Dilma ou Temer: quem é o futuro? | Fábio Campana

Dilma ou Temer:
quem é o futuro?

dtltem

Ricardo Noblat

Dentro do PT e do governo, o clima é de desânimo. Ninguém teve coragem até aqui para dizer à presidente Dilma que o impeachment está na soleira da porta do gabinete dela no terceiro andar do Palácio do Planalto, e que talvez não demore tanto para entrar.

“Infelizmente, ela já foi”, limitou-se a observar para um amigo na última quinta-feira um dos poucos ministros que Dilma leva em conta. Ontem, confrontado com o tamanho modesto das manifestações, o ministro não mudou de opinião.

Este talvez seja o principal problema de Dilma: ela gosta de pouca gente; quase não confia em ninguém, nem mesmo nos que lhe são mais próximos; e tem horror a políticos.

Em contrapartida, desperta os instintos mais primitivos dos que tratou mal alguma vez, ou não atendeu. Michel Temer? Esqueça. Eduardo Cunha? Não. O maior eleitor do impeachment de Dilma é ela própria.

Outro dia, Dilma pediu aos seus ministros que a defendessem em entrevistas. Poucos o fizeram. A maioria receia dizer algo que seja mal interpretado por Dilma e lhe custe uma repreensão.

Acostumaram-se ao silêncio, e a jogar na retranca. Muitos acumulam mágoas. É duro ouvir gritos vez por outra. Na dúvida, arriscar-se para quê?

Mais seguro é nada fazer que não tivesse sido autorizado previamente por Dilma. Pois uma mulher que já mandou o diretor do Tesouro sair de uma reunião só por que estava despenteado…

Ou que se desentendeu com a ama do Palácio da Alvorada, descontrolou-se e jogou cabides nela, que revidou jogando cabides na presidente… Dilma é uma granada sem pino.

Eu disse ama. Por causa de uma ema que havia bicado seu cachorro, Dilma brigou com o jardineiro do palácio.

Fora os líderes do governo e do PT, e esses mais por obrigação do que por gosto, são raros os políticos de peso na Câmara e no Senado que defendem Dilma, o seu governo e o seu mandato.

No impeachment de Fernando Collor, os chamados cardeais do Congresso mandavam ali e conduziam seus pares. Hoje, na Câmara, manda o baixo clero. E os cardeais que restam se ocupam em conspirar no plenário contra Dilma.

Há muita dissimulação e esperteza. E vontade para arrancar de um governo em ruínas o que ele ainda pode dar.

Por mais que ele dê, contudo, ninguém quer retribuir com os votos necessários para derrotar o impeachment. De resto, Dilma tem fama de quem promete e não entrega.

De resto, o vice-presidente Temer tem fama de que entrega o que promete. E ele tem mais para oferecer do que Dilma.

Temer tem o futuro para oferecer. Um futuro com as mesmas dificuldades enfrentadas por Dilma, mas um futuro.

Com que futuro Dilma acena? Por que se acreditar que, superado o impeachment, o desempenho dela no cargo jamais lembrará o desastre que é?

A presidente sem apoio popular, sem autoridade política, sem plano de governo, de repente se recuperará só por que não caiu?

Para que não caia só lhe restam dois caminhos: brigar com Temer, tomando-lhe o PMDB, ou se recompor com ele. E com ele e o PMDB compartilhar o poder até 2018.

Temer pregou o aparecimento de quem possa unificar o país. Para que seja ele o unificador, terá de unificar primeiro seu partido. É nisso que está empenhado. Por enquanto, Dilma dá sinais de que escolheu brigar com ele.

Não seria o mais recomendável.

Com a carta chorosa, Temer fez 1 x 0 em Dilma. Fez 2 x 0 ao obter maioria na Comissão Especial que julgará o impeachment.

Fez 3 x 0 quando Elizeu Padilha, ministro da Aviação Civil, pediu as contas do cargo para ficar ao seu lado.

Fez 4 x 0 ao trocar o líder do PMDB, aliado de Dilma, por um líder seu aliado.

Temer guarda a bala de prata para matar Dilma, se for o caso: a antecipação do congresso que levaria o PMDB a romper com o governo.


14 comentários

  1. Antonio
    segunda-feira, 14 de dezembro de 2015 – 7:12 hs

    nenhum dos dois, são coniventes em tudo, não existe meio casamento, meio vice-presidente, meio namoro.

  2. Parreiras Rodrigues
    segunda-feira, 14 de dezembro de 2015 – 7:35 hs

    Terá Temer coragem para o mais que necessário murro na mesa?

    Desabrigar milhares de comissionados, diminuindo pela metade o número de ministérios sem lançar mão do execrável artifício de criar transformar os extintos em secretarias, diretorias para remanejamento dos cupinchas?

    Determinar uma devassa nos Correios, nos fundos previdenciários dos Correios, da CEF, do BB e, principalmente arreganhar as caixas pretas do BNDES, da Eletrobrás e assemelhados suspeitos.

