Quem manda na tarifa de ônibus de Curitiba são os empresários, diz Denian | Fábio Campana

Quem manda na tarifa de ônibus de Curitiba são os empresários, diz Denian

O jornalista Denian Couto disse nesta terça-feira, 19, em seu comentário na RICTV, que o prefeito Gustavo Fruet (PDT) ficou refém das empresas de transporte público em Curitiba e que, na verdade, quem manda no preço da tarifa do ônibus são os empresários do setor.


10 comentários

  1. toninho
    quarta-feira, 20 de janeiro de 2016 – 16:42 hs

    Todos os ex-prefeitos também sempre foram reféns. Alguma coisa poderia ter sido feita quando da última licitação. Os contratos estão em andamento e imagino que não se tenha muito a fazer.

  2. Doutor Prolegômeno
    quarta-feira, 20 de janeiro de 2016 – 16:56 hs

    Alguém duvida disso? Sempre foram os empresários e sempre serão. Bravatas requianescas e semelhantes são conversa mole pra boi dormir.

  3. Cesar
    quarta-feira, 20 de janeiro de 2016 – 17:06 hs

    Se minha memória não estiver falha,lembro-me de que,na ocasião da campanha,o Fruet prometeu “Abrir a caixa-preta da URBS”.Os eleitores dele ainda aguardam a abertura dessa caixa de Pandora…

  4. quarta-feira, 20 de janeiro de 2016 – 18:49 hs

    Ora bolas , se tenho uma empresa que está dando só prejuízos, eu fecho ela ou a vendo ela.Perguntem a estes senhores proprietário das empresas de transporte coletivo se desejam vender as mesmas.Com certeza não irãovender as galinhas botam ovos de ouro, e continuam a mesma tática de por em confronto os sindicatos e a prefeitura, colhendo como resultado o aumento dos preços das passagens. Vagabundossssss.

  5. zé povinho
    quarta-feira, 20 de janeiro de 2016 – 19:30 hs

    De onde será que o comentarista tirou tal conclusão? O cara só poder ser um gênio. Que tal lançar este cara a prefeito?

  6. Luiz Eduardo
    quarta-feira, 20 de janeiro de 2016 – 22:28 hs

    É jogo sujo e quem toma no…….é o povo. O que falta é abrir a caixa preta da URBS e das empresas. Quem fará isto?

  7. Olmir Antonio de Oliveira
    quinta-feira, 21 de janeiro de 2016 – 8:02 hs

    Quais são os fatos, os custos dos combustiveis e dos insumos, salarios e encargos que absovem quase a metade do valor da tarifa, dos equipamentos e atualização contábil, custo de concessões e atualização e ou remuneração segundo indíces de referência e ou equivalente, percentual estabelecido a titulo de lucro e ou adminstração empresarial, e o percentual estabelecido do serviço de administração do sistema gestor público. Custos presumiveis e até evitaveis são custos por danos vandalismo, e mesmo de dias horaras paradas, falta de geração de receita, até manobras e ou pedidos e ou exigências de uso e ou apropriação dos direitos dos trabalhadores que podem, e no caso de curitiba já fizeram muito disso até auxiliado e ou de boa fé e ou não com a ajuda da mídia, isso também são custos, Qualquer outra coisa é considerada como roubo, pagamento de propina, suborno, estelionato, trambique, evasão de receita até mesmo aos dos que burlam a cobrança, inclusive não se pode aceitar corporativismo enem mesmo interferência partidária até mesmo como de ação socialista e ou comunista, como de exemplo danoso ao direito do consumidor, onde colaboradores do serviço contratado, operadores dos equipamentos, de idéia e ou razão e direito desconhecidos, passarem a se entitular donos, e pior desconsiderando direitos do usuário quanto ao valor da tarifa e ter que aceitar menospreso de direito diretos e de conhecimentos estabelecidos públicamente, ou seja no caso se dizendo e ou sendo de determido gueto e ou localidade se sentido e passado a fazer constrangimento, isso de fato é só falta de ética profissional e desrespeito ao contrato de trabalho.
    Se tudo tem custo, não existe almoço grátis, o setor patonal quem que cumprir o pagamento e nas datas estabelecidas, se existe erro do sistema, por exemplo quanto a comprovação dos valores arrecadados e ou distribuição entre os participantes é uma coisa, seguramente manobras e coisas de mandaques, para fazer sumir e ou aparecer os recursos do caixa das empresas não faz parte e não devem ser incentivados, de nem uma maneira, por exemplo socialismo e ou comunismo, politicagem. Curitiba já teve diversas experiências, até mesmo a que os usuários pagaram a mais para o agente administrador público compra-se equipamentos, e contratar o administrador e pagador dos colaboradores e tudo virou patrimônio do administrador público e mico os usúários até mesmo ter que aturar periudo hiper longo com equipamento incompativeis, sucateados, se assemelhanto ao transporte de sui… . O fato é se precisa ter padrão de dignidade e respeito aos usuários, quer seja pagantes diretos, e ou por via dos descontos em seus direitos trabalhistas, mas nada impedi que empresarios, de qualquer que seja a sua atividade fim, ofereça o direito de acesso ao sistema e pague integralmente pelo custo, compre esse direito, arque pela ação. Onde esta a lógica e razão, custo é custo, atrazos de pagamento podem gerar custos e transtornos, assim como o usúário, pagador e ou de direito não podem sofrer com greves, custos extras e ou transtornos. Tudo faz parte é do direito, até expor, dizer, reclamar, mas seguramente nada pode e ou deve ser feito a força, nem a greve e nem mesmo ser negado o pagamento dos direitos entre os quais aos dos colaboradores, mas a respeito de país de muitas precariedade e até falta de ética e racionalidade onde temos inflação e custos da gerador, o sistema é que se faça essa reparação, mas se a conciência nos permitir pode se fazer melhorias do sistema como um todo e mesmo até estabelecer benefício e melhorias reais da remuneração,mas histórico do país mostra que isso, segundo os indicares e diversas moedas de comparação isso só tem ocorrido por periudos muito curtos, o nosso, do podo, má afamado jeitinho e a politicagem, e essas não são poucas entre as quais as dos sindicalistas,invariavelmente tem devorado e danado sempre as conquistas. Continuamos nadando contra a maré e sempre morrendo na praia.

  8. quinta-feira, 21 de janeiro de 2016 – 9:53 hs

    O caro jornalista não está dizendo mais do que a verdade. Não é só na cidade de Curitiba, mas em todas as outras do Brasil que os empresários mandam e sempre mandaram nos preços. Parece que ninguém entende de planilha que tem que ser elaborado, para, daí sim, ter o preço da passagem calculada. Isso é um problema crônico das Prefeituras. Existem cidades, na maioria delas, que as empresas dão propinas para o gestor público, e também para suas campanhas. Portanto, sempre esperando a recompensa, o AUMENTO DA PASSAGEM.

  9. SYLVIO SEBASTIANI
    quinta-feira, 21 de janeiro de 2016 – 9:54 hs

    Deniam descobriu tudo! Parabéns!
    Quem mandava era o Jaime Lerner, que criou o Sindicato dos proprietários das Empresas de Onibus., para estes mandarem, mas com ele.Isso nos anos 70/80/90 e por ai em diante..

  10. Carlinhos
    quinta-feira, 21 de janeiro de 2016 – 15:18 hs

    Ele falando e um burro obrando é a mesma coisa.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*