Estado autoriza processos administrativos contra 62 auditores fiscais | Fábio Campana

Estado autoriza processos administrativos contra
62 auditores fiscais

Mauro Ricardo Costa.Foto: Valter Pontes

O secretário Mauro Ricardo Costa (Fazenda) autorizou a abertura dos processos administrativos disciplinares contra 62 auditores fiscais denunciados nas ações penais referentes à Operação Publicano. Nos próximos dias serão instauradas quatro comissões processantes, cada uma composta por três servidores, que vão apurar as irregularedades apontadas pela corregedoria da Receita Estadual. As informações são d’O Paraná.


6 comentários

  1. Jorge Siqueira
    sexta-feira, 30 de outubro de 2015 – 15:04 hs

    Difícil ser fiscal nesse país. Se você não multa o sujeito é porque você ta pegando dinheiro por fora, se você vai identifica irregularidades e lavra a multa é porque o cara não quis te pagar caixinha por fora. Ai fica difícil trabalhar assim, imagino como esteja a cabeça dos poucos auditores que sobraram e ainda estão na ativa. Prefiro ganhar menos e mexer com outra coisa do que ter um cargo desses e ficar exposto a ser incriminado por estar executando meu trabalho e no outro dia ser escrachado na imprensa algemado pelo tornozelo. Eu particularmente já tive empresa já me fiscalizaram,não tinha nada errado e também ninguém me pediu nada, nem água pra tomar.

  2. sexta-feira, 30 de outubro de 2015 – 16:03 hs

    EM TODAS AS CARREIRA EXISTEM OS BONS E OS MAUS PROFISSIONAIS.
    NA CARREIRA DE AUDITOR NÃO É DIFERENTE, SEMPRE QUE É DESCOBERTO ALGUMA IRREGULARIDADE OS CULPADOS SÃO PUDIDOS.
    AGORA ESTE CASO ESPECIFICAMENTE FUGIU A TUDO QUE A RECEITA ESTADUAL PREGA, E ESTES BANDIDOS TEM QUE RECEBER UMA PUNIÇÃO EXEMPLAR, COM A PERDA DO CARGO PÚBLICO.
    A GRANDE MAIORIA DE FUNCIONÁRIOS DA SECRETARIA DA FAZENDA E RECEITA ESTADUAL QUEREM VER FEITA A JUSTIÇA.
    TANTO OS AGENTES FAZENDÁRIOS COMO OS AUDITORES FISCAIS, ESTÃO SENTINDO NA PRÓPRIA PELE, E OS BONS ESTÃO PAGANDO PELOS MAUS.
    A SOCIEDADE TEM SEMPRE QUE PROCURAR SEPARAR O JOIO DO TRIGO E NÃO CONDENAR ESTAS DUAS CATEGORIAS QUE SEMPRE PROCURAM CUMPRIR COM OS SEUS DEVERES DE FORMA JUSTA E HONESTA.
    PERCEBE-SE UMA CAÇA AS BRUXAS TANTO NA CARREIRA DE AGENTE FAZENDÁRIO COMO NA DE AUDITOR FISCAL, AS DUAS CARREIRAS ESTÃO SENDO PENALIZADAS PELA FALTA DE CARÁTER DE ALGUNS FUNCIONÁRIOS BANDIDOS.
    QUE A JUSTIÇA SEJA FEITA E QUE QUEM COMETEU CRIMES PARA O PREÇO.

  3. Jorge Siqueira
    sexta-feira, 30 de outubro de 2015 – 16:37 hs

    Carlos,concordo com você,porém vejo muito sensacionalismo em tudo isso, a grande maioria desses auditores presos pelo que me consta tem seu patrimônio compatível com seu salário e muitos foram presos porque um pedófilo confesso que pra mim não passa credibilidade alguma disse que o cara pegava dinheiro por fora, dai fica difícil acreditar cegamente em tudo isso. Uma pessoa que ganha algo proporcional a 20,30 mil por mês consegue ter um bom patrimônio ao longo de uns 20 anos de carreira, eu particularmente prefiro não me antecipar em julgamentos,único fato verdadeiro é que o tal pedófilo confessou que metia a mão no jarro e devolveu fazendas que são incompatíveis com seu salário .

  4. SIDÃO PG
    sexta-feira, 30 de outubro de 2015 – 17:25 hs

    SE CUIDE PESSOAL DA 3ª DE PONTA GROSSA, ESTÃO CHEGANDO PERTO.

  5. Marcelo
    sexta-feira, 30 de outubro de 2015 – 17:26 hs

    – A instauração deste PAD fora efetuada em desacordo com a Lei Complementar 131/2010, inciso II, 2ª parte do artigo 112, que prescreve a instauração DIRETA de PAD somente se os requisitos das alíneas “a”, “b” e “c” do inciso I deste mesmo artigo estiverem DOCUMENTALMENTE COMPROVADOS ou CONFESSADOS pelo(s) suposto(s) autor(es), o que não é o caso, poi somente há confissão do pedófilo e sua irmã. Para estes, sim, há requisitos para instauração DIRETA de PAD sem necessidade de prévia sindicância investigatória. O que houve no presente foi um ACOVARDAMENTO dos membros do CSAF que deixaram de analisar os fatos corretamente, com medo da imprensa e o MP. Como conseguiram analisar um imbróglio tão grande em somente duas horas e meia de audiência? – Não analisaram nada. Somente, covardemente, cumpriram com a ordem do patrão, deixando, consequentemente, de cumprir com seu papel de órgão filtrador que é. Todas as categorias profissionais possuem os seus conselhos para a defesa e julgamento de seus pares. Inadmissível que o CSAF tenha se prestado a esse papel. Melhor entingui-lo mesmo. Trata-se de PAD instaurado tão somente a ter como supostas provas COLABORAÇÕES PREMIADAS RECÍPROCAS E OU CRUZADAS que nada provam, conforme decisão do STF, Petição 5.700 DF – Ministro Celso de Mello, datada de 22/09/2015. Não é preciso nem dizer que tais colaborações premiadas recíprocas/cruzadas NÃO POSSUEM O CONDÃO DE FAZER PROVAS DOCUMENTAIS a consubstanciar instauração DIRETA de PAD como estão fazendo. E mais, o uso de provas emprestadas somente é permitido no PAD já em curso. Tão somente elas não servem para a sentença de pronúncia em crimes dolosos contra a vida ou em termo de indiciação de PAD. Vamos aguardar.

  6. lou
    sexta-feira, 30 de outubro de 2015 – 17:32 hs

    A compatibilidade do patrimônio deve ser verificada e ao que consta ainda não foi;
    O Réu confesso e delator era inspetor de fiscalização e não era pouca coisa na ordem do dia, está sustentando suas informações com provas e documentos com conexão aos fatos, pois do contrário terá uma pena de uns 100 anos. Ele acumulou mais do que acumulariam uns 20 auditores honestos;
    O salário de 20 por mês é recente na maior parte do tempo era a metade disso.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*