Prefeitos cobram verbas federais do SUS em ato no dia 28 em Curitiba | Fábio Campana

Prefeitos cobram verbas federais do SUS em ato no dia 28 em Curitiba

unnamed

No próximo dia 28, Curitiba será sede de um grande ato reivindicando mais recursos federais para investimentos e custeio dos serviços ofertados através da rede pública de saúde do Paraná. Puxado pela Associação dos Municípios do Paraná, o ato deve mobilizar mais de 500 pessoas, entre prefeitos, deputados federais e estaduais, gestores e representantes de entidades ligadas à área da saúde. “A intenção é pedir ao governo federal mais agilidade no andamento dos processos de habilitação de serviços e pagamentos de dívidas que a União tem com o Estado do Paraná”, afirma o presidente da AMP, Marcel Micheletto (PSDB), prefeito de Assis Chateaubriand.

A prioridade é a expansão do financiamento das Redes Mãe Paranaense e Paraná Urgência. O pedido é que o Ministério da Saúde contemple hospitais, maternidades e prontos-socorros de todo o Estado e não só das regiões de Curitiba, Londrina e Maringá, como ocorre hoje.

A medida garantiria R$ 289 milhões a mais por ano ao Paraná, sendo R$ 60 milhões referentes à habilitação da Rede Cegonha (atenção materno-infantil) e outros R$ 229 milhões da habilitação da Rede de Urgência e Emergência.

Outras reivindicações estão relacionadas a demandas que estão pressionando o caixa dos municípios, que gastam muito além dos 15% das receitas correntes líquidas previsto em lei. São questões que o Ministério da Saúde cria a despesa, mas não dá o aporte necessário para a manutenção dos serviços.

Também está incluída na pauta a habilitação dos Serviços Integrados de Saúde Mental (SIMPR) e dos Serviços de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) em diversas regiões. De acordo com as entidades que encabeçam o movimento, a maioria dos débitos do governo federal diz respeito a repasses já pactuados há meses, mas que até agora não foram concretizados.

O atraso nas habilitações está gerando uma série de prejuízos à população. O SAMU da região oeste, que atende 25 municípios, corre o risco de fechar devido ao déficit financeiro deixado pela falta de repasses do governo federal.

De acordo com o secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto, trata-se de um movimento apartidário, sem cunho político e com o único intuito de buscar o que é de direito dos paranaenses. “Nossa população não pode ser penalizada por conta da crise que o país vive. Não podemos admitir nenhum tipo de discriminação com o Paraná. Sabemos da dificuldade do governo federal, mas se saúde é mesmo prioridade isso tem que ser demonstrado através de investimentos”, ressaltou.


Um comentário

  1. M.E.J.
    domingo, 6 de setembro de 2015 – 11:28 hs

    Uma pergunta cretina:

    FRUET, prefeito Suvinil, vai se fazer presente?

    A AUSÊNCIA significa que o nosso Prefeito está CONTENTE com as verbas recebidas.

    QUANTO o governo DILMA está devendo para os municípios paranaenses?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*