Com Francischini, Solidariedade leva impeachment a TV | Fábio Campana

Com Francischini, Solidariedade leva impeachment a TV

índice

O primeiro programa partidário que vai ao ar em fevereiro, mês de retorno do recesso legislativo, vai abordar com força total o impeachment da presidente Dilma Rousseff, seguindo justamente a estratégia da oposição de reforçar o tema no período. As informações são da Folhapress.

Em seus 10 minutos de rádio e televisão, o Solidariedade, um dos partidos de maior apoio à causa, vai tratar das chamadas pedaladas fiscais e dos decretos orçamentários, que serviram de justificativa ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para deflagrar a abertura do processo em dezembro do ano passado.

A propaganda também vai abordar a compra da refinaria da Pasadena, no Texas (EUA), estopim daOperação Lava Jato. Os discursos serão reforçados pelos principais nomes do partido como os deputados Paulinho da Força (SP), o novo líder da bancada na Câmara, Genecias Noronha (CE) e o secretário de Comunicação, Fernando Francischini (PR).

Três semanas após os ataques do SD, será a vez do PT, que terá seus 10 minutos de TV e rádio. Na semana seguinte, a vez é do PMDB, em 25 de fevereiro.

Congresso

Após o STF (Supremo Tribunal Federal) derrubar o rito do impeachment que havia sido imposto pelo presidente da Câmara, os defensores da saída da petista traçaram a seguinte estratégia: deixá-la sangrar ao longo do recesso e retornar em fevereiro, mês de maiores gastos para os brasileiros, com pagamento de IPVA, IPTU, compra de material escolar, com o assunto ainda em alta.

Embora os parlamentares retornem do recesso em 2 de fevereiro, os trabalhos no Congresso só devem ter início de fato na terceira semana de fevereiro, uma vez que o feriado de carnaval já é na segunda semana e é costume dos parlamentares emendar essa data.

Além disso, com a indefinição alegada por Cunha e aliados a partir da decisão do STF de que seria impossível eleger presidência das demais comissões com a proibição de fazer uma eleição para a comissão especial do impeachment, a oposição fez uma promessa de obstrução dos trabalhos. Isso deve atrasar ainda mais o início de fato do ano legislativo na Câmara dos Deputados em 2016.


3 comentários

  1. viking
    sábado, 16 de janeiro de 2016 – 12:47 hs

    O NERSO DA CAPITINGA TA QUERENDO SE APARECER, patético!

  2. antonio
    sábado, 16 de janeiro de 2016 – 13:07 hs

    Desse partido é só isso que se espera. Não tem nenhum interesse pelo País, mas somente para os seus membros, Presidido pelo Paulinho da Força, um marginal que está sendo processado por desvios de recursos do FGTS enquanto ministro. Movidos apenas pelo ódio e vingança. Não que eu defenda o Governo Dilma, mas aí é o caso do sujo falando do mal lavado.

  3. jk
    domingo, 17 de janeiro de 2016 – 19:33 hs

    Esse partido SD apoia o Cunha e se o cunha cair vão ficar orfãos sem proteção, esse é o motivo de desviar o foco do Cunha para tentar se manter no poder.
    Acorda povo e ve se aprende e não votem mais nesse tipo de politico.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*