Lava Jato já recuperou R$ 2,4 bilhões | Fábio Campana

Lava Jato já recuperou
R$ 2,4 bilhões

unnamed
Os delatores do esquema de corrupção na Petrobras e parte das empresas envolvidas já devolveram, através de acordos, o equivalente a um terço dos R$ 7,2 bilhões que comprovadamente foram desviados para pagamentos de propina a políticos e dirigentes da estatal. No processo da Lava Jato, presidido pelo juiz Sergio Moro, foram 33 delações premiadas e três acordos de leniência e devolvidos R$ 2,4 bilhões. O levantamento, feito pelo GLOBO nas 31 ações que correm na Justiça, mostra que o valor obtido por meio de acordos de delação e de leniência, e ainda a título de multa, daria para pagar 31,2 milhões de benefícios do Bolsa Família (pelo valor mais baixo pago aos beneficiários). As informações são d’O Globo.

Juntas, as três empresas que já assinaram acordos de leniência — Setal, Camargo Corrêa e a holandesa SBM — devolveram R$ 1,64 bilhão, mais da metade do valor recuperado pela Justiça. Entre os delatores, quem mais devolveu dinheiro até agora foi o ex-gerente da estatal Pedro Barusco, que sozinho entregou US$ 97 milhões, o que corresponde a R$ 381,1 milhões pela cotação do dólar da última quinta-feira. A segunda maior quantia foi devolvida pelo ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa: o equivalente a R$ 101,3 milhões.

Esse dinheiro devolvido fica, inicialmente, à disposição da Justiça. O juiz Sérgio Moro tem determinado que todo o dinheiro confiscado retorne aos cofres dos órgãos lesados. No caso da Petrobras, já foram feitas duas devoluções, que somam R$ 296 milhões. Esses valores estavam em contas de Costa e Barusco no exterior.

— O Ministério Público abriu mão de algumas condenações em troca de muito mais — diz o procurador da República Deltan Dallagnol, um dos porta-vozes da força-tarefa da Operação Lava-Jato e defensor das delações.

Na semana passada, em entrevista ao “Programa do Jô”, Dallagnol disse que o caso Lava-Jato quebrou todos os recordes de devolução de recursos para o país:

— Para se ter ideia, antes do caso Lava-Jato, tudo que foi recuperado no país e entrou nos cofres públicos, em todos os outros casos (de corrupção) juntos, somam menos de R$ 45 milhões.

R$ 1,1 BILHÃO AINDA ESTÁ BLOQUEADO

Dados da Secretaria de Cooperação Internacional do Ministério Público mostram que a Lava-Jato bloqueou no exterior, até 23 de outubro, US$ 433 milhões (R$ 1,7 bilhão) em dinheiro supostamente desviado da Petrobras ou de outros órgãos públicos. Até o momento, US$ 129 milhões (R$ 506,8 milhões) foram repatriados. O restante, o equivalente a R$ 1,1 bilhão segue bloqueado em bancos de Suíça, Luxemburgo e Mônaco, à espera de decisão judicial.

Como Barusco e Costa fizeram delação, o dinheiro voltou mais rapidamente. No caso do ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque, que não fez acordo, foram bloqueados o equivalente a R$ 90 milhões. Desse valor, voltou ao Brasil apenas a metade. O restante permanece bloqueado lá fora, à espera de novas investigações e decisões judiciais.

Os números podem aumentar. Pelo menos dez réus envolvidos no esquema, além de construtoras, ainda negociam algum tipo de acordo com o Ministério Público Federal (MPF). Além disso, pelo menos 30 empresas flagradas no esquema de corrupção da Petrobras negociam com a Controladoria Geral da União (CGU) e o MPF um acordo de leniência — negociação que uma empresa faz com órgãos de controle admitindo práticas ilícitas em troca de continuar prestando serviços ao poder público. O acordo envolve o compromisso de adotar sistema de compliance e pagar indenizações pelos danos causados.

Estimativas da Lava-Jato apontam que o rombo nos cofres públicos pode ultrapassar os R$ 15 bilhões. Mais de 700 casos seguem em investigação, com procedimentos instaurados. Metade das 16 empreiteiras acusadas de participar do cartel na Petrobras também segue na condição de investigada, sem denúncia formalizada à Justiça.

Além da Petrobras, a Lava-Jato flagrou, por exemplo, pagamento de propina em contratos de publicidade da Caixa Econômica Federal e do Ministério da Saúde, e em contratos da Eletronuclear para a construção de Angra 3. Também foi identificada propina paga num acordo firmado pelo Ministério do Planejamento, que envolveu a cessão de uso do banco de dados cadastrais de mais de 7,5 milhões de servidores federais.

