Aproveite o domingo | Fábio Campana

Aproveite o domingo

abba

música

– Serra Acima Trio, Teatro da Caixa, 19h.
– ABBA Symphonic Musical Dance, Ópera de Arame, 20h.
– No Samba, Teatro José Maria Santos, 20h.
– Canja de Viola, TUC, 14h às 18h.

cinema

– Mostra KMovie Curitiba, Cinemateca, 19h.
– CineMondo, Cinemateca, 14h30 , 15h, 16:40h.
– Os Maias – Cenas da Vida Romântica, Cineplus Jardim das Américas e Espaço Itaú de Cinema (Shopping Crystal), diversos horários.

teatro

– Desassossego, Bicicletaria Cultural, 19h.

exposição

– Segunda Infância: eu sei dizer sem pudor que o escuro me ilumina, Museu da Fotografia de Curitiba, 12h às 18h.
– Outros planos, Museu Alfredo Andersen, até às 16h.
– Ida Hannemann de Campos, entre o pincel e a pena, Museu de Arte Contemporânea do Paraná, às 16h.

feira

– Feira do Largo da Ordem, Setor Histórico, da Rua São Francisco a Rua Kellers, até às 14h.

literatura

– Frans Krajcberg, a tragicidade da natureza pelo olhar da arte, Maria José Justino
– A Festa da Insignificância, Milan Kundera

No Leia Mais, esta agenda detalhada.

música

– A viola caipira é o centro do espetáculo em cartaz neste final de semana no Teatro da Caixa. O Serra Acima Trio (João Triska, Emiliano Pereira e Junior Bier) preparou arranjos instrumentais para músicas e temas folclóricos paranaenses. O show “Violas Paranaenses” acontece hoje às 19h.

– O espetáculo ABBA Symphonic Musical Dance é formado por circo, dança, arte digital, orquestra sinfônica, rock e diversas expressões em uma homenagem ao grupo sueco. A montagem tem 50 artistas no palco, sob a direção geral de Paulo Berlitz e direção artística de Felipe Guerra. Na Ópera de Arame, hoje às 20h.

– Com repertório que passeia por peças consagradas de Ary Barroso, Noel Rosa, Dorival Caymmi, Assis Valente e Braguinha está em cartaz o espetáculo “No Samba”. Gabriel Schwartz (flauta, clarinete e saxofone), Daniel Migliavacca (bandolim, violão tenor e cavaquinho), Lucas Melo (violão de sete cordas), Luiz Rolim (percussão) e Marcio Juliano (vocal) reverenciam a Era de Ouro de nossa música. Hoje às 20h no Teatro José Maria Santos.

– Todo domingo tem Canja de Viola no TUC, 25 cantores ou duplas apresentam músicas autorais ou interpretadas. Das 14 às 18h.

cinema

– Dentro da mostra Mostra KMovie Curitiba, o filme coreano The Face Reader (2013), com direção de Han Jae Rim: Ambientado durante a Era Joseon, no ano de 1455, o filme segue a vida de Nae Kyung, um homem capaz de avaliar a personalidade de uma pessoa, seu estado mental, hábitos e, consequentemente, o seu futuro apenas estudando seu rosto. Depois da morte do rei Munjong, o jovem príncipe herdeiro, Danjong, assume o trono, mas seu destino está em perigo iminente. O Príncipe Sooyang tem ambições de se tornar o novo Rei e tem um plano para que isso aconteça. Será Nae Kyung será capaz de impedir Sooyang e proteger o príncipe herdeiro? 19h, na Cinemateca.

– A quarta edição do CineMondo Cinemateca, realização da Editora Estronho, com patrocínio da Versátil Home Vídeo, apresenta hoje dois filmes do diretor Hideo Gosha, para um dia dedicado aos Samurais.

14h30 – Abertura com venda de livros da Editora Estronho e DVDs da Versátil, Moro Filmes e cinema independente nacional.

