Dias de fúria | Fábio Campana

Dias de fúria

Por Fábio Campana

Os acontecimentos estão rápidos demais. Nem bem recuperamos o fôlego depois de ver a Polícia Federal invadir casas e gabinete de Eduardo Cunha, presidente da Câmara, as casas do senador Edson Lobão, ex-ministro, vasculhar a vida de mais dois ministros do PMDB, além de outras incursões, passamos ao grande espetáculo do Judiciário. Coincidência ou não, todo esse esforço investigativo da Polícia Federal se deu na véspera da reunião do STF para decidir sobre o rito de encaminhamento do impeachment de Dilma Rousseff, que culminou com a leitura do relatório do ministro Edson Fachin, que todos esperavam que favorecesse a presidente.

Qual o que. O relatório de Fachin impôs duras derrotas para Dilma Rousseff, o PT e assemelhados. Manteve a Comissão do Impeachment, acabou com qualquer pretensão do Senado de comandar o processo. Negou o pedido de afastamento do deputado Eduardo Cunha da comissão; argumentou a favor do afastamento de Dilma quando o processo for instaurado na Câmara; e rejeitou a ausência de defesa prévia. A verdade é que Fachin surpeendeu positivamente seus desafetos e seu voto caiu como pedra no estômago dos palacianos.

Isso foi só o começo. O Procurador Geral da República, Ricardo Janot, não se conformou e logo após a sessão do STF, encaminhou novo pedido de afastamento de Eduardo Cunha do mandato e presidência da Câmara. Sem esconder o que sente pelo desafeto, disse que poderia ter pedido a prisão de Cunha. Nova coicidência. Ao mesmo tempo, denúncias contra Cunha pipocavam na mídia, enquanto ele, com a calma de sempre, atribuia tudo a maquinações do governo Dilma contra ele.

Os petistas tentavam compensar as derrotas com a notícia de que a Justiça condenou o ex-governador tucano Eduardo Azeredo a 20 anos e 10 meses de prisão pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro. Foi café pequeno. Não houve nem tempo para prestar atenção aos depoimentos do ex-presidente Lula na Polícia Federal. Inclusive sobre a Lava Jato.

Mas o dia ainda não terminara. Nova bomba estava por vir. O ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró afirmou, em delação premiada, que pagou US$ 6 milhões em propina ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e ao senador Jader Barbalho (PMDB-PA). O acordo foi homologado ainda ontem pelo ministro Teori Zavascki. O senador do PT Delcídio do Amaral, preso desde 25 de novembro, também teria sido, segundo Cerveró, destinatário de outros US$ 2 milhões em propinas.

Enquanto tudo isso ocorria na Câmara, no Senado, no STF e no Palácio do Planalto, onde a turma roía as unhas, o PT tentou kevar militantes às uas para girtar pela permanência de Dilma Rousseff. Iniciativa pífia.Em Curitiba, menos de 500 pessoas, em sua maioria da esquerda funcionária, tentou fazer um jogo de cena logo desmoralizado pelas imagens.

O povo, que já não é bobo, perdeu o impulso neste momento de vacas magras. A crise aperta, o salário diminui, o desemprego é uma maeaça real. As agências de rating apontam para o pior. A Fitch Ratings rebaixou nesta quarta-feira a nota de crédito soberana do Brasil de “BBB-” para “BB+”. Com isso, o país perdeu a chancela de “grau de investimento”, espécie de selo de bom pagador. Repete a agência de avaliação de risco Standard & Poor’s, que em setembro rebaixou a nota do Brasil de “BBB-” para “BB+”.

E talvez para completar a imagem de nosso atraso, de nossa ignorância, de nossa condição de país que ainda não superou mediocridades atávicas, a Justiça brasileira determinou bloquear o funcionamento do aplicativo WhatsApp em todo o território nacional por 48 horas. Sem dizer a razão, sem revelar o autor da ação. Uma violência inaceitável em qualquer país civilizado. Mas estamos no país do samba, suor e corrupção. E vamos carregar mais este vexame, mais este opróbrio.


15 comentários

  1. Juca
    quinta-feira, 17 de dezembro de 2015 – 2:58 hs

    Digiram essa aqueles que achavam que Fachin abraçaria a causa petista!

  2. PIMENTA PURA
    quinta-feira, 17 de dezembro de 2015 – 5:08 hs

    A decisão do Juiz Fachin me surpreendeu positivamente, com exce-
    ção da manutenção do Cunha. Se tivesse definido o afastamento do
    Cunha seria nota dez !!!

