Fruet corta investimentos e culpa a crise econômica | Fábio Campana

Fruet corta investimentos e culpa a crise econômica

fruet

Via O Globo

A prefeitura de Curitiba apontou dois motivos para a redução dos investimentos na cidade este ano. O primeiro é o ajuste fiscal nas contas municipais por causa da queda da arrecadação. O município também culpou a redução dos repasses do governo federal para a cidade pela situação.

“O contingenciamento no Orçamento Geral da União, anunciado oficialmente a partir de maio deste ano, represou e atrasou um volume significativo de transferências do governo federal para a execução de grandes investimentos, a exemplo de obras do PAC Mobilidade, de drenagem e gestão de risco, do PAC Habitação e na construção de Centros Municipais de Educação Infantil”, informou em nota.

A atual gestão municipal também alegou que os investimentos no ano passado foram grandes devido às obras da Copa do Mundo e que, portanto, houve uma redução previsível em 2015.

A prefeitura de Vitória explicou que passa pela maior frustração de receita da sua história e que, por isso, despesas tiveram que ser ajustadas. Também comunicou que está trabalhando para reduzir os gastos com pessoal. “A prefeitura vive a maior queda na receita de toda a sua história. Por isso, são necessários ajustes nas despesas. Para enfrentar essa situação, a administração municipal precisou fazer adequações, começando pela folha de pessoal e redução de contratos, como os de segurança patrimonial e os de locação de imóveis e de veículos”, informou.

A prefeitura de Belo Horizonte informou que a redução dos investimentos em 2015 é “natural” por causa dos desembolsos feitos nos anos anteriores por causa da Copa do Mundo. “O ano de 2014 foi marcado por grandes investimentos em Belo Horizonte, principalmente nas áreas de mobilidade urbana, saneamento, saúde e educação. Diante de expressivos investimentos em 2014 como estes citados é natural a redução dos investimentos no ano seguinte, como ocorreu em 2015”, justificou.

Em relação a 2016, o governo da capital mineira disse que não é possível ainda fazer projeções por causa da crise econômica. “Diante disto, a orientação tem sido de responsabilidade fiscal e parcimônia na autorização de novas obras e investimentos”. As prefeituras de Natal e Campo Grande não se manifestaram.


3 comentários

  1. M.E.J.
    domingo, 27 de dezembro de 2015 – 12:00 hs

    O CORTE de INVESTIMENTOS: 63,7%.

    Sobraram só as faixas pintadas e as Bicicletas desenhadas,
    Nada Mais.

    Na falta de obras, outro dia, a **, em uma de suas edições, deu manchete para a construção de uma BANCO DE MADEIRA.

    A Obra, importantíssima, foi inaugurada na Rua Riachuelo.

    Não estou brincando, é sério.

  2. zé povinho
    domingo, 27 de dezembro de 2015 – 15:30 hs

    Vou sugerir a este chorão que peça ao seu amigo de infância, o Betinho Banana que ele lhe empreste o Mãos de Tesoura, o cara não precisa ficar para sempre na Prefeitura, mas uns seis meses, quem sabe o cara não ensina a turma de lá como é que se faz par tirar leite de pedra? Não foi isto o que ele fez para tirar o Estado do estado pré-falimentar que o Betinho e a sua turma enfiou as contas públicas? Fica aí a sugestão Guguinha, sei que você é tremendamente teimoso, mas quem sabe, tentar é melhor do que só ficar reclamando da vida.

  3. Cesar
    domingo, 27 de dezembro de 2015 – 16:27 hs

    Mas o Fruet não é aliado do PT?Ele não assinou o manifesto contra o impeachment da Dilma?Por que os companheiros não mandam verbas para Curitiba?E a vice-prefeita,não é do PT?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*