Sem razão para confiar em Nelson Barbosa | Fábio Campana

Sem razão para confiar em Nelson Barbosa

nesson_barbosa_posse

Ricardo Noblat

Um ministro da Fazenda capaz de deixar felizes com a sua escolha a presidente Dilma, o ex-presidente Lula e o PT jamais ganhará a confiança de banqueiros e empresários. A não ser que Dilma, Lula e o PT renunciassem publicamente às ideias econômicas responsáveis pela crise que empurrou o país ladeira a baixo.

Foi por isso que a Bolsa de Valores caiu e o dólar subiu com o anúncio feito na última sexta-feira do nome de Nelson Barbosa para o lugar de Joaquim Levy no Ministério da Fazenda. A Bolsa voltou a cair e o dólar subiu outra vez enquanto Barbosa, ontem, tomava posse do seu novo cargo. Para completar, ele cometeu uma frase que aumentou a desconfiança geral:

– A direção da política econômica será a mesma.

Ora, se será a mesma porque Levy saiu e ele entrou?

Levy não saiu por motivos particulares, embora os estivesse de sobra. Saiu porque não conseguiu fazer o que pretendia – o ajuste fiscal do tamanho necessário para pôr as contas públicas em ordem, domar a inflação e resgatar a confiança dos investidores.

Não conseguiu fazer porque acabou sabotado dentro do governo, inclusive pelo próprio Barbosa que pensa diferente dele e que ambicionava seu lugar.

Há mais de três meses que Lula cobrava de Dilma a demissão de Levy. Chegou ao ponto de decretar que o prazo de validade dele expirara. Foi seguido pelo PT, docilmente, e pelos demais partidos de esquerda. Por fim, Lula venceu a parada.

A vitória foi saudada assim pelo líder do governo na Câmara, o deputado José Guimarães (PT-CE):

– Eu defendo que a Fazenda tem que liberar empréstimos para os estados. Vários estados estão precisando. Aumentar um pouquinho [a dívida], não tem problema não. Eles têm margem de endividamento. Se reaquece a economia estadual, reaquece a nacional também. Não pode mais ficar esse casulo de segurar, segurar. Já segurou demais.

Menos ajuste fiscal e mais crédito para o consumo. Menos mercado e mais Estado. Assim deverá ser.


6 comentários

  1. Moisés Fróes
    terça-feira, 22 de dezembro de 2015 – 20:59 hs

    Como confiar?
    Essa caterva mais o Lula e o Mantega, foram os que causaram atual situação péssima do Brasil, ninguém confia.
    É da atual situação para o ‘VOLUME MORTO’ do abismo.

  2. Sergio Silvestre
    quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 – 9:35 hs

    Eles tem o caminho do aeroporto,e ai vamos ser financiados pela China que tem dinheiro para dedeu.
    Quanto as bolsas de valores,até hoje não entendi como um amigo meu que nunca trabalhou vive especulando na bolsa e consegue ganhar um bom dinheiro para sobreviver.
    Se ele tivesse um emprego produtivo era mais dois braços para alavancar o Pais,mas já que existe bolsa de valores vamos especular,

  3. Doutor Prolegômeno
    quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 – 10:22 hs

    Se é bom para o PT é péssimo para país.

  4. PEDROCA DO SUDOESTE
    quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 – 10:52 hs

    Com uma confiança dessas,chegaremos ao dólar nas nuvens logo,logo.A inflação continuando a subir ,e ai vai…Governinho,cada dia mais perdido que nem cego em tiroteio………

  5. Cesar
    quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 – 10:53 hs

    Os grandes empresários,que não tem a coragem de se poscionar a favor do impeachment da Dilma,têm o ministro da Fazenda que merecem.O Nelson vai intensificar a “ nova matriz econômica” e dar seguimento ao plano de quebrar todas as indústrias e o País.
    FIEP e Nelson Barbosa se merecem!

  6. JOHAN
    quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 – 11:07 hs

    Caro FÁBIO, com essas informações demonstradas pelos membros da ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA PETISTA, fica claro para a nação verde-amarela, incluídos os funcionários públicos e professores, que estão anunciando o fim, o caos, pois os recursos esgotaram. Virão aumento dos impostos, CPMF e outras ações de criatividade. Caso implementada a CPMF, está deve ser impostas a toda a população colaboradora dos municípios, estados e união, empresas estatais e de economia mista. A taxa deve ser suficiente para cobrir o rombo provocado, pois são os únicos que não tiveram redução salarial e nem foram desempregados, porém foram atendidos com aumento salarial. Os custos se elevarão pois o país é de risco para investidores, pois sua gestão carece de credibilidade política administrativa. Há de salientar que os CONGRESSISTAS estão de mãos dadas com os gestores do executivo. Não poderão mais reclamar. Preparem-se. Atenciosamente.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*