  3. AMO
    quinta-feira, 17 de dezembro de 2015 – 7:32 hs

    Esse Fachin nao nega que é do Parana, tomara que faça dupla com o deputado Osmar Serraglio, pq ai meu irmão o bicho pega pra quadrilha do nove dedos.

  4. Cesar
    quinta-feira, 17 de dezembro de 2015 – 8:20 hs

    Não tenham ilusão em relação ao ministro Fachin:ele tem sua inclinação política,suas posições na área de direito são todas de esquerda,enfim ele segue a cartilha lulopetista.Mas então o que aconteceu?Por que seu voto foi contra o PT?Ora,ele foi intensamente pressionado pela sociedade e percebeu que não tinha espaço,neste momento,para votar da maneira como gostaria.
    Mero recuo estratégico…

  5. toninho
    quinta-feira, 17 de dezembro de 2015 – 8:41 hs

    O Fachin é pessoa séria e honesta. Agiu dentro da lei. Merece mais consideração do que está tendo por muitos que são contrários ao governo pelo simples fato de ter sido indicado por este.

  6. Sergio Silvestre
    quinta-feira, 17 de dezembro de 2015 – 8:59 hs

    Nós estamos no Pais do Samba ,suor ,corrupção e uns sem noção de sua situação no atual momento.
    Sabemos como são as farras politicas,e sabemos que estamos pagando cada vez mais por essas farras.
    E você também sabe mais do que eu de como somos hipócritas,e que a corrupção serve para os outros ,mas não servem para nós.
    Faço um desafio para os supostos homens de bem que postam aqui no seu blog que sentem numa pedra e pensem em tudo o que fizeram para que acabem com essa praga,sua contribuição ou ao menos sua mea culpa por tudo que fez no verão passado.
    Serve para todos e até para o blogueiro,se suas intenções politicas foram benéficas para que esse Pais se tornasse livre de todas as suas aflições.
    Final de ano e tempo de resoluções,de chutar o balde e fazer uma penitencia sobre tudo de errado que fizemos.
    Somos parte de tudo que acontece de ruim no Pais,somos a parte que contribui para o bem e para o mal e despejar tudo que acontece nas costas de uma só pessoa quando 200 milhões alem de não ajudar atrapalha e assim não vamos a lugar nenhum.
    “quando voce varrer as folhas secas da sua calçada,podar a arvore da frente da sua casa e tirar o mato das fissuras do seu cimentado e não ligar para que governos o venham faze-lo,voce estará contribuindo para que seu Pais economize e seja menos burocratico”

  7. Diogo Almeida
    quinta-feira, 17 de dezembro de 2015 – 9:00 hs

    Analise fria… (não que não tenha sido surpreendente, e bom a atitude do Fachin, e a do Janot)… No que toca ao ministro…Não de hoje, nós brasileiros desconfiamos dos três poderes. De alguns mais, outros menos. Oras, Dilma precisa de apenas 171 bandoleiros para escapar deste pedido de impedimento, é surpreendente(e engraçado) todo o esforço que eles (governistas) estão fazendo. Enfim, Fachin ja demonstrou anteriormente acreditar que é iluminado, acreditar que o poder judiciário deve pautar os outros poderes. Fachin também ja deixou bem claro sua ideologia anteriormente (a respeito de família, propriedade privada, etc) inclusive pediu votos a esta presidente. Seu voto favorável a CF, favorável a separação de poderes, etc foi muito importante. Porém, desconfio sempre destas mudanças que esta gente faz, e sempre penso, “é muito desespero desta gente, que até ontem tinha a imensa maioria do Congresso de joelhos” (agora será que não tem míseros 171?), vez por outra, se Fachin votasse como a maioria (inclusive os bandoleiros) pensavam que ele votaria, desmoralizaria de vez o STF, e repito, por uma causa que a govenanta só precisa de 171 deputados. Foi bom o voto de Fachin, foi…Causou um mal estar no governo sim…Melhora ou piora alguma coisa…de jeito nenhum, inclusive precisamos ficar ainda de olho, pois estão jogando fumaça demais no meio dos fatos. O que vejo é o seguinte..se a presidanta não conseguir os 171, o processo vai para o Senado para ser analisado e julgado, se conseguir, acabou aí…e o STF, por causa dos esbirros dos totalitários, pelo jeito percebeu que não valia a pena (neste momento) se atolar na lama.

