Suspeito de matar taxista é preso e categoria comemora operação | Fábio Campana

Suspeito de matar taxista é preso e categoria comemora operação

foto - ciro guimaraes

da Banda B

A notícia da prisão de um dos suspeitos de matar o jovem taxista Wuiliam Felipe Cardoso, de 23 anos, mobilizou a categoria na madrugada desta terça-feira (27). O suspeito, de 23 anos, está detido na carceragem da Delegacia de Furtos e Roubos de Curitiba (DFR), no bairro Jardim Botânico.

Primeiro, a categoria fez uma mobilização na região do Fórum Criminal, no bairro Santa Cândida, com a intenção de pressionar o poder judiciário para a expedição do mandato de prisão do segundo suspeito de envolvimento no crime.

Em seguida a isso, eles se dirigiram até a sede da DFR, onde por volta das 2h fizeram um buzinaço em comemoração a operação policial.

De acordo com o delegado Rafael Vianna, da DFR, a morte do taxista aconteceu após uma intensa discussão. “Houve uma briga durante a corrida, por conta deles terem pedido para serem levados a um lugar e depois outro. Pelas imagens verificamos que houve uma intensa discussão, que culminou com a morte do taxista com várias facadas. Em seguida a isso, os marginais levaram os pertences dele”, explicou.

Até o fechamento desta reportagem, ainda não foi confirmada a prisão do segundo suspeito. O mandato pode ser expedido a qualquer momento.

Crime
Wuiliam Felipe Cardoso, 23 anos, foi morto na rua Professor Brasil Pinheiro Machado. Segundo testemunhas, uma dupla chegou caminhando até o ponto de táxi da rua Izaac Ferreira da Cruz, próximo a Unidade de Pronto Atendimento (UPA), e pediu uma corrida. O primeiro taxista teria recusado, por atender apenas corridas vindas da Central. Cardoso aceitou levar os dois rapazes. Após horas sem retorno, taxistas tentaram contato com o jovem, em vão.

O corpo do taxista estava entre os bancos e havia muito sangue pelos bancos e nas portas. As costas estavam bastante feridas e o pescoço com um corte profundo. O rádio estava entre as pernas do taxista, o que pode indicar que ele tenha tentado pedir socorro.


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*