Simpatia pelo diabo | Fábio Campana

Simpatia pelo diabo

unnamed

Mary Zaidan

A 6ª Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas Contra a Corrupção, encerrada sexta-feira, na Rússia, aprovou uma resolução proposta pelo Brasil que prevê a troca de provas e informações entre os países nos âmbitos civil e administrativo. Acordo essencial para o combate à corrupção. O que a ONU e os outros 176 países signatários talvez não saibam é que por aqui se anda no caminho inverso.

Por maiores que sejam os esforços da Justiça, de setores do Ministério Público e da polícia, em vez de facilitar os procedimentos para investigar e punir corruptos, o governo Dilma Rousseff e aliados no Congresso Nacional dificultam ao máximo.

Em setembro, Dilma propôs, e o Congresso está prestes a aprovar, a repatriação de recursos não declarados depositados por brasileiros no exterior, algo que oficializa a lavagem de dinheiro. O projeto que já era ruim foi piorado pelo Parlamento, que introduziu anistia ampla, geral e irrestrita para todo tipo de trambiqueiro ao descartar a confissão da origem dos recursos a quem quiser trazer o dimdim – ainda que roubado – de volta.

Com interpretações menos rigorosas dos acordos de leniência, o governo pretende ainda abrandar a lei anticorrupção, sancionada pela presidente há menos de um ano. A ideia é sustar a punição das empresas que participaram de transações ilícitas. Um entendimento torto, pelo qual a culpa recai sobre pessoas e não sobre as empresas, como se elas não auferissem qualquer benefício com a roubalheira.

Dilma, que iniciou seu primeiro mandato fantasiada de faxineira, adora dizer que é uma combatente incansável contra a corrupção. Mas não perde a chance de criticar a delação premiada – instrumento precioso para descobrir a ladroagem e os caminhos dela. Na mesma linha, seu padrinho Lula chama os depoimentos, que agora constrangem a ele e seus familiares, de “mentira premiada”.

O mesmo país aplaudido na ONU pela resolução anticorrupção continua a ostentar números pornográficos de roubalheira.

Não existe um cálculo exato quanto aos prejuízos causados pela ação dos larápios públicos. Em 2011, o deputado Mendes Thame (PSDB-SP) divulgou um estudo apontando que a corrupção custava ao ano nada menos do que R$ 82 bilhões. Um ano antes, a Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) estimara perdas de R$ 69 bilhões, cifra que, na atualização do estudo, saltou para R$ 102 bilhões em 2012. Absurdos 2,25% do PIB daquele ano.

Os números da época não incluíam o Mensalão, cujo desvio comprovado de R$ 55 milhões virou troco perto dos R$ 7,2 bilhões apurados pela Operação Lava-Jato, R$ 2,4 bilhões já recuperados para os cofres públicos.

Protagonistas no combate à corrupção, PF, MP e Justiça são achincalhados por Lula, PT e aliados. Lula exige a PF sob controle, reclama da ingratidão de ministros do Supremo nomeados por ele e por Dilma. Vai a público denunciar perseguição das elites contra ele e, entre quatro paredes, negocia no Congresso proteção para o filho encrencado com serviços prestados a lobistas que nada têm a ver com esportes, atividade fim declarada pelo rebento. Muito menos explica ao distinto público como amealhou tantos milhões em tão pouco tempo.

O Brasil aplaudido na ONU é roubado todos os dias. Pior: é complacente e permissivo. Trata a corrupção e a roubalheira desenfreada como crimes banais. Frequenta o inferno.

Convive com presidentes da República que chamam de aloprados gente flagrada em delito, que dão nome de malfeito ao roubo deslavado dos cofres. Engole Caixa 2 como recursos não contabilizados e chama os ladrões que compraram votos de mensaleiros. Dá o simpático apelido de pedaladas aos graves crimes de responsabilidade fiscal cometidos por Dilma.

Está longe de fazer jus aos aplausos.


5 comentários

  1. Regabofe
    domingo, 8 de novembro de 2015 – 16:44 hs

    É musica dos Rilling Stones?

  2. CRISTOVÃO COLOMBO
    domingo, 8 de novembro de 2015 – 16:47 hs

    Necessitamos urgente de uma limzeza geral no Ministério Público, Policia e Ministros do Supremo estes indicados pela Presidente(a) que são uns verdadeiros capachis, não julgam nada e sempre a favor do corruptos. Fora Ministros , quem colocou vocês ai foi a Presidenta (e), não representam a população sofrida desta Nação, e sim os interesses do Governantes, tenham vergonha na cara e pedem demissão.

  3. Do Interior.....
    domingo, 8 de novembro de 2015 – 19:52 hs

    É verdade. Veja o que pensa o ministério da (in)justiça:

    http://veja.abril.com.br/noticia/mundo/ministerio-da-justica-elogia-jihadistas-no-facebook-e-depois-apaga-comentario/

  4. Jair Pedro
    segunda-feira, 9 de novembro de 2015 – 7:50 hs

    Para o governo PT vale a velha máxima:
    “Façam o que eu digo mas não façam o que eu faço”.

  5. João Figueredo
    segunda-feira, 9 de novembro de 2015 – 9:12 hs

    Desculpe Fabio Campana, a justiça é a culpada da corrupção, a pouco tempo ouve uma força tarefa para tirar o pode do Juiz Moro, MP só gosta de aparecer na TV cadê os roubos da assembleia os tais fantasma? (Por maiores que sejam os esforços da Justiça, de setores do Ministério Público) isto só pode ser pia este esforços da justiça, os Militares já falam que o Governo Militar só não deu certo porque não mexeram na justiça, será que a democracia não caiu no mesmo erro?
    fica ai a dica
    João Figueredo

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*