Ney Leprevost luta por 5 dias de prazo máximo de agendamento de exames | Fábio Campana

Ney Leprevost luta por 5 dias de prazo máximo de agendamento de exames

unnamed
Ney Leprevost protocola recurso contra parecer que barra seu projeto para limitar em 5 dias o prazo de agendamentos de exames

O deputado Ney Leprevost, líder da Frente Estadual da Saúde e Cidadania, protocolou na Assembleia Legislativa recurso contra o parecer contrário da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que barrou o projeto de lei nº 90/2015 que determina tempo máximo para agendamento e realização de procedimentos cirúrgicos e exames de diagnósticos e laboratoriais no Sistema Único de Saúde no Estado do Paraná.

A Comissão apresentou parecer contrário ao projeto, opinando pela rejeição da proposição, alegando que a proposta irá acarretar acréscimo de gastos ao Governo Estadual. Segundo o parlamentar a proposição não acarretará aumento de custos ao Poder Executivo, tendo em vista que, ao tratar os pacientes dentro de um prazo razoável e aceitável, acaba por minimizar os efeitos das doenças ou, até mesmo, evita seu acometimento, reduzindo, dessa forma, os gastos despendidos com saúde pelo Estado.

“Vamos lutar para aprovar esse projeto. A demora excessiva no agendamento de procedimentos cirúrgicos representa um desrespeito aos paranaenses e a Constituição Federal no que diz respeito à eficiência, universalização e integralidade de serviços de saúde. Esse projeto de Lei representa um avanço na atenção à saúde, uma questão não apenas de cidadania, mas sim de dignidade, representa a preocupação e a sensibilidade com o bem mais precioso que tem um ser humano, a vida”, afirmou Leprevost.

De acordo com o texto, os agendamentos deverão ser efetuados em até cinco (05) dias da solicitação encaminhada pela Unidade de Saúde. Na ocasião do agendamento será verificada a urgência e a complexidade do procedimento; ainda será realizada a consulta de disponibilidade de vagas no Sistema de Regulação para Leitos, Exames e Consultas. Em casos de urgência e emergência o agendamento deverá ser realizado de imediato.

Ainda segundo o texto do projeto, os exames de diagnósticos e laboratoriais deverão obedecer aos seguintes prazos, ressalvados casos de urgência e emergências; os serviços de diagnósticos e laboratoriais de análises clínicas em regime ambulatorial em até cinco (05) dias úteis contando a partir da data da solicitação do agendamento; os demais serviços de diagnósticos e terapia em regime ambulatorial deverão ser realizados em até dez (10) dias úteis contados a partir da data da solicitação do agendamento e os procedimentos cirúrgicos deverão ser realizados num prazo de, no máximo, sessenta (60) dias contados a partir da solicitação do agendamento, levando em consideração a complexidade do procedimento.


7 comentários

  1. Lineu
    quinta-feira, 15 de outubro de 2015 – 21:34 hs

    Ney , guerreiro da saúde

  2. Parreiras Rodrigues
    quinta-feira, 15 de outubro de 2015 – 21:56 hs

    Ué. O Esmael tá divulgando outro resultado, com Lula na frente.

  3. Jornalista Indignado
    sexta-feira, 16 de outubro de 2015 – 2:44 hs

    Se dependesse desta tal de CCJ , era melhor economizar o dinheiro público e fechar a Assembléia do Paraná. Não aprovam nada que é bom para o povo.

  4. Linça
    sexta-feira, 16 de outubro de 2015 – 11:13 hs

    Queremos o Ney prefeito .

  5. Diogo
    sexta-feira, 16 de outubro de 2015 – 11:23 hs

    Este trabalha e luta pela saúde. Pena que é uma voz solitária neste país.

  6. sexta-feira, 16 de outubro de 2015 – 13:58 hs

    Deputado, não seja demagogo, o sr. não precisa disto.No seu plano de saúde marcam exames em cinco dias? respondo :claro que não.Então o Sr. Acha que o SUS, que nem sabe quantos usuários tem, tamanha sua clientela irá marcar em cinco dias?CONTINUE SENDO UM DEPUTADO SÉRIO, NÃO ENTRE NESTA DE DIZER O QUE O POVO QUER OUVIR.

  7. Ademar
    sexta-feira, 16 de outubro de 2015 – 16:17 hs

    O Ney está certo. Tem que meter pressão neste SUS.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*