeiro. A medida, que é inédita, é reflexo do ajuste fiscal feito pelo Governo do Estado para preparar o Paraná para enfrentar a crise econômica nacional. Antes, os governos iniciavam a execução orçamentária no final de fevereiro ou começo de março, o que comprometia o exercício financeiro estadual.


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*