15h- A Espada do Mal (1965), de Hideo Gosha: Querendo melhorar de vida, um samurai segue as ordens de um superior e mata um oficial de seu clã. Porém, mais tarde, descobre que foi traído e se torna um ronin amargurado, juntando-se a um bando de criminosos.

16h40 – Tirania (1969), também de Hideo Gosha: Traumatizado por um massacre cometido por seu clã, um samurai fica muitos anos no exílio. Ao descobrir que uma nova carnificina se aproxima, ele decide agir.

– “O boêmio Carlos da Maia é o último filho de uma tradicional família portuguesa. Formado médico pela famosa Universidade de Coimbra, o rapaz muda de postura quando se apaixona”, baseado na história Os Maias de Eça de Queirós, está em cartaz “Os Maias – Cenas da Vida Romântica”, no Cineplus Jardim das Américas e no Espaço Itaú de Cinema (Shopping Crystal), em diversos horários.

teatro

– “Desassossego” é um grito de consciência existencial. Nascida de fragmentos poéticos de autores diversos, a peça apresenta três personagens sem nome ou endereço que tentam se desprender da visão deturpada e preconceituosa que a sociedade lhes lança. Hoje às19h na Bicicletaria Cultural.

exposição

– A mostra individual “Segunda Infância: eu sei dizer sem pudor que o escuro me ilumina”, da fotógrafa e artista visual Nicole Lima, fica em cartaz no Museu da Fotografia de Curitiba até o dia 10 de dezembro. A mostra foi inspirada pela curiosidade das histórias por trás de fotografias rasgadas, destruídas ou jogadas foras. Para realizar este trabalho, há mais de três anos a artista vem recolhendo e guardando negativos, slides e fotografias descartadas. O Museu da Fotografia fica aberto no final de semana das 12h às 18h.

– A primeira exposição a ocupar o espaço Sala do Artista Convidado do Museu Alfredo Andersen é “Outros planos”, de Alfi Vivern, com peças esculpidas em basalto. O Museu fica aberto hoje até às 16h e tem entrada gratuita.

– Com curadoria de Fernando Bini, está aberta “Ida Hannemann de Campos, entre o pincel e a pena”, que destaca mais de 100 obras da pintora curitibana que tem a cor como principal elemento para construção de significados. No Museu de Arte Contemporânea do Paraná, aberto hoje até às 16h.

feira

– Desde 1973 a Feira do Largo da Ordem reúne artesãos, moradores e turistas. O que antes era iniciativa de alguns hippies da cidade, se transformou numa atração turística da cidade. Hoje, em média 15 mil pessoas passam por lá, para fazer compras, ver exposição, comer, ouvir música, apreciar a arquitetura dos prédios históricos ou qualquer outra coisa que o espaço sugira. Até às 14h, no Setor Histórico, da Rua São Francisco a Rua Kellers.

literatura

– Frans Krajcberg, a tragicidade da natureza pelo olhar da arte, Maria José Justino

Um estudo da obra do artista naturalizado brasileiro Frans Krajcberg, nascido em 1921 na Polônia, naturalizou-se brasileiro. Do mangue e da floresta ele retira os materiais com que trabalha. Faz de sua obra um grito em favor da preservação da natureza.

– A Festa da Insignificância, Milan Kundera

Nos diálogos que desfilam entre quatro amigos, em encontros espaçados e em diversos cenários, é que frui texto e ideias de Kundera. Narrativa leve, rápida, fácil que concentra as habilidades do escritor que, à data da publicação tinha 84 anos e uma vida inteira de escrita e prêmios nas costas. Não há como esperar nada menos que um texto bordado de simplicidade e com alto poder de comunicação. Teresa Bulhões Carvalho da Fonseca é a tradutora para nossa versão nacional e fez seu trabalho de maneira discreta e competente, a respeitar o estilo e o movimento do autor.


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*