Lula treme. Baiano e Bumlai em acareação na Polícia Federal | Fábio Campana

Lula treme. Baiano e Bumlai em acareação na Polícia Federal

O pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Lula, e o lobista Fernando Baiano vão ficar cara a cara em acareação na Polícia Federal. É a primeira vez desde que o pecuarista foi preso em novembro em que os dois vão se encontrar. Baiano aponta Bumlai como um intermediário do PT ligado ao Planalto no esquema de corrupção da Petrobras. A acareação será no inicio de janeiro, mas a data é mantida em sigilo.

Em delação premiada, Baiano disse que repassou R$ 2 milhões ao pecuarista. Os recursos, segundo o lobista, teriam sido usados para pagar uma dívida imobiliária de um apartamento de uma nora de Lula. Bumlai nega que tenha pago alguma dívida de familiares do ex-presidente. Lula negou qualquer tipo de envolvimento e de seus familiares em transações financeiras com Bumlai e Baiano.

Além da divergência sobre o apartamento, os investigadores também querem saber quem está falando a verdade sobre o papel do ex-ministro Antonio Palocci numa suposta transação de propina para a campanha da presidente Dilma Rousseff em 2010. Em depoimento à PF, Bumlai negou ter promovido uma aproximação entre Palocci e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa. Baiano diz que foi o pecuarista quem fez a ponte entre os dois.

À PF, o lobista disse que o pecuarista agendou a reunião em que Palocci teria pedido os recursos em troca do apoio do PT à permanência de Costa na diretoria da Petrobras. Bumlai nega ter operacionalizado o encontro. Ele disse que só se encontrou com o ex-ministro em reuniões do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), conselho ligado à Presidência da República, do qual é membro desde o primeiro governo petista.

Os dois serão ouvidos no inquérito que investiga o suposto pagamento de R$ 2 milhões à Palocci para abastecer a campanha presidencial do PT em 2010. O inquérito está em Curitiba desde março quando o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, remeteu as investigações para o juiz Sérgio Moro.

As suspeitas sobre Palocci no esquema de corrupção da Petrobras apareceram durante o depoimento, em delação premiada, do ex-diretor Paulo Roberto Costa. Ele afirmou que, em 2010, o doleiro Alberto Youssef intermediou, em nome de Palocci, a propina para a campanha. Os valores viriam da cota do PP no esquema. O doleiro AlbertoYoussef negou que tenha intermediado a transação. Em depoimento a CPI da Petrobras, em maio, Youssef disse aos parlamentares que “um outro personagem” iria esclarecer o pagamento. Para PF, esse personagem é Baiano.

Desde o início das investigações, a defesa do ex-ministro Antonio Palocci vem negando as acusações.


4 comentários

  1. domingo, 27 de dezembro de 2015 – 20:01 hs

    Esta chegando o momento de desmascarar este maior mentiroso da história do Brasil.

  2. Olho vivo
    domingo, 27 de dezembro de 2015 – 22:51 hs

    ESSE VAGABUNDO TEM MEDO,MAS NÃO TEM VERGONHA.

  3. PIMENTA PURA
    segunda-feira, 28 de dezembro de 2015 – 7:08 hs

    Lula deve estar imaginando… se consegui comprar o silencio do
    Marcos Valério, o Bumlai e Bahiano vão ter que engolir mais esta
    e eles é que vão ficar na cadeia…

  4. AMO
    segunda-feira, 28 de dezembro de 2015 – 9:10 hs

    Bumlai seu otário, abre o jogo logo, voce vai pegar uma tranca pesada e ainda vai complicar a vida dos seus filhos, enquanto o nove dedos tá numa boa, com os filhos soltos.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*