Richa retoma obras na segurança | Fábio Campana

Richa retoma obras na segurança

Novos IML’s, delegacias e presídios e a contratação de novos policiais reforçam a segurança no Paraná

A nova sede do Instituto Médico-Legal de Maringá, investimento mais recente do governador Beto Richa na segurança pública, marca a série de obras que será retomada em 2016. A nova unidade que vai atender 27 cidades custou mais de R$ 4 milhões. “Esta é mais uma ação em prol da segurança do Paraná que será favorecida na parte de infraestrutura com projetos de obras de construção e ampliação de 20 presídios. E que já recebeu neste ano uma delegacia especializada no combate de furtos e roubos de cargas”, disse Richa.

“É um investimento alto. O trabalho do IML é de instrução dos procedimentos criminais e muito importante. Vamos ter um retorno direto tanto no atendimento da população quanto na qualidade de trabalho da Polícia Científica e da Polícia Civil”, disse o secretário de Segurança, Wagner Mesquita.

Os investimentos para a área são inúmeros. Somente em 2015 foi anunciada a criação do Batalhão da Polícia Militar de Telêmaco Borba, a abertura de 100 vagas para o curso de formação de oficiais e a ativação do centro integrado de comando e controle do Paraná que passa a ser utilizado como ferramenta policial 24 horas.

Mesquita também comentou sobre as ações iniciadas em 2015 e que vão contribuir para conter o problema de superlotação carcerária nas delegacias de polícia. “Temos algumas propostas de convênio com o governo federal para construção e reforma de 20 unidades prisionais, um projeto de mais de R$ 110 milhões, e que propiciaria a abertura de cerca de sete mil vagas no sistema penitenciário. Com a finalização dessas obras não haverá superlotação tanto no regime fechado quanto no semiaberto”, disse.

Obras – As obras de duas delegacias cidadãs já foram iniciadas. As unidades, instaladas em Matinhos no litoral e em Pinhais na região metropolitana de Curitiba, fazem parte do programa Paraná Seguro. Outras duas obras já foram contratadas: as delegacias cidadãs de Fazenda Rio Grande (RMC) e de Guaratuba no litoral. O governo pretende iniciar outras 13 obras de delegacias cidadãs até o final do ano.

Além das delegacias, foram iniciadas as obras da ampliação da penitenciária industrial de Cascavel e a construção da cadeia pública e do centro de integração social de Campo Mourão e dos novos IML’s de Curitiba e de Londrina.

Mais policiais – Ainda no final de dezembro, Richa autorizou a convocação de mais 2.895 policias aprovados em concurso público. São 2.222 policiais militares, 609 bombeiros militares e 64 delegados de polícia. Com as novas contratações, o Estado supera a meta inicial de contratação de 10 mil homens para reforçar a segurança pública do Paraná. Em cinco anos de governo, foram contratados 7.505 policiais – 5.809 militares e 1.696 civis – uma média de 1.501 contratações por ano. Outros concursos que estão sendo estudados para as carreiras de papiloscopista e de escrivão na Polícia Civil.

“Com a contratação dos novos delegados de polícia vamos recompor as delegacias da mulher e aquelas comarcas que acabam estando sem delegados por conta de aposentadorias que aconteceram nesse período”, disse Mesquita.

Houve reforço ainda com aquisição de 1,4 mil viaturas para as polícias Civil, Militar e Científica. Além disso, mais 100 motocicletas foram adquiridas para a Polícia Militar. O investimento é de mais de R$ 4,6 milhões. Junto com as motocicletas foram comprados 100 radiocomunicadores modelo HT e 200 capacetes.

Novos batalhões da PM
foram criados no Paraná

O governador Beto Richa também se preocupou em dotar a Polícia Militar de uma boa estrutura de trabalho ao criar novos batalhões e companhias por todo o Paraná. Em julho de 2012, por exemplo, foi criado o Batalhão de Polícia de Fronteira em Marechal Cândido Rondon. A unidade recebeu, pouco tempo depois, o reforço com outras duas companhias: em Guaíra e em Santo Antonio do Sudoeste. Além das companhias, o batalhão recebeu um pelotão anfíbio, grupo qualificado junto à Marinha e que faz o policiamento aquático.

Foram inaugurados o novo posto de Polícia Militar Rodoviária em Floresta, no Noroeste, a 5ª companhia de Cianorte e instalado o 25º Batalhão da Polícia Militar em Umuarama.

A primeira escola de formação de praças do interior foi implantada em Maringá, onde também foi instalada uma delegacia de homicídios. Outras cidades também receberam as delegacias de homicídios: Cascavel e Londrina, que também contou com o reforço no policiamento após a instalação do 2º comando regional da Polícia Militar e da corregedoria da PM. Mais duas subdivisões policiais foram criadas em Cianorte e Arapongas.

Em abril de 2014, Richa entregou o novo IML de Paranaguá. No mesmo ano foi retomado o projeto dos módulos policiais, com a aquisição de 100 módulos, que estão reforçando o policiamento em todo o Estado.

Inteligência reduz
crimes no Estado

O governador Beto Richa também reforçou o Departamento de Inteligência do Paraná (Diep). Em 2015, foi triplicado o número de profissionais na unidade que combate, prioritariamente, roubos a caixas eletrônicos, facções criminosas e desvios de conduta de policiais, paralelo a um trabalho específico desenvolvido na região de fronteira.

O grupo é uma das equipes que também trabalha no centro de comando e controle do Paraná, estrutura que permite videomonitoramento por meio da interligação com câmeras de segurança públicas e privadas. São 2 mil câmeras públicas que já estão integradas e que, por meio de profissionais operadores de inteligência, auxiliam em tempo real o policial que estiver atendendo uma ocorrência.

Em meio ao planejamento da Segurança Pública também está prevista a construção do Centro de Inteligência e Operações de Fronteira em Foz do Iguaçu, para trabalho conjunto com forças policiais de outros estados e instituições parceiras.

Com o fortalecimento do setor de inteligência foi possível também intensificar as megaoperações policiais, que resultaram nas prisões de quadrilhas que agiam na explosão de caixas eletrônicos e no tráfico de drogas.

O resultado deste trabalho culminou com a queda de 16% nos registros de explosões de caídas eletrônicos se comparado 2015 com 2014. Somente em 2015 foram contabilizados 172 casos em todo o Paraná, contra 204 do ano anterior. Já na capital do Estado a redução foi de 48% (44 ocorrências em 2014 e 23 em 2015).


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*