Plauto Miró é contra novo aumento de impostos | Fábio Campana

Plauto Miró é contra novo aumento de impostos

plauto1-620x404

O deputado estadual Plauto Miró Guimarães é contrário a novos aumentos de impostos, inclusive à proposta de aumento de alíquotas do Imposto Sobre a Transmissão Causa Mortis e Doação de quaisquer bens ou direitos (ITCMD) – o imposto sobre heranças – previsto no pacote de combate à crise anunciado pelo governador. Primeiro-secretário da Assembleia, o deputado Plauto Miró Guimarães (DEM), disse ser contra a iniciativa – que prevê alíquotas de até 8% para transações de mais de R$ 500 mil, contra 4% cobrados atualmente.

“Não posso concordar com mais esse aumento de tributo, sendo que já aprovamos recentemente uma série de medidas necessárias para sanear as contas do Estado”, declarou Plauto. O projeto da Secretaria da Fazenda pretende isentar o pagamento do ITCMD para valores de até R$ 25 mil, mas de acordo com o deputado, “até as casas mais simples, ou terrenos pequenos situados em áreas distantes dos centros urbanos ultrapassam esse valor. Se a proposta é isentar, ótimo, sou favorável. Mas não há porque incidir aumento na alíquota para patrimônios de maior valor”, considera.

A posição do deputado é fundamentada no fato de que o aumento da alíquota não vai impactar o caixa do Estado. “Não haverá aumento significativo de arrecadação, apenas aumento para quem paga”, afirma. Segundo estudo da própria secretaria o Estado arrecada atualmente R$ 307,72 milhões com o ITCMD. Pela proposta de alíquota diferenciada a arrecadação chegaria a R$ 308,52 milhões.

O projeto prevê que os bens com valores entre R$ 25 mil e R$ 50 mil terão de recolher 2% de ITCMD. Entre R$ 50 mil e R$ 300 mil a alíquota será de 4%. Até R$ 500 mil o imposto sobe para 6% e acima disso, o Estado passa a cobrar 8%.

Plauto lembrou que uma manobra parecida está sendo discutida em Brasília e que o seu partido, o Democratas, é contrário à proposta. “Não posso votar de um jeito no Paraná, se em Brasília meu partido se posiciona de outra forma”, explica.


7 comentários

  1. Observador
    quinta-feira, 10 de setembro de 2015 – 10:54 hs

    Não existe isenção, ficariam isentos quem pagaria menos que R$ 100,00 – não podemos admitir AUMENTO em impostos.

  2. Brincks
    quinta-feira, 10 de setembro de 2015 – 11:39 hs

    É compreensível a posição do Deputado. Possuidor de fazendas e muitas outras propriedades terá que pagar uma grande soma para regularizar estes bens no caso de morte ou doação, que é quando incide o imposto. O fato é que a progressividade torna o imposto mais justo! Quem pode mais, paga mais!

  3. Branco
    quinta-feira, 10 de setembro de 2015 – 16:23 hs

    Sr Fábio, lamentável estes post’s , tentando alavancar políticos e afins, até meu cachorro é contra aumento de impostos!!!

  4. quinta-feira, 10 de setembro de 2015 – 16:40 hs

    HAHAHAHAAAA….

    Será que ele é contra funcionários da alep levarem os envelopinhos no final do mês para a esposa dele na primeira secretaria?

    Ah Plauto Miró, VOCÊ só tem cara de tontooooo $$$$$$$

  5. Observador
    quinta-feira, 10 de setembro de 2015 – 17:00 hs

    Deve-se levar em conta no caso desse imposto que nem sempre as pessoas recebem dinheiro como herança, mas bens móveis e imóveis e assim são obrigados a vender todo ou em parte o patrimônio recebido para gerar dinheiro e poder pagar o tal imposto. Se as heranças se resumissem ou fossem sempre em dinheiro vivo seria muito fácil, era só fazer a retenção na fonte, mas esta não é a realidade e quem sempre se ferra são os mais pobres.

  6. Renato Ribeiro
    quinta-feira, 10 de setembro de 2015 – 23:25 hs

    Marisa José, que saudades!!! Teu marido já se aposentou? E vc continua ocupando aquela mesinha tão simpática lá no IAP?vc devia e voltar pro buraco da onde saiu.

  7. Jorginho Vieira
    terça-feira, 22 de setembro de 2015 – 13:40 hs

    Brincadeira com o Plauto quando aumentaram os impostos desde Dezembro e não pararam mais ele estava feliz, atrasaram o 1/3 de Férias dos funcionários públicos, não deram reposição, enquanto não mexeu no bolso dos magnatas estava tudo bem o povo que se “dane” mas quando é para os almofadinhas pagarem impostos ai é contra, vai lavar essa cara.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*