PR tem escolas com mais professores do que alunos | Fábio Campana

PR tem escolas com mais professores do que alunos

vanda foto2

Há muita celeuma, até pelo momento crítico da oposição, sobre estudo da Secretaria de Educação a respeito da reestruturação da oferta de ensino na rede pública paranaense. A grita é generalizada e apontou-se, de forma irresponsável, para o fechamento de 150, 71, 40 escolas quando se trata de um estudo sem ainda o crivo da direção da própria Secretaria e do Governo do Estado.

Mas o estudo traz à luz situações interessantes e que merecem a reflexão. Por exemplo, há no Paraná, casos de escolas com seis, oito e 12 estudantes, nas quais o número de profissionais (professores e funcionários) da educação chega a 15 – um verdadeiro disparate.

No Estado são 2,2 mil escolas da rede estadual e dessas o estudo apontou para 71 que enfrentam essa situação. E das 71 escolas que fazem parte do estudo, 31 referem-se a escolas rurais e 19 de educação de jovens e adultos. “Há 21 propostas de extinção de locação, com o objetivo de otimização da rede, pois há salas ociosas em escolas públicas próximas, além da economia de recursos públicos”, destacou Vanda Garcia, superintendente de Desenvolvimento Educacional.

Há ainda casos de escolas instaladas em imóveis alugados. Em todo Paraná, há 109 prédios locados, que consomem cerca de R$ 13 milhões anuais. Em Curitiba, o valor em locações fica em torno de R$ 3,5 milhões.

E neste momento, está sendo avaliada apenas a questão da infraestrutura (número de alunos e de salas ociosas, por exemplo). Em seguida, serão avaliadas as questões pedagógicas e de recursos humanos. Só então haverá uma definição sobre cada caso.


13 comentários

  1. QUESTIONADOR
    terça-feira, 27 de outubro de 2015 – 12:31 hs

    -Para a maioria dos governos a educação de qualidade nunca foi um compromisso sério. Nunca houve um planejamento estratégico para melhorar o ensino a longa prazo….entra governo e sai governo e a educação piora a cada gestão. Não há mais incentivo à carreira docente, pesquisa científica….
    -O que interessa aos governantes, são as estatísticas. Quanto mais aprovados melhor. Existem alunos que não sabem matemática, língüa portuguesa e mesmo assim, alcançam a aprovação necessária para continuar seus estudos….

  2. terça-feira, 27 de outubro de 2015 – 12:49 hs

    Não adianta explicar, PTista não sabe ler, aliás PTista não sabe de nada, como o próprio Chefão da máfia alardeia.
    PTista não quer melhorias, prefere o caos para poder reclamar e desviar mais verbas para eles

    APP do PT é caso de POLÍCIA

  3. jose rosa
    terça-feira, 27 de outubro de 2015 – 12:59 hs

    TEM TRANSPORTE , TEM MERENDA, ENTÃO, TEM QUE REMANEJAR E FECHAR,

    O ESTADO NAO SUPORTA MAIS INCOMPETENCIA, DINHEIRO PUBLICO NAO É DO SINDICATO E APT SINDICATO

    DINHEIRO PUBLICO É PARA O POVO.

  4. tadeu rocha
    terça-feira, 27 de outubro de 2015 – 13:14 hs

    SERÁ QUE É VERDADE ISSO….HOJE NO BLOG DO ESMAEL, MAIS UMA PIADA QUE SAIU NO BLOG DELE. ASSIM,,,,,,AÉCIO CHORA A DERROTA SOFRIDA PARA DILMA UM ANO, …. ESMAEL COMO VOCE NÃO SABE O QUE ESTA ACONTECENDO NO BRASIL, COMO MENSALÃO PETROBRAS ETC, ESSA VERGONHA DE TANTO QUE ROUBARAM, PARA VOCE QUE É PT, ISSO NÃO TEM IMPORTANCIA NENHUMA… AJUDE O BRASIL ESMAEL.

  5. LENZA TOLEDO
    terça-feira, 27 de outubro de 2015 – 13:15 hs

    O impressionante é que alguns professores estão gritando como se estivessem sendo demitidos. Ao que me parece, não é esse o caso. Mas tb me salta aos olhos que muitos pais(ingênuos ou não) permitem que seus filhos sejam usados como massas de manobras nas mãos de professores agitadores. Alô, pai: tem professor fazendo seu filho de palhaço.

  6. Albert
    terça-feira, 27 de outubro de 2015 – 15:00 hs

    Não é só petista que é ignorante.Tem um deputado que emitiu opinião só prá confundir o eleitorado, aliás o que ele mais sabe fazer…..

  7. João Armindo
    terça-feira, 27 de outubro de 2015 – 16:02 hs

    Querem acabar com a duvida? Façam uma visita, por exemplo, ao Loureiro Fernandes ali no Ahú, verifiquem qual é o porte da escola (capacidade de alunos), quantos alunos matriculados tem ali, quantos professores, quantos funcionários, verifiquem de que bairro e de que cidade da região metropolitana são esses alunos e ao final decidam.

