Outdoor contra direitos dos deficientes pode ser campanha publicitária | Fábio Campana

Outdoor contra direitos dos deficientes pode ser campanha publicitária

Denise Mello, Banda B

A colocação de outdoors em vários bairros de Curitiba pedindo o fim dos privilégios dos deficientes pode ter sido uma ação de marketing. Pode ser que sim. Pode ser que não. Até o fim da tarde desta segunda-feira (30), nenhum grupo assumiu a tal ação promocional, porém, há a convocação de uma suposta entrevista coletiva no Hotel Radisson nesta terça-feira, às 14 horas. O hotel não dá informações sobre quem teria reservado o espaço. A convocação, assinada pelo até então desconhecido Movimento pela Reforma de Direitos, diz que os objetivos são claros e serão esclarecidos.

De qualquer forma, se o objetivo era ganhar repercussão com o tema, o objetivo foi alcançado. A prefeitura de Curitiba lamentou os outdoors espalhados pela cidade e informou que vai estudar as medidas judiciais para retirá-los dos pontos onde estão instalados.

O senador Romário se manifestou pelo Twitter dizendo que este tipo de manifestação é crime passível de multa e reclusão.

Entidades ligadas ao direito da pessoa portadora de deficiência também se manifestaram indignados contra os outdoors.

Na Assembleia Legislativa, deputados ocuparam a tribuna para se dizer envergonhados com a iniciativa.

Até a Banda B foi acusada por uma blogueira do R7 de São Paulo de ter inventado a campanha para conseguir cliques para o Instituto Luiz Carlos Martins, que apoia pessoas com deficiência. A blogueira retirou o post do ar e se retratou.

Nesta terça-feira, o mistério deverá ser desvendado.


5 comentários

  1. Sergio Silvestre
    terça-feira, 1 de dezembro de 2015 – 11:51 hs

    Quando falo aqui que Curitiba é um penico todo ficam bravinnhos.
    É uma cidade movida a propaganda enganosa,com uma qualidade de vida boa somente na região central,um povo que se acha em Paris,com a cultura anglo saxonica.
    Sabe o que eu acho disso….grotescos.

  2. Thiago Hart
    terça-feira, 1 de dezembro de 2015 – 13:15 hs

    Não vejo pq tanta braveza, na democracia tudo pode ser discutido, sim – inclusive se direitos não se tornam privilégios.

  3. Aninha
    terça-feira, 1 de dezembro de 2015 – 16:06 hs

    Caro Sergio Silvestre você querendo ou não o povo Paranaense nascido nesta cidade em que você se refere de maneira um tanto quanto estupida é um povo “Anglo-Saxônica”. A história prova isso! Procure ler quem eram os habitantes até o século 18 na cidade de Curitiba. Leia também sobre a emancipação política no Paraná em 1854. Minha Curitiba foi transformada pela intensa imigração de europeus…os Alemães, Franceses, Suíços, Poloneses, Italianos e Ucranianos.
    E no século 19 os habitantes da cidade eram índios, mamelucos, portugueses e espanhóis. Temos sim ” laços históricos” e temos muitooooo orgulho. Quanto (outdoor) nada mais é que uma campanha publicitária. A ação coincide com a semana do Dia Internacional das Pessoas com Deficiência (3 de dezembro) e do Dia Mundial da Acessibilidade (5 de dezembro).

  4. Zé Ninguém
    terça-feira, 1 de dezembro de 2015 – 18:11 hs

    Sulista por nascimento e curitibano por graças a Deus , Sr. Sergio e claro que o povo curitibano tem orgulho de ter nascido em Curitiba , pois Curitiba é o que nos e nossos antepassados fizemos dela , e é claro que ficamos putos da vida quando fazem comentários ruins pois aqui e nossa casa, ao contraio Curitiba não é uma metropolis , aqui somos uma grande família , onde nos podemos criticar uns aos outros , mas não gostamos que quem mal chegou aqui venha maldizer nosso modo de ser , se não esta feliz aqui , duas opções ou se adapte a nossa forma de ser ou volte para sua maravilhosa terra de origem . e simples assim . Ass. Zé Ninguém um polaco da Barreirinha .

  5. Sergio Silvestre
    terça-feira, 1 de dezembro de 2015 – 18:16 hs

    Cumé qui é???????????Então dona Ana isso ai alem de penico é uma torre de BABEL.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*