    Realizar, de pronto, uma séria e criteriosa, moderna mesmo, reforma tributária sob a orientação de pessoal gabaritado , valendo-se de modelos que deram certo em outros países que já se encontraram nessa mesma situação e que sobretudo, prime pela transparência.

    Esses e mais quesitos, todos eles executados sob as égides da Ética e, repito, da Transparência, alentarão a brasileirada toda!

  3. zangado
    segunda-feira, 14 de dezembro de 2015 – 8:22 hs

    Ou quem é o menos passado?

  4. lou
    segunda-feira, 14 de dezembro de 2015 – 9:09 hs

    Estão brincando com coisa séria. No caso Collor eu era mais jovem e não me aprofundei na filosofia do evento.Fiquei assombrado quando o STF, é o STF, absolveu o Collor! Então o cara não teve culpa e tomaram o mandato dele! Quem é que vai devolver o mandato dele? Deveria estar escrito na lei, que se houver absolvição o Presidente retornará ao cargo para cumprir o restante do mandato, não importa quem esteja no poder e nem quanto tempo tenha passado.

  5. Rock
    segunda-feira, 14 de dezembro de 2015 – 9:30 hs

    O Noblat sonhando e o Campana compartilhando de seus sonhos

  6. Claudio Nascimento
    segunda-feira, 14 de dezembro de 2015 – 10:19 hs

    Em qualquer um dos casos o futuro é o passado…

  7. Roberto
    segunda-feira, 14 de dezembro de 2015 – 11:05 hs

    O governador do Rio de Janeiro, saiu a público defender a Dilma e se lançar candidato a presidência do PMDB…

    Obrigou o Temer a ir pra luta…

  8. segunda-feira, 14 de dezembro de 2015 – 11:15 hs

    Aqui não podemos fazer um juízo de valor se os dois tem culpa ou não. Mas é bom observar que quando Temer enviou a carta a Dilma, prova de que ele não fez conluio com ela e nem com o PT para o País estar nessa super crise. Portanto, qualquer um na Presidência da República é melhor que ela, pois esta demonstrou inapetência para o cargo e não sabe governar, isto é, ou pelo menos atender em parte os anseios do povo sobre saúde, educação, saneamento básico, infra estrutura, transportes e daí em diante.

  9. QUESTIONADOR
    segunda-feira, 14 de dezembro de 2015 – 11:26 hs

    -Nem Temer e muito menos Dilma pode ser considerados como principais agentes para o futuro do País!!!
    -O governo Dilma está se desfacelando aos poucos. Não tem mais credibilidade entre os próprios membros do gpverno, do partido e não representa mais o povo brasileiro. A corrupção chegou a níveis intoleráveis em todas as esferas de governo e em qualquer órgão. A população não aguenta mais ver seu poder de compra diminuindo, a inflação voltado e os políticos corruptos soltos e impunes. O simples fato do impeachment de Dilma já anima os setores produtivos do País e a economia tenderá a crescer.
    -Mesmo Temer assumindo o governo, este demorará a engrenar o sistema, pela contaminação do PT em toda a estrutura de governo e em todos os níveis. Ele terá uma missão extremamente difícil!!! Seu governo será de uma coligação de nomes do PSDB, PMDB e talvez de algum dissidente do PT…será uma colcha de retalhos até as próximas eleições presidenciais.
    -Somente um reforma grande e profunda da República será a luz do final do túnel(que esperamos que não seja o trem). Reforma no sistema eleitoral, nas apurações e também na Justiça Brasileira!!!

  10. Lucas Silva
    segunda-feira, 14 de dezembro de 2015 – 12:34 hs

    TEMOS QUE NOS UNIR COM OS MOVIMENTOS PRÓ-IMPEACHMENT PARA PEDIR AO GILMAR MENDES OU ALIADO PARA PEDIR VISTA AO PROCESSO DE IMPEACHMENT NESTA QUARTA-FEIRA !!!

  11. TARZAN
    segunda-feira, 14 de dezembro de 2015 – 13:41 hs

    Se continuar com essa gentalha ” O FUTURO É MUITO NEGRO “

  12. RR
    segunda-feira, 14 de dezembro de 2015 – 15:24 hs

    TIRAR A QUADRILHA DO LULADRÃO DO PODER,JÁ É UM COMEÇO PARA A RECONSTRUÇÃO DO PAÍS.

  13. Doutor Prolegômeno
    segunda-feira, 14 de dezembro de 2015 – 15:26 hs

    Qualquer um ou uma é melhor que esta senhora.

  14. zé povinho
    terça-feira, 15 de dezembro de 2015 – 12:39 hs

    Meu Deus do céu, pior do que esta dupla é a volta do 51, aí é cruzar a Ponte da Amizade e se homiziar no Paraguai.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*