    Quanto ao Janot….ah…que procurador…Esquece que a função de PGR é investigar todos, e processar todos…Que bom que cumpre seu trabalho no tocante à Cunha (ele que se defenda), mas…muito engraçado seu comportamento em relação a todos os outros…Onde está Luiz Inacio (que é comum, e podia ser convocado inclusive por outros procuradores), onde estão os demais deputados, senadores, ministros?)…Esta celeridade seletiva ja não é mais mera suspeita, e o procurador geral ao invés de cumprir sua função, está funcionando mais como advogado da união. Outra coisa, ao ter sua tese refutada pelo Fachin, o fiel do planalto, já veio com o pedido de afastamento de Cunha. Timing perfeito, os bandoleiros agradecem…

    Não tenho nenhum apreço pelo PGR, e o voto do Fachin, mesmo que bom e surpreendente, não anima e não muda nada.

    Se houver impedimento (e motivos existem), tem que ser o início de novos dias e não um fim…

    A situação do País está em caos, a cultura está morta, a educação, a saúde e a segurança não existem, graças aos corruptos e incompetentes que tomaram nosso País de assalto…

  8. quinta-feira, 17 de dezembro de 2015 – 9:48 hs

    Parece que a “conversa” de Fachin e Moro em CTA, rendeu alguns frutos !

  9. zé povinho
    quinta-feira, 17 de dezembro de 2015 – 9:49 hs

    Nesta guerra de botocudos quem perde é o País, de nada adianta este demagogo do Procurador-Geral da República tentar uma vendeta contra o Cunha, as agências classificadoras de risco ferraram conosco. E aí perguntam as almas parvas, o que isto tem a haver comigo? Tem tudo otário, a começar pelos juros que você vai pagar pelas compras que fizer já neste Natal. Tudo está interligado, o Político, o Econômico e a Justiça. Que este imbroglio todo se resolva o mais rapidamente possível. Se acrise ainda não bateu na tua porta, ou seja, não perdeu o emprego ainda, se dê por feliz, porque muita gente já está procurando escola aonde matricular os seus filhos, porque na qual eles estão este ano não dá mais. Entendeu tigrão, porque eu não vou desenhar para você.

  10. O Insuportável
    quinta-feira, 17 de dezembro de 2015 – 9:56 hs

    Desconfio que aquele APOIO EXPLÍCITO E PÚBLICO do Dr. Fachin à reeleição de Dilma foi de caso pensado!!! PASSOU A PERNA NO PT!!! Ele sabia que isso iria amolecer o coração da megera: não deu outra, ela o escolheu!!! Mas agora ele é Ministro do STF e sabe muito bem que NÃO DEVE FAVOR À DILMA!!!
    Obs: Parece que Álvaro sabia de tudo!!!

  11. João
    quinta-feira, 17 de dezembro de 2015 – 10:14 hs

    Não concordo com alguns comentários de que o Min. Fachin, tenha imposto derrotas a uns e beneficiado a outros. Ele simplesmente interpretou a Constituição e a legislação subsequente.

  12. O Insuportável
    quinta-feira, 17 de dezembro de 2015 – 10:16 hs

    Errata: Inimputável, of course!!

  13. Doutor Prolegômeno
    quinta-feira, 17 de dezembro de 2015 – 10:44 hs

    O Judiciário resolveu ser a palmatória do Brasil. Sua interferência em todos os setores – justa ou injustamente – mostra que o Brasil é um país sui generis, para dizer o mínimo. Esses ilustres servidores públicos de altíssimo nível, passam por um único concurso que, como num passe de mágica, os transforma em vitalícios, inamovíveis, irrepreensíveis, semideuses. Quando são condenados por crimes na função, não perdem o cargo, aposentam-se com vencimentos proporcionais ao tempo de serviço, o que é um prêmio, não uma punição. O Brasil precisa de uma reforma completa.

  14. Cesar
    quinta-feira, 17 de dezembro de 2015 – 11:07 hs

    Ledo engano quem acha que o Fachin decepcionou os companheiros.Lula deve ter dado a autorização para o seguimento do impeachment porque sabe que a Dilma não tem mais chance de se recuperar e que,em 2018,ele terá o argumento do “golpe” para enganar,mais uma vez,a massa de anencéfalos que vota nele.
    Vejam o vídeo no Youtube em que o Fachin diz que faz parte dos “juristas que tomaram lado” e não se deixem enganar por essa decisão estratégica dele.

  15. quinta-feira, 17 de dezembro de 2015 – 13:16 hs

    O Ministro Fachin não poderia dar outro parecer, senão o que foi dado. É um homem de princípio, foi Advogado, Professor Universitário, escritor, enfim, tem como princípio a JUSTIÇA, seja ela a favor de A ou B. Não creio que um MINISTRO DO STF se corrompa por ter sido eleitor de Dilma. O que importa no STF é a análise da LEI nua e crua. Se os petistas achavam de que seriam beneficiados no STF por escolhê-lo. enganaram-se redondamente. A JUSTIÇA e as LEIS estão acima de amizades e partidos político.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*