Falta 'racionalização de gastos' para equilibrar corte na PF | Fábio Campana

Falta ‘racionalização de gastos’ para equilibrar corte na PF

Fenapef disse que é possível administrar corte de R$ 133 mi no orçamento.
Para dirigentes da entidade, há falta de gestores capacitados dentro da PF.

Filipe MatosoDo G1, em Brasília

A Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), entidade que representa os agentes da corporação, afirmou nesta terça-feira (5), por meio de nota divulgada pela assessoria da entidade, que o corte de R$ 133 milhões no orçamento da Polícia Federal para o ano de 2016 pode ser administrado internamente com medidas de gestão, como “racionalização de gastos” e “eliminação da burocracia”.

O comunicado diverge da nota divulgada na semana passada pela Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF), que acusou o governo federal de estar promovendo o “desmonte” da corporação com o corte orçamentário.

O corte no orçamento da PF ocorreu em dezembro, quando o Congresso Nacional aprovou o Orçamento da União para 2016.

“Para o presidente da federação Luís Antônio Boudens, não é necessária a autonomia financeira e orçamentária da Polícia Federal para manter a efetividade das operações, mas sim a racionalização de gastos e a eliminação da enorme burocracia”, ressaltou a Fenapef no comunicado divulgado à imprensa.

Na carta enviada na última semana ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, 28 delegados federais associados à ADPF afirmaram que os cortes no orçamento da Polícia Federal irão gerar a diminuição de investigações e “grave e nítido” desmonte da corporação.

O Ministério da Justiça classificou de “injusta e absurda” a carta da ADPF. Em comunicado divulgado na última quarta (30), a pasta afirmou que, ao contrário das alegações da entidade dos delegados, “dados demonstram que, nos últimos anos, ocorreu o fortalecimento da Polícia Federal”, com aumento do orçamento total da instituição em mais de 43% desde 2003.

Nesta segunda (4), o Ministério da Justiça informou ao G1 que negocia com o Ministério do Planejamento a liberação de créditos suplementares para repor o corte de R$ 133 milhões no orçamento da Polícia Federal em 2016.

Diárias
Na nota divulgada nesta terça, a Fenapef usa como exemplo de mau uso do dinheiro da Polícia Federal a compra, em 2012, de um Veículo Aéreo Não Tripulado (Vant) por R$ 24,6 milhões. A entidade alega que o equipamento tem sido “subutilizado e não justifica o alto investimento”.

A federação alega ainda ter informações que comprovam “milhões gastos todo ano com diária e remoções cruzadas, despesa que eles afirmam que tem grande impacto no custeio da instituição. Além disso, a entidade reclama de defasagem nos salários da categoria.

“A Fenapef foi a primeira instituição a denunciar o sucateamento da Polícia Federal, que começou não com o corte de orçamento, mas sim nos salários da categoria.”

Segundo o presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais, os agentes da categoria recebem metade do salário pago a outros cargos que recebiam a mesma remuneração.

“Uma clara demonstração de desvalorização dos cargos que efetivamente atuam nas investigações da Polícia Federal. […] Esse exemplo demonstra a “falta de gestores capacitados dentro da PF”, diz trecho do comunicado da Fenapef.


Um comentário

  1. Moisés Fróes
    terça-feira, 5 de janeiro de 2016 – 23:10 hs

    Essa Fenapef, deve estar aparelhada, para soltar uma nota dessa defendendo os corruptos do PT.
    Os corruptos do PT conseguiram ‘aparelhar’ todos os setores do governo federal, inclusive STF,STJ, TJ’s, TSE, CGU, AGU, ABIN, TRF’is.
    Aqui, no Brasil, não é a Venezuela (está mudando), Bolívia, Equador, Cuba e outros de esquerda, Argentina já mudou..
    MUDA BRASIL!!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*