UM EM CADA QUATRO RÉUS VIRA DELATOR

Em um ano e sete meses de investigação, um em cada quatro réus virou delator na Lava-Jato. No total, 120 pessoas foram denunciadas e 41, condenadas. Demonizado por alguns juristas, o instrumento da delação premiada instiga o debate entre defensores de réus da operação. Técio Lins e Silva, advogado da Odebrecht, afirma que a prisão preventiva se tornou uma espécie de tortura, um “pau de arara pós-moderno” para convencer investigados a colaborar com as investigações.

— O acusado não pode abrir mão do seu direito de mentir. Isso não é uma conquista da legislação brasileira. Isso é uma conquista da sociedade ocidental, fruto da Revolução Francesa — afirma Lins e Silva. — As bases legais violam causa pétreas da Constituição. O acusado não pode abrir mão do direito de defesa. O acusado não pode ser obrigado, para ter um benefício, a abrir mão do direito ao silêncio.

O criminalista Fábio Tofic Simantob diz que há uma “banalização do instituto da delação”:

— É quase como pegar empréstimo a juros altos. As vantagens imediatas parecem tão grandes que você não sabe exatamente com o que está se comprometendo no futuro.

O questionamento às delações virou moeda política. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), denunciado na Lava-Jato, chegou a afirmar que o vazamento de informações seria manobra do governo para desestabilizá-lo. No último dia 23, em Salvador, o ex-presidente Lula disse que o Brasil vive “quase um Estado de exceção” com as delações.

Mesmo os críticos da delação, no entanto, dizem que ela veio para ficar. O criminalista Alberto Toron, primeiro a derrubar no Supremo Tribunal Federal a prisão preventiva de um empreiteiro (Ricardo Pessoa, da UTC), ressaltou que os acordos não representam a impunidade dos delatores. Lembrou que a maioria deles cumpre regime restritivo de liberdade, com tornozeleira eletrônica, e pagou altas multas.

Toron compara as críticas às delações da Lava-Jato com o descontentamento gerado na Colômbia pelo acordo feito entre autoridades e as Forças Armadas Revolucionárias (Farcs):

— A Lava-Jato é um pouco assim. Em troca de melhorias na administração pública, você terá um novo patamar de punição que não é na cadeia. A gente vai ter que conviver com isso daqui para frente.


4 comentários

  1. Sergio Silvestre
    segunda-feira, 2 de novembro de 2015 – 15:49 hs

    Recuperou 2.5 bilhões.desempregou 500 mil trabalhadores e deu um prejuízo de 300 bilhões ao Brasil com essa lenga-lenga e delações seletivas que nunca acaba,tudo feito para sangrar o governo e a medida que eles galgarem ao poder volta tudo como dantes e essas empresas serão anistiadas por que delas eles também se serviram.

  2. Do Interior....
    segunda-feira, 2 de novembro de 2015 – 21:08 hs

    E depois os militontos, ainda cantam aos quatro ventos que tudo é coisa de perseguição do Sergio Moro e da mídia golpista e do FHC.

    Agora pergunto: se não houvesse o assalto à Petrobrás pelo PT e PMDB alguém devolveria um dinheiro que não roubou?

    Contra fatos não há argumentos.

    Fora PT
    Fora PMDB

  3. FUI !!!
    terça-feira, 3 de novembro de 2015 – 4:41 hs

    O juiz Sérgio Moro e todos os envolvidos nesta grande empreitada
    estão de parabens mesmo. Está fazendo história porque jamais em
    época alguma houve tanta condenação e recuperação do dinheiro
    público. Se o dinheiro recuperado foi comprovadamente desviado
    e o Lula e a curriola ainda não foram para a cadeia !?

  4. JOHAN
    terça-feira, 3 de novembro de 2015 – 12:17 hs

    Caro FÁBIO, a democracia é interessante pois permite aos iludidos ainda creditarem na mentira. Os recursos foram devolvidos pelos membros da ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA PETISTA que efetuaram os desvios. Foram literalmente pegos com a mão no dinheiro. As demissões que estão ocorrendo são derivados dos DESAJUSTES praticados nos últimos 13 anos, desde 2003, com os excessos de gastos da economia. Dinheiro não suporta desaforo, ele foge. A sociedade aguarda que as empresas façam sua COLABORAÇÃO PREMIADA, devolvam os recursos junto com os ladões da ORGANIZAÇÃO, pois os empregos gerados são mais importantes que esses VADIOS do atual governo. Atenciosamente.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*