    Eu já conheci escolas do interior e dois exemplos chamavam a atenção: No Campo bonito a escola rural Nossa Senhora Salete e em Guaraniaçu a escola rural Planaltina, eram escolas compartilhadas entre o estado e o município, estabelecimentos sem lotação plena, mas aí se justifica porque tem que atender a comunidade do campo, conheci aluno que caminhava até 40 quilômetros pra chegar na escola, saia de madrugada, coisa triste, mas chegava a tempo de perfilar para cantar o hino e assistir as aulas.

    Nessas escolas, tanto os professores como os funcionários e os alunos devem ser tratados como heróis, esses locais são para os fortes!

    Tempo bom!!!!!

  8. Nelson
    terça-feira, 27 de outubro de 2015 – 17:35 hs

    João Armindo concordo em partes com você. Acho que esta reestruturação é mais que necessária pois nós como cidadãos é que pagamos por escolas sub-utilizadas e que os gastos direcionados a estas escolas poderiam muito bem ser utilizadas em outros itens dentro da Educação como a verba para reforma e manutenção de outras escolas. É necessário que se de um tempo nesta reestruturação. Acredito que os alunos das escolas que forem fechadas serão remanejadas para escolas mais próximas de sua residência e caso não haja o Governo deverá disponibilizar transporte escolar para que nenhuma delas deixe de frequentar a escola.

  9. Simon diz
    terça-feira, 27 de outubro de 2015 – 20:49 hs

    O problema é que temos o conhecimento de escolas que tiveram sua construção integralmente paga pelo governo, via SUDE, e que sequer saíram do alicerce…
    Isto dificulta a legitimação de qualquer medida que seja tomada no sentido de diminuir turmas, junção de escolas ou mudanças de prédios alugados para prédios próprios de escolas que seriam extintas, como o caso do C.E. Barão do Rio Branco em Curitiba…
    Segundo o NRE/Curitiba o C.E. Xavier da Silva cederia suas centenárias instalações para o CEEBJA Poty Lazarotto. Foi só a diretora ligar para o líder do governo Romanelli e pronto, tudo resolvido!
    Que fase…

  10. Carlos trevizo
    terça-feira, 27 de outubro de 2015 – 20:59 hs

    Infeliz esse país. Se administra está errado, se não administra está errado. E a corja continua ladrando sempre, só não ladram os que estão na roubalheira do pt

  11. zé povinho
    terça-feira, 27 de outubro de 2015 – 21:15 hs

    Infelizmente esta cidadã foi muito infeliz nas declarações que deu, disse uma coisa na semana passada. Depois que a Poderosa caiu de pau na Secretaria a superintendente mudou um pouco o discurso, mas o estrago já estava feito. Porque esta cidadã já não nos disse que existem escolas com mais professores e burocratas que alunos? Porque é uma idiota, ninguém dá tiro no pé para fazer propaganda de si mesma. Infelizmente o Betinho adora se cercar de imbecis do tipo desta cidadã, porque as declarações feitas por ela só podem vir de uma imbecil.

  12. Edilson
    terça-feira, 27 de outubro de 2015 – 23:41 hs

    Desde quando fechar escola é uma boa opção de gestão. Então tá , fechar escolas é a solução a curto prazo para custos, mas a médio e longo prazo será degradante para a nossa sociedade. Sou contra o PT mas não sou alienado.

  13. João Armindo
    quarta-feira, 28 de outubro de 2015 – 12:28 hs

    É preciso fazer a Gestão da Escola Pública, isso significa cortar na carne…E para isso a sociedade, a comunidade escolar e o governo terão que sentar a mesa e avaliar os interesses e as necessidades, será preciso verificar resultados, será preciso tirar a bunda da cadeira e ir a campo, será preciso entender o que é ociosidade por estabelecimento escolar, por sala de aula e o que é capacidade ideal. É preciso entender que ajuste fiscal também reflete na Educação, fica difícil manter um estabelecimento com poucos alunos quando dentro do mesmo perímetro temos outro estabelecimento que tem porte para uma demanda a ser ajustada. Há prédios locados e isso precisa ser revisto, verificar a necessidade e os “interesses”. Há uma escola no Santa Quitéria que o prédio era locado, acho que ainda é, mas por um “erro” acabou tendo a preferencia pra receber uma “Quadra” com custo próximo a 300 mil reais na época em que a visitamos. Enquanto isso escola como o Luiza Ross no Boqueirão, prédio próprio, não foi agraciada!! Pergunto, é certo uma escola com prédio locado e que o dono tem articulações politicas com o rei, receber um presentão desses? Quem não conhece estórias como essa pode de fato ter opinião contrária, mas temos aí uma oportunidade pra discutirmos a “Escola Pública” e devemos aproveitar.
    É claro que não devemos tomar decisões que não respeitem capacidade e lotação, afinal colocar 1000 alunos num prédio estruturado pra receber 700 vai provocar a exaustão do mesmo e exigir que em vez de manutenção preventiva que tem custo razoável o estado tenha que reconstruir o prédio num período de 5 anos, isso não tem cabimento, é preciso planejamento.

    Chamem o Darcy Marzulo e ele dará uma aula sobre escola pública, sucesso e insucesso de uma gestão!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*