É difícil Dilma resistir com o prestígio tão em baixa, diz Temer | Fábio Campana

É difícil Dilma resistir com o prestígio tão em baixa, diz Temer

dilma e temer foto3

O vice-presidente Michel Temer disse nesta quinta-feira (3) que será difícil Dilma Rousseff chegar até o fim do mandato se permanecer com índices tão baixos de popularidade. A conversa foi com empresários paulistas e registrada pela Folha de S. Paulo.

Questionado sobre as hipóteses sobre o fim precoce do governo – renúncia, impeachment, cassação via Justiça Eleitoral – e sobre a manutenção do governo mesmo sob forte crise, afirmou primeiro que Dilma não “é de renunciar”. “Ela é guerreira, não me parece que ela seja, digamos, renunciante”, afirmou.

O vice então disse que, com as medidas que estão sendo tomadas, acredita que as coisas tendem a melhorar em meados do ano que vem.

E então afirmou: “Hoje, realmente, o índice [de aprovação do governo] é muito baixo. Ninguém vai resistir três anos e meio com esse índice baixo. (…) Se continuar assim, eu vou dizer a você, 7%, 8% de popularidade, de fato, fica difícil”, concluiu.

Para Temer, a melhora do cenário econômico e do ambiente político podem ajudar o governo a recuperar a confiança da população. “Agora, não é torcer. É trabalhar.”

Sobre a hipótese de o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) decidir cassar a chapa com base nas denúncias da oposição de abuso de poder econômico e político na campanha, disse que não discutiria “porque as instituições têm que funcionar”. “Se a chapa for cassada eu vou para casa feliz. Ela vai para casa… Não sei se feliz”, concluiu.

Em meio à fala, Temer asseverou que espera “que o governo vá até 2018”.

Ao fim, a pergunta de um dos empresários presentes ao evento fez Temer se exaltar. Fora dos microfones, Fábio Suplicy questionou como o vice gostaria de entrar para a história: “Estadista ou oportunista?”, indagou.

Visivelmente irritado, Temer disse que muita gente fala sobre o assunto, mas ele “não move uma palha” para prejudicar a petista. Depois disse que, se conspirasse, “aí sim” estaria manchando a sua história.

Antes do incidente, questionado pela patrocinadora do evento, a empresária Rosangela Lyra, sobre Dilma ter assumido a articulação política, chamando líderes do Congresso para conversas à revelia dele, disse que não se sentiu agredido.

Ele ressaltou que o PMDB apoia integralmente o ministro Joaquim Levy (Fazenda).

O vice afirmou ainda que se considera responsável pelo governo ter enterrado a ideia de recriar a CPMF, o imposto do cheque.


2 comentários

  1. Rui Barbosa
    sexta-feira, 4 de setembro de 2015 – 13:46 hs

    Será a ave de rapina,comendo a carniça!

  2. Manezao
    sexta-feira, 4 de setembro de 2015 – 20:58 hs

    Dilma tem uma saída : privatizar Petrobras , Correios , Banco do Brasil …ai o Brasil ganha credibilidade…dólar baixa, bolsa dispara,,,e diminui a corrupção !!
    Dilma não tem nada a perder ,,,,

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*